Gil­ber­to El­kis con­ce­beu os jar­dins da pre­fei­tu­ra

Quem é Gil­ber­to El­kis, que con­ce­beu a área ver­de da man­são do pre­fei­to e re­vi­ta­li­zou o jar­dim da pre­fei­tu­ra

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice - por Chi­co Fe­lit­ti

Pa­ra Gil­ber­to El­kis, quem fi­ca pa­ra­do é plan­ta. Não que es­se ho­mem de 57 anos, bra­ços ta­tu­a­dos com te­má­ti­ca ja­po­ne­sa (os quais mo­vi­men­ta com frequên­cia e vi­gor), te­nha al­go con­tra plan­tas.

Mui­to pe­lo con­trá­rio, ele tra­ba­lha com elas: é um dos pai­sa­gis­tas de mai­or re­no­me no país. Ele só gos­ta de uma agi­li­da­de que o rei­no ve­ge­tal não po­de ofe­re­cer.

“Eu chu­tei o pau da bar­ra­ca. Vim en­tran­do, vim su­bin­do e fa­zen­do. Se não, tu­do ain­da es­ta­ria no mes­mo pé”, diz El­kis no 13º an­dar do pré­dio da pre­fei­tu­ra pau­lis­ta­na, no cen­tro da ci­da­de.

É a mais de 40 me­tros do va­le do Anhan­ga­baú, no to­po do edi­fí­cio Ma­ta­raz­zo (mas po­de cha­mar de Ba­nes­pi­nha, por cau­sa das dé­ca­das em que o ban­co fun­ci­o­na­va no lo­cal), que El­kis, cu­ja car­ta de cli­en­tes in­clui Eli­a­na e Ma­lu Ma­der, an­da pas­san­do gran­de par­te do seu tem­po. Ele foi o ho­mem es­ca­la­do por João Doria pa­ra re­vi­ta­li­zar o jar­dim sus­pen­so.

O pri­mei­ro pas­so do tra­ba­lho, ini­ci­a­do em mar­ço des­te ano, foi ti­rar de­ze­nas de ca­çam­bas de en­tu­lho que ha­via se acu­mu­la­do. “Ti­nha gar­ra­fa PET, es­tru­tu­ra de fer­ro, res­to de obra, lata de tin­ta.” Dez ho­mens tra­ba­lha­ram em ho­rá­rio co­mer­ci­al du­ran­te se­ma­nas pa­ra con­se­guir dar con­ta do ser­vi­ço de lim­pe­za da área.

Em se­gui­da, El­kis re­or­ga­ni­zou e re­plan­tou as es­pé­ci­es que já es­ta­vam ali há dé­ca­das —o pré­dio foi inau­gu­ra­do du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra, mas o jar­dim tem a mes­ma ca­ra des­de os anos 1970. Por cau­sa do so­lo ra­so em que fo­ram plan­ta­dos, os exem­pla­res mais al­tos têm de ser pre­sos com ca­bos de aço, pa­ra evi­tar que­das.

A flo­res­ta ele­va­da le­va o no­me de Wal­ter Ga­le­ra, que por dé­ca­das foi o jar­di­nei­ro do pré­dio e plan­tou com as pró­pri­as mãos os pés que ho­je for­mam um te­lha­do ver­de com bam­bus, pai­nei­ras fi­guei­ras e de­ze­nas de ou­tras plan­tas. “Era um se­nhor­zi­nho su­per­ba­ca­na. Ele foi plan­tan­do mu­di­nhas, sem sa­ber que aqui­lo tu­do ia ‘pe­gar’.” Só que a mai­o­ria das plan­tas vin­gou. “Não exis­te um pro­je­to, é bem au­to­ral.”

El­kis pen­sou em im­per­me­a­bi­li­zar o chão, com al­guns des­ní­veis, mas é atra­vés das ra­nhu­ras no pi­so que as ba­ses das plan­tas recebem água da chu­va. As raí­zes ema­ra­nha­das for­ma­ram um se­gun­do as­so­a­lho só­li­do abai­xo das pla­cas de con­cre­to. O que não é a con­di­ção ide­al, se­gun­do três bo­tâ­ni­cos ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem —e tam­bém de acor­do com o pró­prio paisagista.

“Eu não sei até quan­do es­se jar­dim vai sobreviver. Mas en­quan­to es­tá so­bre­vi­ven­do dei­xa sobreviver”, diz.

Quem en­trar ali —o lo­cal foi aber­to pa­ra vi­si­ta­ções em 2015, por Fer­nan­do Had­dad— ve­rá uma obra qua­se pron­ta. Ain­da fal­ta a tin­ta cin­za e pre­ta pa­ra dar o aca­ba­men­to no chão, que “de­ve ser do­a­da em bre­ve por uma em­pre­sa”, se­gun­do o paisagista. Além da tin­ta be­ne­me­ren­te, ele es­pe­ra ain­da a do­a­ção de no­vas lu­zes (“LED, ob­vi­a­men­te”), que de­vem vir de uma mul­ti­na­ci­o­nal de ele­trô­ni­cos.

O jar­di­nei­ro já fez ou­tros tra­ba­lhos pa­ra o pre­fei­to. “Eu fiz a casa de­le, dez anos atrás”, con­ta, re­fe­rin­do-se à man­são do pre­fei­to, no Jar­dim Eu­ro­pa, na zo­na oes­te.

Qu­es­ti­o­na­do co­mo é a flo­ra da casa em que o man­da­tá­rio pau­lis­ta­no vi­ve, uma das dez mai­o­res da ci­da­de, ele des­con­ver­sa: “Mui­ta coi­sa, é me­lhor nem ci­tar.” Ele afir­ma ter re­ce­bi­do de Doria uma “li­ber­da­de sen­sa­ci­o­nal” e um “im­pul­so fun­da­men­tal” pa­ra o bom an­da­men­to do tra­ba­lho.

Qual é a di­fe­ren­ça en­tre um pro­je­to pa­ra um em­pre­sá­rio e pa­ra o se­tor pú­bli­co? “O cli­en­te par­ti­cu­lar tem de­se­jos par­ti­cu­la­res. Quan­do vo­cê faz um tra­ba­lho pú­bli­co, tem uma li­ber­da­de mai­or, mas tem res­tri­ções de ver­ba.” A ver­ba, nes­se ca­so, era de ze­ro re­ais.

Quan­do o tra­ba­lho es­ti­ver con­cluí­do se­rá lo­gra­do um ter­mo de do­a­ção do ma­te­ri­al e da mão de obra uti­li­za­dos. Por ora, não há ne­nhum do­cu­men­to as­si­na­do. “Foi uma coi­sa que fiz com pra­zer”, diz El­kis.

Pra­zer mai­or que o tra­ba­lho, diz ele, só o de ou­vir o can­to dos pás­sa­ros que ali gor­jei­am e que apro­vei­tam o ban­que­te de ma­mão e ba­na­na num vi­vei­ro que ele co­lo­cou.

Gil­ber­to El­kis em jar­dim no to­po do pré­dio

da pre­fei­tu­ra

Ár­vo­res em bos­que no al­to da se­de do go­ver­no mu­ni­ci­pal

EDU­AR­DO KNAPP/FOLHAPRESS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.