Shor­ti­nho de cou­ro

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

Acho bem es­tra­nho quem faz ca­be­lo e ma­qui­a­gem pa­ra o dia do par­to. Acho mui­to bi­zar­ro quem faz en­saio grá­vi­da sexy com ca­ri­nha de “cui­da­do que a mãe ter­ra vai te pe­gar gostoso”. Acho meio ver­go­nhi­nha-alheia quem gas­ta uma for­tu­na na “rou­pi­nha de saí­da da ma­ter­ni­da­de” co­mo se um ser hu­ma­ni­nho de dois ou três di­as es­ti­ves­se in­do pa­ra a vi­ra­da do ano no Ca­fe de La Mu­si­que. Acho cu­ri­o­so as mães que co­me­mo­ram ca­da “mes­ver­sá­rio” do be­bê.

Não dei lem­bran­ci­nha na ma­ter­ni­da­de, por­que não dei­xei nin­guém ir lá en­cher meu sa­co e mui­to me­nos o sa­qui­nho do meu ne­ném. É mui­to oba-oba, mui­ta festa pa­ra um mo­men­to in­tros­pec­ti­vo, de­li­ca­do e com­ple­xo.

Di­to is­so, fa­le­mos ago­ra um pou­co mal de mim. Eu pre­ci­so con­fes­sar que com­prei um shor­ti­nho de cou­ro ta­ma­nho PP as­sim que me des­co­bri grá­vi­da. De­mo­rei cin­co me­ses pa­ra co­me­çar o en­xo­val da mi­nha fi­lha, mas na mes­ma se­ma­na ad­qui­ri itens de gos­to du­vi­do­so, tais quais um salto al­to ver­me­lho de ce­tim e uma cal­ça ro­xa de ca­mur­ça. Itens que não usei, por mo­ti­vos ób­vi­os, du­ran­te os me­ses de in­cha­ço, de­se­qui­lí­brio e alar­ga­men­to de qua­dril, e que se­gui­rei não usan­do ago­ra, por mo­ti­vos de nem te­nho aon­de ir com eles (nem que­ro ir, nem que­ro usá-los… En­fim).

Mas to­dos os di­as en­ca­ro o shor­ti­nho de cou­ro no ar­má­rio, co­mo se fos­se uma ban­dei­ra fin­ca­da num pla­ne­ta dis­tan­te cha­ma­do “já fui uma jo­vem su­per­se­xu­a­li­za­da e bre­ga”. É pre­ci­so manter es­sa ban­dei­ra ali, ain­da que a meio mas­tro.

Um dia vol­ta­rei a ma­lhar os glú­te­os tem­po­ra­ri­a­men­te ar­ri­a­dos e os an­te­bra­ços mo­men­ta­ne­a­men­te ge­la­ti­no­sos. Um dia te­rei de no­vo uma bar­ri­ga des­pe­lan­ca­da, sei­os cu­ri­o­sa­men­te em­pi­na­dos e um ros­to sem som­bras ro­xas do cansaço ex­tre­mo. Um dia tor­na­rei a sen­su­a­li­zar em jan­ta­res e a des­fi­lar meu “ca­mi­nhar da vi­tó­ria es­té­ti­ca” ao aden­trar em qual­quer re­cin­to fes­ti­vo.

O shor­ti­nho de cou­ro é uma ho­me­na­gem sau­do­sa ao que fui e tam­bém uma lem­bran­ça vi­va do que vol­ta­rei a ser. Tal­vez eu ja­mais vis­ta meu amu­le­to, mas dá uma ale­gria sa­ber que ele es­tá lá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.