TOK&STOK

Pre­fe­ri­da no cen­tro (31%) e pe­los pau­lis­ta­nos com ní­vel su­pe­ri­or (17%), re­de in­ves­te na cri­a­ção de pro­du­tos e li­de­ra pe­lo ter­cei­ro ano se­gui­do

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice #337 - por Ma­ri­a­na Agun­zi

Mo­bi­li­ar e de­co­rar uma ca­sa, até o fim dos anos 1970, não era ta­re­fa fá­cil. Se vo­cê gos­ta­va de uma ca­dei­ra, mas não que­ria a me­sa de jan­tar “com­bi­nan­do”, uma pe­na —ou le­va­va o jo­go to­do, ou não le­va­va nada. Além dis­so, era pre­ci­so es­pe­rar se­ma­nas, ou até me­ses, para os mó­veis se­rem en­tre­gues em ca­sa.

Foi es­se ce­ná­rio que a Tok&Stok sa­cu­diu ao sur­gir no país em 1978, fun­da­da pe­lo ca­sal fran­cês Ré­gis e Ghis­lai­ne Du­bru­le, em um imó­vel na ave­ni­da São Ga­bri­el, no Jar­dim Pau­lis­ta, zo­na oes­te pau­lis­ta­na.

Na lo­ja, tu­do que es­tá ex­pos­to po­de ser ad­qui­ri­do. O cli­en­te vi­su­a­li­za co­zi­nhas, sa­las, es­cri­tó­ri­os e quar­tos mon­ta­dos. Po­de es­co­lher en­tre com­prar um ta­pe­te, um jo­go com­ple­to de pra­tos ou só uma ca­ne­ca. Para itens mai­o­res, co­mo so­fá ou ca­ma, o tem­po de en­tre­ga pro­me­ti­do é de até três ou qua­tro di­as, na ca­pi­tal pau­lis­ta.

A re­de é con­si­de­ra­da ino­va­do­ra por ali­ar pe­ças com de­sign ar­ro­ja­do à pron­ta-en­tre­ga. A fór­mu­la ain­da dá cer­to: a em­pre­sa foi con­si­de­ra­da, pe­lo ter­cei­ro ano con­se­cu­ti­vo,

a me­lhor lo­ja de de­sign e de­co­ra­ção de São Pau­lo, sen­do ci­ta­da por 13% dos en­tre­vis­ta­dos pe­lo Da­ta­fo­lha das clas­ses Ae B. A apro­va­ção so­be para 17% en­tre os pau­lis­ta­nos com ní­vel su­pe­ri­or com­ple­to.

CRI­A­ÇÃO PRÓ­PRIA

Para Da­ni­el Nishiwa­ki, pre­si­den­te da ADP (As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de De­sig­ners de Pro­du­to), o trun­fo da mar­ca é a es­tra­té­gia de in­ves­ti­men­to em de­sign. “Mui­tas lo­jas falam so­bre es­sa cul­tu­ra, mas elas não têm. Na Tok&Stok, vá­ri­os de­sig­ners, na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, as­si­nam os pro­du­tos”, diz ele.

A par­ce­ria mais re­cen­te foi com os ir­mãos Cam­pa­na —des­de o iní­cio de maio, os mó­veis da co­le­ção “As­si­mé­tri­ca”, lan­ça­dos sob a as­si­na­tu­ra do famoso duo bra­si­lei­ro, po­dem ser en­con­tra­dos na re­de.

Há pou­co tem­po, Mauricio de Sou­sa tam­bém as­si­nou uma co­le­ção que es­tam­pa ca­ne­cas, aven­tais, pra­tos e co­pos com os per­so­na­gens da Turma da Mônica.

São de­ta­lhes que agre­gam va­lor ao pro­du­to e fa­zem a mar­ca se des­ta­car na lem­bran­ça do pau­lis­ta­no. “Mu­da a per­cep­ção de va­lor do con­su­mi­dor. Se ele en­con­tra um mó­vel igual e mais ba­ra­to em ou­tro lu­gar, ele com­pra em ou­tro lu­gar. Mas, se é exclusivo, não”, ava­lia Nishiwa­ki.

É com es­sa car­ta na man­ga, tam­bém, que a Tok&Stok atra­ves­sou a cri­se econô­mi­ca de 2016 re­la­ti­va­men­te imu­ne e man­te­ve os pla­nos de ex­pan­são, pas­san­do de 50 para 53 lo­jas no país.

“Es­ta­mos es­pe­ran­ço­sos, te­mos um ce­ná­rio oti­mis­ta pe­la fren­te”, afir­ma o di­re­tor de pla­ne­ja­men­to co­mer­ci­al da re­de, Ni­lo Sig­no­ri­ni. A ideia, se­gun­do ele, é abrir mais três uni­da­des ain­da nes­te ano.

Para se­guir com o cres­ci­men­to no Es­ta­do, a em­pre­sa apos­ta em lo­jas com­pac­tas, de até mil me­tros qua­dra­dos, on­de o cli­en­te en­con­tra pra­ti­ca­men­te tu­do o que es­tá dis­po­ní­vel nos ou­tros es­pa­ços da re­de (ex­ce­to os gran­des mó­veis, ofe­re­ci­dos em ca­tá­lo­gos vir­tu­ais), re­pe­tin­do o pa­drão das uni­da­des tra­di­ci­o­nais.

“Te­mos uma pre­o­cu­pa­ção mui­to gran­de com a ex­pe­ri­ên­cia de com­pra. Exis­te to­da uma ci­ên­cia por trás”, afir­ma Sig­no­ri­ni.

“NÃO QUE­RE­MOS FA­ZER SÓ UM SHO­WRO­OM DE MÓ­VEIS, MAS SIM CRIAR UMA DE­CO­RA­ÇÃO QUE REMETA ÀS CA­SAS DAS PES­SO­AS. CA­DA AM­BI­EN­TE TEM UMA HIS­TÓ­RIA PARA CON­TAR” NI­LO SIG­NO­RI­NI, DI­RE­TOR DE PLA­NE­JA­MEN­TO CO­MER­CI­AL DA TOK&STOK

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.