MBA de fi­nan­ças am­plia es­pa­ço pa­ra com­pli­an­ce

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Estúdio Folha -

Pa­la­vra da mo­da nas em­pre­sas, “com­pli­an­ce” (con­for­mi­da­de, em in­glês) re­me­te ao con­jun­to de po­lí­ti­cas e pro­ce­di­men­tos cri­a­dos pa­ra pre­ve­nir, de­tec­tar e re­me­di­ar atos ilí­ci­tos co­mo, por exem­plo, cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro.

Im­pul­si­o­na­dos pe­la lei 12.846 –a Lei An­ti­cor­rup­ção ou da Em­pre­sa Lim­pa, em vi­gor des­de 2014– e pe­la re­per­cus­são de ope­ra­ções co­mo a La­va-Ja­to, os pro­gra­mas de com­pli­an­ce en­tra­ram de vez nas em­pre­sas. “Era um mer­ca­do mui­to pe­que­no há qua­tro anos e hoje es­tá em em­pre­sas de ca­pi­tal aber­to, fe­cha­do e até em mi­cro e pe­que­nas”, diz Mar­cos Vi­ni­cius Gon­çal­ves, pro­fes­sor do MBA Exe­cu­ti­vo em Fi­nan­ças: Con­tro­la­do­ria, Au­di­to­ria e Com­pli­an­ce da FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas).

Um dos mo­ti­vos é que mul­tas e san­ções po­dem ser mais bran­das pa­ra com­pa­nhi­as que man­te­nham ações do ti­po. Além dis­so, pa­ra re­du­zir ris­cos, mui­tas em­pre­sas es­tão con­di­ci­o­nan­do seus ne­gó­ci­os à ado­ção de pro­gra­mas de com­pli­an­ce por seus par­cei­ros.

“Não tem pro­fis­si­o­nal su­fi­ci­en­te pa­ra dar con­ta da de­man­da das em­pre­sas. Quem tem ex­pe­ri­ên­cia no te­ma tem um di­fe­ren­ci­al”, afir­ma Gon­çal­ves.

Di­an­te do mai­or in­te­res­se dos alu­nos pe­la área de com­pli­an­ce, o cur­so com 432 ho­ras pas­sa­rá a de­ta­lhar, a par­tir de 2018, o te­ma, que an­tes era tra­ta­do den­tro da dis­ci­pli­na de go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va. O pú­bli­co-al­vo são pro­fis­si­o­nais que já acu­mu­lam ex­pe­ri­ên­cia de ao me­nos qua­tro anos nas áre­as de fi­nan­ças, con­tro­la­do­ria e au­di­to­ria.

Ilus­tra­ção Bru­no F. San­tos/Es­tú­dio Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.