OLHO NE­LAS

Pro­du­to­ra au­di­o­vi­su­al lan­ça gru­po pa­ra ge­rar conteúdo pen­sa­do so­men­te por mu­lhe­res

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Coletivo - por Ma­ri­a­na Ma­ri­nho

Há cer­ca de um ano e meio au­men­tou o vai­vém de mu­lhe­res na se­de pau­lis­ta­na da pro­du­to­ra au­di­o­vi­su­al Cons­pi­ra­ção. Is­so por­que a ca­sa nos Jar­dins, na zo­na oes­te, tor­nou-se o QG de um no­vo pro­je­to, o coletivo Hys­te­ria —o no­me vem de “Hys­te­ra” ou “Hys­te­ros”, úte­ro em gre­go. A ideia é cla­ra: pro­du­zir con­teú­dos cri­a­dos por mu­lhe­res.

“Não é ne­ces­sa­ri­a­men­te pa­ra e so­bre mu­lhe­res. Po­rém, é fei­to por elas. O que nos in­te­res­sa é a vi­são feminina so­bre di­ver­sos te­mas”, afir­ma Re­na­ta Bran­dão, 38, CEO da pro­du­to­ra. “Brin­ca­mos que o nos­so mai­or de­se­jo é que uma mar­ca de car­ro, de cer­ve­ja ou de uís­que nos pa­tro­ci­ne. Ado­ra­mos mo­da, be­le­za e cu­li­ná­ria. Mas nos­sos in­te­res­ses vão além”, com­ple­ta.

Re­na­ta en­ca­be­ça um ti­me de no­mes co­mo as di­re­to­ras Ca­ro­li­na Ja­bor e Ca­ro­li­na Al­bu­quer­que. Ao to­do, seis mu­lhe­res for­mam o gru­po, além de uma re­de de co­la­bo­ra­do­ras.

De acor­do com a exe­cu­ti­va, a von­ta­de de ela­bo­rar a em­prei­ta­da sur­giu de um olhar pa­ra o mun­do e pa­ra o pró­prio se­tor au­di­o­vi­su­al. “Se exis­tem 400 di­re­to­res atu­al­men­te no mer­ca­do, não te­mos 20% que são mu­lhe­res”, afir­ma ela.

O prin­ci­pal ca­nal do Hys­te­ria é uma pla­ta­for­ma, lan­ça­da na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra (21). O si­te (hys­te­ria.etc.br) une ma­te­ri­ais pa­ra se­rem li­dos, vis­tos e ou­vi­dos. Ha­ve­rá sé­ri­es, cur­tas, mi­ni­do­cu­men­tá­ri­os, vi­de­o­re­por­ta­gens e pro­gra­mas, co­mo a se­gun­da tem­po­ra­da da sé­rie “O Nos­so Amor a Gen­te In­ven­ta”, da apre­sen­ta­do­ra Sa­rah Oli­vei­ra, com di­re­ção da ci­ne­as­ta Ve­ra Egi­to, e o pro­gra­ma “Tu­do”, no qual a atriz Ma­ria Ri­bei­ro abor­da as­sun­tos di­ver­sos, co­mo ca­sa­men­to e dro­gas.

As pro­du­ções, po­rém, ex­tra­po­lam a pla­ta­for­ma di­gi­tal. Es­tão no ra­dar um fes­ti­val de mú­si­ca, uma mos­tra de fil­mes e uma sé­rie eró­ti­ca, “Des­nu­de”. Ba­se­a­do em de­poi­men­tos de mu­lhe­res, o pro­gra­ma de dez epi­só­di­os di­ri­gi­do por Ca­ro­li­na Ja­bor e An­ne Guimarães se­rá exi­bi­do a par­tir de mar­ço do ano que vem no ca­nal GNT.

O uni­ver­so pornô sob a pers­pec­ti­va feminina tam­bém se­rá ex­plo­ra­do em um trio de cur­tas, que, por en­quan­to, es­tá sem da­ta de lan­ça­men­to. Um de­les, “Amo­res Lí­qui­dos”, di­ri­gi­do por Ca­ro­li­na Al­bu­quer­que e Isa­bel Vi­ei­ra, te­rá o Carnaval co­mo pa­no de fun­do.

“A por­no­gra­fia é uma ex­pres­são feminina gi­gan­tes­ca. O pro­ble­ma é que as mu­lhe­res sem­pre fo­ram ob­je­ti­fi­ca­das nes­se ti­po de pro­du­ções”, ex­põe Re­na­ta. “Elas gos­tam de con­su­mir por­no­gra­fia, a ques­tão é que não se sen­tem re­pre­sen­ta­das.”

Além de pro­du­zir conteúdo, o Hys­te­ria pre­ten­de re­a­li­zar a cu­ra­do­ria de tra­ba­lhos fei­tos por mu­lhe­res. “An­si­a­mos ser um hub de idei­as com uma gran­de re­de de co­la­bo­ra­do­ras”, diz a jor­na­lis­ta Isa­bel de Lu­ca, 42, que in­te­gra o coletivo. “Qu­e­re­mos cor­ri­gir al­gu­mas dis­fun­ções que as ex­pres­sões au­di­o­vi­su­ais ti­ve­ram nos úl­ti­mos anos sem a real pre­sen­ça feminina co­mo pro­ta­go­nis­ta cri­a­ti­va”, con­clui Re­na­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.