Sus­to na­tu­re­ba

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - A Gourmet -

Noi­te des­sas fui co­nhe­cer o Cor­ru­te­la, na Vi­la Ma­da­le­na, que tem pe­ga­da sus­ten­tá­vel e vem sen­do elo­gi­a­do. Da car­ta de vi­nhos, na­tu­rais e bi­o­di­nâ­mi­cos, pe­di o bran­co Gu­ti­flower, do chi­le­no Ca­ci­que Ma­ra­vil­la. Foi im­pos­sí­vel dis­far­çar o cho­que! Os aro­mas de pi­che e re­po­lho fer­men­ta­do eram tão re­pul­si­vos que ti­ve de pe­dir pa­ra le­va­rem aqui­lo em­bo­ra. Co­mo po­de uma som­me­liè­re achar es­te vi­nho bom a pon­to de co­lo­cá-lo na car­ta? “Ahhh, vo­cê é que não sa­be na­da so­bre na­tu­re­bas”, di­ri­am mem­bros da pa­tru­lha. Sim, por­que os fãs dos vi­nhos na­tu­rais e bi­o­di­nâ­mi­cos, ca­da vez mais nu­me­ro­sos, ten­dem a ver seu cres­cen­te mo­vi­men­to por meio de um pris­ma mes­si­â­ni­co. Da­vid e Go­li­as. Quem tem pou­cas vi­nhas, ara a ter­ra com bur­ri­co, co­lhe com as mãos e fer­men­ta em ân­fo­ras é he­rói. Quem tem mui­tos al­quei­res, usa má­qui­nas e adi­ci­o­na sul­fi­tos é mau.

To­da ge­ne­ra­li­za­ção é bur­ra. Bi­o­di­nâ­mi­cos são vi­nha­tei­ros que pra­ti­cam uma agri­cul­tu­ra em sin­to­nia com a ener­gia e os ci­clos da lua, cui­dam dos mi­cro-or­ga­nis­mos do so­lo e pro­te­gem a bi­o­di­ver­si­da­de. Eles po­dem, a par­tir da co­lhei­ta das uvas, fa­zer vi­nhos or­gâ­ni­cos con­ven­ci­o­nais ou es­co­lher a ro­ta na­tu­ral, o que sig­ni­fi­ca in­ter­vir o mí­ni­mo pos­sí­vel na vi­ni­fi­ca­ção. Dei­xar as le­ve­du­ras fa­ze­rem o tra­ba­lho de fer­men­tar o mos­to li­vres e sol­tas e não fil­trar no fi­nal.

As fron­tei­ras que de­li­mi­tam bi­o­di­nâ­mi­cos e na­tu­rais são fi­nas e flui­das —e não existe uma car­ti­lha in­ter­na­ci­o­nal. Mas, pa­ra a mai­o­ria dos na­tu­re­ba lo­vers, as mi­nú­ci­as im­por­tam me­nos do que o en­can­to de sen­tir que es­tão be­ben­do al­go fei­to ar­te­sa­nal­men­te, sem agro­tó­xi­cos, por um pe­que­no pro­du­tor. “As pes­so­as men­tem pa­ra fa­zer o pú­bli­co so­nhar”, diz o fran­cês Mi­chel Bet­ta­ne, res­pei­ta­do crí­ti­co de vi­nhos. “Bi­o­di­nâ­mi­cos po­dem mui­to bem adi­ci­o­nar sul­fi­tos co­mo con­ser­van­te, por exem­plo.”

En­can­to é bom —des­de que não vi­re ta­pa-olhos. Per­di a con­ta de quan­tas ve­zes som­me­li­ers me ser­vi­ram, or­gu­lho­sos, vi­nhos na­tu­rais que pa­re­ci­am iguais, em­bo­ra vi­es­sem de paí­ses di­fe­ren­tes: aro­ma de si­dra, pou­co cor­po e sa­bor áci­do. Nos de­fei­tos, vi­am vir­tu­des, por­que eram fãs dos pro­du­to­res. His­to­ri­nhas bo­ni­ti­nhas de vi­nha­tei­ros he­roi­cos e vir­tu­o­sos, às ve­zes, fa­zem as pes­so­as es­que­ce­rem o prin­ci­pal: a mai­or vir­tu­de que um vi­nho po­de ter é ser gos­to­so de be­ber.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.