SAN­TA JO­A­NA

Ins­ti­tui­ção al­can­ça 22% en­tre pú­bli­co com 41 anos ou mais e 20% en­tre mu­lhe­res

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice #337 - por Gabriela Val­da­nha

D os ca­sos de al­to ris­co do Hos­pi­tal e Ma­ter­ni­da­de San­ta Jo­a­na, um cha­mou a aten­ção do mé­di­co Mar­co Antô­nio Zac­ca­rel­li. Há dois anos, um re­cém-nas­ci­do so­freu uma pa­ra­da car­di­or­res­pi­ra­tó­ria de 37 mi­nu­tos e saiu do hos­pi­tal sem ne­nhu­ma se­que­la neu­ro­ló­gi­ca. O fi­nal fe­liz foi al­can­ça­do de­vi­do ao pro­ce­di­men­to de hi­po­ter­mia te­ra­pêu­ti­ca (o be­bê é res­fri­a­do en­quan­to seu san­gue é oxi­ge­na­do e sua ati­vi­da­de ce­re­bral, mo­ni­to­ra­da).

“Quan­do o par­to ocor­re den­tro da nor­ma­li­da­de, pres­ta­mos to­dos os ser­vi­ços de qua­li­da­de. Mas nos­so gran­de di­fe­ren­ci­al é no aten­di­men­to de al­ta com­ple­xi­da­de”, afir­ma Zac­ca­rel­li, di­re­tor-ge­ral da ins­ti­tui­ção.

Pe­la se­gun­da vez, a ma­ter­ni­da­de li­de­ra so­zi­nha a ca­te­go­ria.

O hos­pi­tal foi cri­a­do na dé­ca­da de 1940, quan­do mé­di­cos re­cém-for­ma­dos na San­ta Ca­sa de­ci­di­ram abrir uma ca­sa de saúde na an­ti­ga rua Tu­pi­nam­bá, ho­je rua do Pa­raí­so, pró­xi­ma ao fim da ave­ni­da Pau­lis­ta.

A re­si­dên­cia, que ti­nha mais de 40 ti­pos de ro­sa no jar­dim, pas­sou por re­for­mas e trans­for­ma­ções até, em 1991, atin­gir a mar­ca de mil par­tos por mês —ho­je, são 1.300.

Uma das mais re­cen­tes aqui­si­ções da ins­ti­tui­ção é a UTI Ne­o­na­tal Neu­ro­ló­gi­ca, inau­gu­ra­da em 2016. En­ca­be­ça­do pe­lo ne­o­na­to­lo­gis­ta Ga­bri­el Va­ri­a­ne, tem co­mo ob­je­ti­vo o de mi­ni­mi­zar pos­sí­veis le­sões ce­re­brais.

A pa­la­vra-cha­ve, se­gun­do Zac­ca­rel­li, é se­gu­ran­ça. “Es­se é o fo­co da ma­ter­ni­da­de, res­pei­tan­do as op­ções de ca­da ca­so”, diz.

Ape­sar de o nú­me­ro de ce­sá­re­as ain­da ser maior, os par­tos nor­mais têm su­bi­do (no San­ta Jo­a­na, 34,8%). “A cul­tu­ra da ce­sá­rea fi­cou ar­rai­ga­da tan­to na mu­lher quan­to no mé­di­co du­ran­te mui­tos anos.” Gra­ças ao tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e de en­ti­da­des mé­di­cas de in­cen­ti­vo ao par­to nor­mal, ho­je há uma mu­dan­ça cul­tu­ral, na opi­nião do di­re­tor do San­ta Jo­a­na.

O pró­xi­mo de­sa­fio da ins­ti­tui­ção diz res­pei­to a um ou­tro ti­po de par­to. Aos 69 anos, a ma­ter­ni­da­de se pre­pa­ra para se tor­nar “mãe” pe­la pri­mei­ra vez: irá abrir uma no­va uni­da­de (lo­cal e da­ta de inau­gu­ra­ção não fo­ram di­vul­ga­dos).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.