Os vi­nhos na­tu­rais

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Volta & Mesa -

To­do mun­do en­ten­de o que se­ja or­gâ­ni­co, nes­sa al­tu­ra em que a pa­la­vra apa­re­ce em tudo. Mas vi­nho na­tu­ral ain­da cau­sa es­tra­nhe­za, afi­nal vi­nho é mos­to (o no­me téc­ni­co pa­ra o su­co da uva) fer­men­ta­do, en­tão de­ve­ria ser sem­pre na­tu­ral, não? Cla­ro que não.

O mo­vi­men­to sur­giu na Eu­ro­pa já umas dé­ca­das atrás, de­fen­di­do por vi­nha­tei­ros que re­cu­sa­vam o uso de pes­ti­ci­das e fer­ti­li­zan­tes mas tam­bém qual­quer coi­sa, até mes­mo or­gâ­ni­ca, que al­te­ras­se os seus vi­nhos. Há mui­ta dis­cus­são a res­pei­to, um dos pou­cos con­sen­sos sen­do que os vi­nhos na­tu­rais não le­vam sul­fi­to na ho­ra de en­gar­ra­far. Pa­ra en­ten­der me­lhor, é o mí­ni­mo de in­ter­ven­ção hu­ma­na na fei­tu­ra da be­bi­da.

Já to­mei gran­des vi­nhos e coi­sas im­be­bí­veis com o tí­tu­lo de na­tu­ral, mas o mes­mo ocor­re com os de­mais vi­nhos, há vi­nho bom e vi­nho ruim.

O res­tau­ran­te Eno­te­ca Saint Vin Saint re­a­li­za anu­al­men­te uma fei­ra con­cor­ri­da, a “Na­tu­re­bas”, e na úl­ti­ma edi­ção co­nhe­ci um fran­cês, Yves Pou­zet, que faz dois vi­nhos, Ti­pau­me e Ti­pau­me Grez. O se­gun­do pro­du­zi­do em ân­fo­ras. São ex­ce­len­tes.

Co­mo to­do mo­vi­men­to de pe­que­nos pro­du­to­res, não é tão fá­cil achar os vi­nhos e não cos­tu­mam ser ba­ra­tos —a es­ca­la com que tra­ba­lham é com­pli­ca­da. A car­ta do Pet­ti­ros­so é ba­si­ca­men­te to­da de vi­nhos na­tu­rais ou or­gâ­ni­cos. Pe­dir uma ta­ça lá po­de ser boa ma­nei­ra de en­trar nes­se mun­do no­vo.

CE­BO­LA CRE­MO­SA, DEN­TRO DO

PRÓ­PRIO INVÓLUCRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.