PELADO, PELADO

Fei­ra apos­ta em vi­nho fei­to ‘sem ma­qui­a­gem’, com pro­du­to­res or­gâ­ni­cos, bi­o­di­nâ­mi­cos e na­tu­rais

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Sustentável - →Na­tu­re­bas. R. Atí­lio In­no­cen­ti, 720, Vi­la No­va Con­cei­ção. Da­ta: 19/8, das 13h às 19h. En­tra­da: R$ 120. Re­ser­vas (me­di­an­te a pa­ga­men­to): na­tu­re­bas2017@saint­vin­saint.com.br

Ima­gi­ne que vo­cê se­ja de­sem­ba­ra­ça­do a pon­to de ex­por seu cor­po nu em uma fo­to. “Sem ma­qui­a­gem, rou­pas, pro­du­ção do ca­be­lo”, re­for­ça a som­me­liè­re Lis Ce­re­ja. É o ca­so de­la mes­ma, seu ma­ri­do e de dois ami­gos que po­sa­ram pa­ra a ima­gem no con­vi­te da Na­tu­re­bas, fei­ra que acon­te­ce em agos­to com vinhos or­gâ­ni­cos, bi­o­di­nâ­mi­cos e na­tu­rais.

A “fo­to-pro­tes­to” cha­ma a aten­ção pa­ra a “nu­dez de um vi­nho que não tem na­da a es­con­der”, ex­pli­ca Lis, à fren­te do even­to e tam­bém da Eno­te­ca Saint VinSaint, um res­tau­ran­te e lo­ja que fi­ca na Vi­la No­va Con­cei­ção. “Agra­de ou não, o vi­nho con­ven­ci­o­nal é fei­to e mo­di­fi­ca­do pa­ra atin­gir o mer­ca­do, com um pa­drão de aro­ma e sa­bor”, diz ela.

Es­ses pro­du­to­res ar­gu­men­tam que a ma­qui­a­gem re­pre­sen­ta um con­jun­to de “téc­ni­cas e adi­ti­vos eno­ló­gi­cos le­va­dos ao ex­tre­mo”, afir­ma. O per­fil des­ses “re­bel­des” va­ria, mas tem em co­mum va­lo­ri­zar o so­lo, o plan­tio e quem tra­ba­lha na ter­ra. En­glo­ba os cul­ti­vos sus­ten­tá­vel, or­gâ­ni­co e bi­o­di­nâ­mi­co, mas tam­bém a cha­ma­da pro­du­ção na­tu­ral, fei­ta com o me­nor ní­vel de in­ter­fe­rên­cia pos­sí­vel. “O re­sul­ta­do tra­duz com mais au­ten­ti­ci­da­de o am­bi­en­te que es­tá em vol­ta”, de­fen­de Lis.

Ape­sar das bo­as in­ten­ções, vinhos na­tu­rais já cau­sa­ram mui­ta po­lê­mi­ca. Es­pe­ci­a­lis­tas co­mo o au­tor bri­tâ­ni­co Hugh John­son de­mons­tram ter ques­tões a res­pei­to. “Se­ria na­tu­ral uma pa­la­vra pa­ra jus­ti­fi­car qual­quer ti­po de aci­den­te?”, ques­ti­o­na, em tex­to re­cen­te, su­ge­rin­do a tro­ca de na­tu­ral por “al­ter­na­ti­vo”. Uma crí­ti­ca é que o no­me na­tu­ral fa­ria os de­mais vinhos pa­re­ce­rem ar­ti­fi­ci­ais.

“Às ve­zes, vinhos na­tu­rais po­dem ser ób­vi­os de­mais, re­fer­men­tan­do [no­va fer­men­ta­ção in­de­se­ja­da na gar­ra­fa]. Mas es­tão fi­can­do ca­da vez me­lho­res”, de­fen­de ou­tra

O EVEN­TO, QUE ACON­TE­CE DIA 19 EM SÃO PAU­LO, TEM UM CON­VI­TE LIBERTÁRIO (CO­MO SEUS VINHOS): A FO­TO MOS­TRA A SOM­ME­LIÈ­RE LIS CE­RE­JA COM SEU MA­RI­DO E AMI­GOS, TO­DOS ELES

NUS

bri­tâ­ni­ca, Jan­cis Ro­bin­son, au­to­ra e crí­ti­ca, que tam­bém aju­da a es­co­lher os vinhos da ade­ga da rai­nha Eli­za­beth 2ª. “Exis­tem vinhos na­tu­rais bons e ruins, co­mo tu­do na vi­da. Aliás, mais uma vez, a de­fi­ni­ção de bom ou ruim foi fei­ta pe­lo mer­ca­do”, res­pon­de Lis.

Mais um de­ta­lhe da fei­ra des­te ano (e de sua fo­to): além de nus, os mo­de­los es­tão com as mãos ata­das. É uma re­fe­rên­cia di­re­ta ao ca­so do pro­du­tor de vi­nho na­tu­ral gaú­cho Edu­ar­do Zen­ker, da Ar­te da Vi­nha, que man­ti­nha uma pro­du­ção ar­te­sa­nal, apre­en­di­da no mês pas­sa­do pe­la Se­cre­ta­ria da Agri­cul­tu­ra. Pa­ra Lis, o ca­so é em­ble­má­ti­co, já que não exis­te le­gis­la­ção que en­qua­dre, de for­ma sa­tis­fa­tó­ria, pe­que­nos pro­du­to­res. “Fi­ca­mos de mãos amar­ra­das. Te­mos mais de mil fa­mí­li­as fa­zen­do vi­nho ar­te­sa­nal só em São Pau­lo. Mas tra­ba­lha­mos com ba­ses ne­o­lí­ti­cas”, diz. E, pa­ra ela, são nes­sas pro­du­ções ga­ra­gis­tas, in­de­pen­den­tes, que es­tão “as re­pre­sen­ta­ções mais fi­eis do que é o vi­nho”.

FABIO KNOLL/DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.