DO AL­TO DA PAU­LIS­TA

No­vo es­pa­ço co­le­ti­vo tem cho­pe à von­ta­de, fes­ta na se­gun­da e tor­na pos­sí­vel fe­char ne­gó­ci­os com o co­le­ga do la­do

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - P - por Ra­fa­el Ba­la­go

A por­ta do ele­va­dor se abre e uma sé­rie de for­tes lâm­pa­das re­don­das e ama­re­las dão um le­ve sus­to na vi­são. Elas le­vam até uma enor­me re­cep­ção, ao la­do de me­sas e so­fás co­lo­ri­dos, com for­mas va­ri­a­das, e de uma co­zi­nha, on­de pes­so­as se ser­vem li­vre­men­te de ca­fé e cho­pe e aque­cem seu al­mo­ço. Pa­re­ce um hos­tel des­co­la­do da Eu­ro­pa. Po­rém, pa­ra mais de 800 pes­so­as, é um no­vo lo­cal de ex­pe­di­en­te.

Es­te é um dos am­bi­en­tes do WeWork, es­pa­ço de tra­ba­lho com­par­ti­lha­do (ou co-wor­king) aber­to no nú­me­ro 1.574 da ave­ni­da Pau­lis­ta, na pri­mei­ra se­ma­na de ju­lho.

Em dois an­da­res des­se pré­dio, cu­jo am­plo hall re­ce­bia as de­co­ra­ções de Na­tal do fi­na­do Ban­co Re­al, cir­cu­lam em­pre­en­de­do­res, fun­ci­o­ná­ri­os de em­pre­sas tra­di­ci­o­nais, co­mo es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia que querem re­du­zir gastos, e mem­bros de gran­des com­pa­nhi­as.

A mul­ti­na­ci­o­nal EDP le­vou 20 pes­so­as pa­ra lá em bus­ca de start-ups com pro­je­tos no se­tor de ener­gia. “A área co­mum é mui­to mo­vi­men­ta­da. Sem­pre tem even­to, happy hour to­do dia, al­go que não es­ta­mos acos­tu­ma­dos nu­ma em­pre­sa tra­di­ci­o­nal, mas fun­ci­o­na mui­to bem pa­ra in­te­ra­gir e fe­char ne­gó­ci­os”, con­ta Lí­via Bran­do, 33, ge­ren­te de ino­va­ção da EDP.

Os vi­zi­nhos de me­sa são sem­pre po­ten­ci­ais cli­en­tes. Pa­ra o al­mo­ço, são ven­di­dos san­duí­ches e pe­que­nas re­fei­ções fei­tas com ingredientes or­gâ­ni­cos pe­la Unyc, in­qui­li­na do es­pa­ço. Em bre­ve, o pa­ga­men­to dos lan­ches po­de­rá ser fei­to pe­lo app MyCheck, ou­tra em­pre­sa se­di­a­da no WeWork.

Fo­ra o cho­pe, há ou­tros es­tí­mu­los pa­ra fa­zer ami­gos e pu­xar con­ver­sa com o des­co­nhe­ci­do ao la­do. A lis­ta in­clui au­las li­vres, tor­neio de xadrez e vi­a­gens pa­ra acam­pa­men-

tos que unem pa­les­tras e shows. O pró­xi­mo, na Eu­ro­pa, te­rá a ban­da bri­tâ­ni­ca Flo­ren­ce and the Ma­chi­ne.

A in­te­ra­ção tam­bém se dá em uma re­de so­ci­al fe­cha­da. Ne­la, os usuá­ri­os com­bi­nam mo­men­tos de la­zer e bus­cam par­ce­ri­as. Um pro­gra­ma­dor po­de pro­cu­rar in­te­res­sa­dos em fa­zer um ser­vi­ço de de­sign, por exem­plo. O mes­mo apli­ca­ti­vo usa­do nes­sas con­ver­sas ser­ve pa­ra re­ser­var sa­las, con­fe­rir a agen­da de even­tos e com­prar ser­vi­ços ex­tras.

Os pa­co­tes pa­ra tra­ba­lhar ali par­tem de R$ 800 por mês. Es­se va­lor dá di­rei­to a um lu­gar nas me­sas co­le­ti­vas e so­fás, in­ter­net wi-fi, água, ca­fé, chá e cho­pe à von­ta­de e cré­di­tos pa­ra usar a im­pres­so­ra, sa­las de reu­nião e ca­bi­nes pa­ra fa­zer li­ga­ções. Uma me­sa fi­xa cus­ta R$ 1.100 men­sais. Os pre­ços in­clu­em ser­vi­ço de lim­pe­za, gastos com água e ener­gia e ou­tros cus­tos pre­di­ais.

Al­guns pla­nos dão di­rei­to a usar ou­tros es­pa­ços da WeWork pe­lo mundo. Cri­a­da há se­te anos, a re­de es­tá em 45 ci­da­des de 16 paí­ses, co­mo Aus­trá­lia, Co­reia do Sul, EUA e Rei­no Uni­do. O es­pa­ço da Pau­lis­ta foi o pri­mei­ro no Bra­sil. No dia 1º/8, se­rá inau­gu­ra­da uma uni­da­de na Fa­ria Li­ma e, ain­da nes­te ano, abrem ou­tras no shop­ping JK Igua­te­mi, na re­gião da Ber­ri­ni e mais dois no Rio.

“Que­re­mos cri­ar um am­bi­en­te de tra­ba­lho pen­sa­do pa­ra es­ta ge­ra­ção, que se­ja agra­dá­vel e prá­ti­co”, re­su­me Lu­cas Men­des, 30, ge­ren­te ge­ral da WeWork no país, en­quan­to ca­mi­nha en­tre os cor­re­do­res de pa­re­des de vi­dro e lu­zes bai­xas. Mi­nei­ro, ele foi um dos cri­a­do­res do Cu­bo, in­cu­ba­do­ra do Itaú.

Co­mo é fre­quen­te em co-wor­kings, a ideia de que tra­ba­lhar é le­gal mar­ca pre­sen­ça. A che­ga­da da se­gun­da-fei­ra sem­pre é co­me­mo­ra­da com al­gu­ma ação, co­mo uma ses­são de mas­sa­gens. E o ex­pe­di­en­te não tem ho­ra pra aca­bar. “Aqui é 24 por 7. Não tem aque­la coi­sa de o se­gu­ran­ça pre­ci­sar fe­char o pré­dio às 22h, e vo­cê ter de ir em­bo­ra”, diz Men­des.

Am­bi­en­tes do WeWork, cu­jo pa­co­te in­clui cho­pe, chá e

ca­fé à von­ta­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.