PAU­LIS­TA NA PIS­TA

Pro­je­tos gra­tui­tos de dan­ça mo­vi­men­tam a ave­ni­da aos domingos

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - #357 Índice - por Mar­ce­lo Qu­az

Qu­em não tem tem­po nem di­nhei­ro pa­ra en­ca­rar as sé­ri­es em aca­de­mi­as po­de co­lo­car o cor­po em ação na rua. Nem que se­ja no do­min­go.

Na Pau­lis­ta, há di­fe­ren­tes gru­pos de dan­ça, ca­da qual com seu pas­so, es­pa­ço e rit­mo: zum­ba, black mu­sic, for­ró, dan­ça ci­ga­na, K-pop.

São pro­je­tos, en­con­tros e even­tos que bo­tam o po­vo pa­ra se me­xer. Qu­em já faz aca­de­mia, pe­da­la, pa­ti­na, ca­mi­nha, cor­re, com­ple­men­ta o exer­cí­cio com a dan­ça. Há qu­em a use só pa­ra re­la­xar.

Os pro­pó­si­tos são di­ver­sos, tan­to qu­an­to os dan­ça­ri­nos. O pro­fes­sor de zum­ba Pau­lo Fran­co, 33, acre­di­ta que “di­ver­são, in­te­ra­ção so­ci­al e ati­vi­da­de fí­si­ca” são as mo­ti­va­ções do su­ces­so des­ses en­con­tros.

E tudo sem pre­ci­sar pa­gar na­da.

DAN­ÇA E MA­LHA

Na en­tra­da do shop­ping Cen­ter 3, Pau­lo Fran­co co­man­da aulas de zum­ba, mo­da­li­da­de que mistura ma­lha­ção e dan­ças la­ti­nas .“Tra­ba­lha per­nas, cos­ta, glú­teo, abdô­men. E me­xe com o equi­lí­brio, a me­mó­ria”, res­sal­ta o pro­fes­sor.

O pro­je­to che­ga a reu­nir 300 pes­so­as por edi­ção, diz Ce­ci­lia Has­tings, ge­ren­te de mar­ke­ting do shop­ping.

Ma­ri­le­ne Fu­kuwa­ra, 43, co­or­de­na um gru­po de What­sApp com 50 pes­so­as que ba­te pon­to pa­ra dan­çar ali. “É a união per­fei­ta en­tre pas­seio, en­con­tro com ami­gos e exer­cí­cio.”

→Em dois domingos do mês, das 11h às 13h, no shop­ping Cen­ter 3, av. Pau­lis­ta, 2.064. @Shop­pingCen­ter3

PÉ DE SER­RA

“Tem qu­em nun­ca viu is­so, as pes­so­as se di­ver­tin­do, amas­san­do-se, se abra­çan­do. Es­sa é a van­ta­gem de um even­to a céu aber­to”, ga­ba-se Clai­ton Ruiz, 40, es­tu­dan­te de dan­ça. Ele foi con­vi­da­do por co­le­gas a par­ti­ci­par do For­ró dos Ami­gos, re­a­li­za­do em fren­te ao pré­dio da Ga­ze­ta.

“Que­re­mos oxi­ge­nar o mun­do do for­ró, que mui­tas ve­zes aca­ba res­tri­to a ca­sas es­pe­ci­a­li­za­das”, diz uma das pro­du­to­ras do even­to, a ban­cá­ria An­dreia Cu­en­ca, 33. Se­gun­do ela, al­gu­mas edições che­ga­ram a atrair 400 pes­so­as. →Úl­ti­mo do­min­go do mês, das 13h às 18h, em fren­te ao pré­dio Ga­ze­ta, av. Pau­lis­ta, 900. @For­róDosA­mi­gos

SÓ NO PASSINHO

Pou­co de­pois do Masp, o rit­mo mu­da. Ao mi­cro­fo­ne, sob uma ten­da de nái­lon azul on­de tam­bém es­tá um DJ, a co­or­de­na­do­ra do Pro­je­to Som do Bom, Patrícia Souza, 42, in­cen­ti­va seu pú­bli­co a dan­çar black mu­sic.

A do­na de ca­sa An­dreia da Sil­va, 48, pu­xa a co­re­o­gra­fia com umas 20 pes­so­as. “Pro­fes­so­ra? Não, é mais o gos­to pe­lo black. É a mi­nha pe­ga­da, a mi­nha di­ver­são e a mi­nha aca­de­mia. Ve­nho su­ar.” Re­gi­nal­do de Oli­vei­ra, 47, que a acom­pa­nha, gra­va to­dos os pas­sos no ce­lu­lar. Pa­ra quê? “En­sai­ar em ca­sa.” →Pri­mei­ro e ter­cei­ro domingos do mês, das 11h às 18h, av. Pau­lis­ta, al­tu­ra do 1.471. @DjsSom­doBom

FI­NA ES­TAM­PA

Alguns me­tros de­pois do Club Homs, mu­lhe­res ro­dam su­as sai­as e ba­tem pal­mas ao som de mú­si­ca ci­ga­na. Qu­em pro­mo­ve o en­con­tro é a som­me­liè­re de vi­nhos e fi­lha de ci­ga­nos, Sa­mantha La­ras, 41. “Co­me­cei com mi­nhas du­as fi­lhas e um ami­go. Aos pou­cos, an­ga­ri­ei uns alu­nos e for­mei o Shon Raty”, con­ta ela.

Tra­ta-se de um gru­po de dan­ça ci­ga­na com 12 in­te­gran­tes. So­man­do os con­vi­da­dos de ca­da um, che­gam a jun­tar 40 pes­so­as. “A bai­la­ri­na me­xe os bra­ços, as per­nas e o qua­dril. Me­xe com a men­te”, diz Sa­mantha. →Uma vez por mês, en­con­tros es­po­rá­di­cos, av. Pau­lis­ta, al­tu­ra do 671. @shon­raty

K... O QUÊ?

K-pop (Ko­re­an Pop). Fe­bre en­tre ado­les­cen­tes bra­si­lei­ros, as ban­das pop da Co­reia do Sul (BTS, Exo, Black Pink) atra­em prin­ci­pal­men­te pe­las coreografias sin­cro­ni­za­das.

Ao la­do da es­ta­ção Bri­ga­dei­ro do me­trô uma mul­ti­dão de jo­vens se re­ve­za na exe­cu­ção das dan­ças. Ge­ral­men­te em gru­pos, eles to­mam o cen­tro de uma ro­da tam­bém nu­me­ro­sa e ba­ru­lhen­ta de es­pec­ta­do­res e dan­çam num lo­op fe­li­cís­si­mo.

O en­con­tro na ave­ni­da é o quar­to do ti­po or­ga­ni­za­do pe­la KO En­ter­tain­ment, es­pe­ci­a­li­za­da em even­tos da cul­tu­ra pop sul-co­re­a­na. →Even­tos es­po­rá­di­cos. @ko­en­ter­tain­men­to­fi­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.