‘Es­te­ros’ fa­la de sen­ti­men­tos guar­da­dos por anos

Fil­ma­da com sim­pli­ci­da­de, co­pro­du­ção Bra­sil-Ar­gen­ti­na lan­ça a ques­tão: e se vo­cê ti­ves­se fi­ca­do?

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice - por Ana Ri­bei­ro

Ma­ti­as (Ig­na­cio Ro­gers) e Jerô­ni­mo (Es­te­ban Mas­tu­ri­ni) são me­lho­res ami­gos. Fre­quen­tam a mes­ma es­co­la e tu­do cons­pi­ra pa­ra for­ta­le­cer es­sa ami­za­de: seus pais são pró­xi­mos e eles pas­sam os di­as li­vres da pré-ado­les­cên­cia no sí­tio da fa­mí­lia de Je­ro.

Ali, en­tre brin­ca­dei­ras tí­pi­cas de me­ni­nos, na­dam, boi­am la­do a la­do no la­go, to­mam ba­nho de chu­va, brin­cam de lu­ta e ou­tras ati­vi­da­des “mas­cu­li­nas” de con­ta­to fí­si­co.

De noi­te, no quar­to, eles se to­cam ti­mi­da­men­te. Sen­ti­men­tos co­mo de­se­jo e ciú­mes, ain­da não de­co­di­fi­ca­dos, des­pon­tam.

O im­pul­so de Je­ro­ni­mo é fi­car per­to; o de Ma­ti­as é se afas­tar. O ce­ná­rio da in­fân­cia dos dois é Pa­so de los Li­bres, no Es­ta­do ar­gen­ti­no de Cor­ri­en­tes.

Cor­ta pa­ra dez anos de­pois: Ma­ti e Je­ro se en­con­tram por aca­so, em uma fes­ta de Car­na­val (Pa­so de los Li­bres tem fes­ta, com ba­tu­que e fan­ta­sia). Ma­ti­as namora a be­la Ro­chi (a bra­si­lei­ra Re­na­ta Cal­mon), mas a sin­to­nia do ca­sal es­tá lon­ge de ser per­fei­ta.

Os ami­gos se re­a­pro­xi­mam de ma­nei­ra meio es­ta­ba­na­da e re­tor­nam pa­ra pas­sar um dia no sí­tio. Ali, en­tre lem­bran­ças e do­ses de uís­que, vão con­fes­san­do se­gre­dos.

As­sim nas­ce o sus­pen­se se­xu­al de “Es­te­ros”: os dois so­zi­nhos no sí­tio, cho­ve lá fo­ra,

sem si­nal de ce­lu­lar —e um de­se­jo con­ti­do há dé­ca­das. O que vai acon­te­cer ago­ra?

O di­re­tor Pa­pu Cu­rot­to usou ele­men­tos au­to­bi­o­grá­fi­cos nes­ta co­pro­du­ção Bra­sil-Ar­gen­ti­na que es­tre­ou na quin­ta (27) nos ci­ne­mas pau­lis­ta­nos. O tom me­lan­có­li­co do fil­me re­fle­te a ma­nei­ra co­mo os ami­gos se sen­tem —co­mo se ti­ves­sem vi­vi­do a vi­da pe­la me­ta­de. “Sa­be as TVs de quar­to de ho­tel, em que vo­cê só con­se­gue au­men­tar o vo­lu­me até cer­to pon­to?”, per­gun­ta Jerô­ni­mo. “Às ve­zes, me sin­to co­mo se vi­ves­se sus­sur­ran­do.”

A tris­te­za que pai­ra en­tre eles é a da não re­a­li­za­ção de uma his­tó­ria, de um amor que po­de­ria ter acon­te­ci­do, de uma sau­da­de que os dois car­re­gam pe­la vi­da. Je­ro le­va Ma­tu pa­ra um can­to es­con­di­do do la­go e des­cre­ve seu pon­to fa­vo­ri­to: “O lu­gar on­de nin­guém vem bei­jar a Be­la Ador­me­ci­da”.

DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.