RU­MO AO CEN­TRO

Em al­ta, apês com­pac­tos es­tão no ra­dar de jo­vens, re­cém-ca­sa­dos e usuá­ri­os de apps de alu­guel por tem­po­ra­da

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Capa - Edu­ar­do Mou­ra tex­to Adams Carvalho ilus­tra­ção

Há quem olhe pa­ra o cen­tro de São Pau­lo e cha­me de mau gos­to aqui­lo que vê. Ou­tros o en­xer­gam co­mo um bom lu­gar pa­ra mo­rar, se­ja pe­la fa­ci­li­da­de de aces­so ao trans­por­te pú­bli­co, se­ja pe­la cres­cen­te efer­ves­cên­cia cul­tu­ral. Há tam­bém um ter­cei­ro gru­po que vis­lum­bra uma chan­ce de fa­tu­rar com o mer­ca­do imo­bi­liá­rio.

Se­gun­do pes­qui­sa do Se­co­vi-SP (sin­di­ca­to da ha­bi­ta­ção), após três anos de que­das con­se­cu­ti­vas na ven­da de imó­veis na ca­pi­tal pau­lis­ta, 2017 con­ta­bi­li­zou um cres­ci­men­to de 46%.

O cen­tro é o gran­de pro­ta­go­nis­ta des­sa re­to­ma­da —as ven­das por ali mais que do­bra­ram, com um au­men­to de 107%.

De ca­da dez imó­veis lan­ça­dos na ci­da­de de São Pau­lo em 2017, dois fi­cam na re­gião cen­tral pau­lis­ta­na. En­tre os bair­ros que mais re­ce­be­ram apar­ta­men­tos es­tá a Re­pú­bli­ca.

Ma­ri­na Co­lo­nel­li, di­re­to­ra do Es­cri­tó­rio Pau­lis­ta­no de Ar­qui­te­tu­ra, que foi res­pon­sá­vel pe­la re­for­ma da Pi­na­co­te­ca —um dos marcos das ini­ci­a­ti­vas de re­vi­ta­li­za­ção do cen­tro—, diz que o início des­te mo­vi­men­to se deu pe­los preços atra­en­tes dos imó­veis, qu­an­do com­pa­ra­dos aos de bair­ros de ori­gem do pú­bli­co que ho­je pro­cu­ra a re­gião cen­tral, co­mo Vi­la Ma­da­le­na, Pi­nhei­ros e Itaim. ►

O fa­to de ser uma re­gião já am­pla­men­te ser­vi­da de in­fra­es­tru­tu­ra e a che­ga­da da Li­nha Ama­re­la do Me­trô à Re­pú­bli­ca im­pul­si­o­na­ram ain­da mais o in­flu­xo de no­vos mo­ra­do­res.

“Os pau­lis­ta­nos têm ain­da di­fi­cul­da­de em ver na re­gião um re­nas­ci­men­to pos­sí­vel. Já os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros es­tão de olho nas po­ten­ci­a­li­da­des ex­tra­or­di­ná­ri­as de ‘re­tro­fit’ dos pré­di­os an­ti­gos”, diz Greg Bous­quet, só­cio da Tripty­que Ar­chi­tec­tu­re.

Há dois me­ses, Re­nan De­bes, ad­vo­ga­do pau­lis­ta­no de 33 anos, tro­cou o Jd. Pau­lis­ta, on­de mo­ra­va com os pais, por um es­tú­dio de 35 m² na San­ta Ce­cí­lia, da cons­tru­to­ra MAC. Pa­ra ele, o es­pa­ço re­du­zi­do não é um pro­ble­ma, pois “foi bem apro­vei­ta­do, com mó­veis com du­pla fun­ção”. Após uma re­for­ma que co­me­çou nes­ta se­ma­na, sua noi­va, a pu­bli­ci­tá­ria Gra­zi­el­le Pa­drão, 26, pas­sa­rá a di­vi­dir o apar­ta­men­to com ele.

Mas nem to­dos os com­pra­do­res são con­su­mi­do­res fi­nais. Há tam­bém aque­le que usa o apar­ta­men­to pa­ra in­ves­ti­men­to. De acor­do com Lu­cas Ta­ra­bo­ri, di­re­tor-exe­cu­ti­vo ope­ra­ci­o­nal da Ga­fi­sa, em al­guns em­pre­en­di­men­tos, o per­cen­tu­al de apar­ta­men­tos ad­qui­ri­dos pa­ra se­rem alu­ga­dos po­de che­gar a 30%.

O Smart San­ta Ce­cí­lia, por exem­plo, foi fei­to pa­ra ser usa­do de “ho­me-sha­re”, diz Ta­ra­bo­ri. O pré­dio foi pen­sa­do pa­ra ser ocu­pa­do, em gran­de par­te, por usuá­ri­os de ser­vi­ços co­mo o Airbnb. O em­pre­en­di­men­to tam­bém tem um apli­ca­ti­vo pró­prio, pe­lo qual se po­de­rá alu­gar car­ros de pro­pri­e­da­de do con­do­mí­nio ou re­ser­var um ho­rá­rio no es­pa­ço de cowor­king den­tro do pré­dio.

O ar­qui­te­to Jai­me Ler­ner, ex-pre­fei­to de Cu­ri­ti­ba (PR), que as­si­nou o pro­je­to de re­vi­ta­li­za­ção No­vo Cen­tro, de se­tem­bro de 2017, afir­ma que os no­vos es­tú­di­os tra­zem di­ver­si­fi­ca­ção à re­gião, pois dão aces­so a pes­so­as com ren­da mais bai­xa.

O me­tro qu­a­dra­do por ali pos­sui um dos alu­guéis mais ca­ros da ca­pi­tal. Se­gun­do o Se­co­vi, ape­nas du­as áre­as têm mé­di­as de preços mais al­tas: “Zo­na Sul-A” (que inclui Jar­dins, Mo­e­ma e Vi­la Ma­ri­a­na) e Zo­na Oes­te-B” (que inclui Per­di­zes e Pi­nhei­ros).

Lu­an­da Van­nu­chi, dou­to­ran­da da FAUUSP (Fa­cul­da­de de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo da USP), ma­pe­ou e es­tu­da os no­vos em­pre­en­di­men­tos na re­gião cen­tral pau­lis­ta­na.

Se­gun­do ela, a mai­o­ria des­ses apar­ta­men­tos —al­guns com ape­nas 10 m²— não são so­lu­ções ha­bi­ta­ci­o­nais ade­qua­das pa­ra nin­guém. “São [so­men­te] pa­ra in­ves­ti­do­res.”

Es­ses em­pre­en­di­men­tos se be­ne­fi­ci­am de um cen­tro que re­ce­beu mui­to in­ves­ti­men­to pú­bli­co, con­ti­nua Lu­an­da. “Se vo­cê olha pa­ra es­ses lan­ça­men­tos dos úl­ti­mos cin­co anos, vê que são uni­da­des mui­to pe­que­nas, o que per­mi­te que o me­tro qu­a­dra­do fi­que mui­to mais ca­ro.”

A ar­qui­te­ta Ma­ri­na Co­lo­nel­li diz que “uma uni­da­de de 28 m² no for­ma­to qui­ti­ne­te po­de­ria ser uma al­ter­na­ti­va viá­vel a jo­vens de ren­da mé­dia, mas não por es­se va­lor im­pos­to pe­lo mer­ca­do”. Pa­ra ela, as cons­tru­to­ras se apro­pri­am da va­lo­ri­za­ção de uma re­gião por me­lho­ri­as nos equi­pa­men­tos pú­bli­cos. O re­sul­ta­do são es­pa­ços “ca­da vez me­no­res, co­bran­do um va­lor por me­tro qu­a­dra­do in­ver­sa­men­te pro­por­ci­o­nal”, diz. ★

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.