Va­le a pena ir ao fa­mo­so No­ma?

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - A Gourmet -

Gas­tei uma no­ta pre­ta pa­ra ir a Co­pe­nha­gue em ju­lho —ei­ta ci­da­de cara! In­ves­ti por­que so­nha­va em jan­tar no no­vo No­ma. O res­tau­ran­te do chef Re­né Red­ze­pi, que re­a­briu em fe­ve­rei­ro em no­vo en­de­re­ço e com­ple­ta­men­te trans­for­ma­do, es­tá en­tre os mais pre­mi­a­dos e in­flu­en­tes do mun­do. As pes­so­as se es­ta­pei­am, qua­se, na bri­ga por uma me­sa. Uma re­ser­va che­ga a ser um tro­féu pa­ra al­guns.

Des­de que jan­tei lá, mui­ta gen­te já me per­gun­tou se va­leu a pena e se o No­ma é tu­do aqui­lo que di­zem. Di­fí­cil res­pon­der… Eu mes­ma me per­gun­to is­so, não só ao jan­tar no No­ma, mas to­da vez que pa­go ca­ro pa­ra pro­var um me­nu-de­gus­ta­ção. Es­ta­ria men­tin­do se dis­ses­se que to­dos os pra­tos es­ta­vam de­li­ci­o­sos. Mui­tos es­ta­vam —mas des­gos­tei de pe­lo me­nos cin­co dos 22 ser­vi­dos.

A flor fri­ta ser­vi­da com um mo­lho gros­so à ba­se de ge­ma e uís­que era de ma­tar de boa. O ovo de co­dor­na de­fu­ma­do co­ber­to com um fal­so cho­ri­zo fei­to de amei­xa? Po­de­ria ter co­mi­do uma dú­zia feliz da vi­da. Um cer­to mo­lho de tru­fa que che­gou à me­sa em uma jar­ri­nha, de­vo­rei co­mo se ti­ves­se pas­sa­do di­as de je­jum.

Mas, no meio da­que­las de­lí­ci­as, ha­via es­tra­nhe­zas co­mo uns en­ve­lo­pi­nhos de pe­le de lei­te e as­par­gos ser­vi­dos com vá­ri­as es­pé­ci­es de pi­nhão que ti­nham gos­to de pi­nhei­ro, co­mo era de se es­pe­rar. O ser­vi­ço era sim­pá­ti­co, mas ve­lo­cís­si­mo. Mes­mo es­tan­do lá so­zi­nha, mal dava con­ta de ou­vir tan­tas lon­gas ex­pli­ca­ções e ten­tar com­pre­en­der tan­tos pra­ti­nhos ser­vi­dos em rá­pi­da su­ces­são.

Fi­quei três ho­ras à me­sa, mas o tem­po pas­sou vo­an­do! Ri so­zi­nha ob­ser­van­do o es­pan­to dos cli­en­tes ao meu re­dor quan­do che­ga­vam pra­tos sur­pre­en­den­tes. Emo­ci­o­nei-me em mo­men­tos de êx­ta­se gas­tronô­mi­co —o shawar­ma ve­ge­ta­ri­a­no, por exem­plo, era di­vi­no. Ado­rei a lin­da vis­ta pa­ra uma la­goa com mar­gens ver­de­jan­tes que ti­nha, ao fun­do, uma plan­ta de pro­ces­sa­men­to de li­xo (tam­bém lin­da e com pis­ta de es­qui na cobertura!).

Di­ver­ti-me no loun­ge, on­de o res­tau­ran­te ser­ve ca­fé e a sai­dei­ra. Sen­ti a ener­gia do en­tu­si­as­mo fe­bril de to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os. Até me co­mo­vi com a aco­lhi­da mais que ca­lo­ro­sa. Na­di­ne, a mu­lher de Red­ze­pi, re­ce­be os cli­en­tes na en­tra­da do vas­to jar­dim e ca­mi­nha com eles até o res­tau­ran­te, on­de a equi­pe in­tei­ra vai até a por­ta dar as bo­as-vin­das em unís­so­no. Por es­sas e ou­tras, di­go sem ti­tu­be­ar: ir ao no­vo No­ma va­leu ca­da eu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.