O di­a­bo ves­te olhei­ras

Folha de S.Paulo - Saopaulo - - Mamãe Neura -

Ma­ter­ni­da­de é a ma­gia do amor, a ple­ni­tu­de da en­tre­ga, o ápi­ce da fe­li­ci­da­de! Os hu­ma­nos-uni­cór­ni­os-da-fo­fu­ra-su­pre­ma es­tão sem­pre in­to­xi­can­do o mun­do com seus slo­gans da su­per­fi­ci­a­li­da­de ma­nía­ca. Ado­ram fa­zer pu­bli­ci­da­de ins­ta­gra­ma­da a res­pei­to do en­tu­si­as­mo que de­ve­ras não sen­tem. Nem o bran­co de seus den­tes é re­al!

Se for pa­ra sen­tir al­gum de­lei­te in­su­por­ta­vel­men­te ver­da­dei­ro, lem­bre­mos nos­sos 20 anos, quan­do ca­po­tá­va­mos até o meio-dia do sá­ba­do, tí­nha­mos pais que ain­da nos aju­da­vam fi­nan­cei­ra­men­te e nos­sa bun­da es­ta­va mais per­to da nu­ca do que do ter­cei­ro sub­so­lo do pré­dio.

Me ven­de­ram a tal com­ple­tu­de ma­ter­na, me fa­la­ram que eu pas­sa­ria o dia can­ta­ro­lan­do de tan­ta ale­gria e que eu sen­ti­ria que en­fim mi­nha pas­sa­gem por es­ta vi­da faz al­gum sen­ti­do.

Amo mi­nha fi­lha mais do que sor­ve­te de chur­ros, mas qu­em pro­pa­ga es­sa fan­ta­sia de apra­zi­men­to ab­so­lu­to es­tá de­cla­ra­da­men­te agin­do de má fé ou faz par­te do se­le­tís­si­mo gru­po de pais de be­bês que na­nam a noi­te in­tei­ra. Mas re­za a lenda que, se vo­cê tem um re­ben­to que dor­me bem, não po­de es­pa­lhar o sor­ti­lé­gio por aí, ca­so con­trá­rio o fei­ti­ço se que­bra­rá. Quer di­zer, os pais in­can­sa­vel­men­te fe­li­zes, que sa­em por aí con­tan­do van­ta­gem, ou men­tem ou es­tão em vi­as de rom­per con­tra­to com os bra­ços de Mor­feu.

Não dor­mir é uma das mais co­nhe­ci­das e en­lou­que­ce­do­ras for­mas de tor­tu­ra. O di­a­bo, mui­to an­tes de qual­quer gri­fe fa­mo­sa, ves­te enor­mes olhei­ras.

Des­de que de­sis­ti de re­pou­sar, já me de­mi­ti se­te ve­zes do meu atu­al em­pre­go e já me se­pa­rei no­ve ve­zes do meu atu­al ma­ri­do (em am­bos os ca­sos, sem­pre sou re­ad­mi­ti­da na ma­nhã se­guin­te). Já cor­tei re­la­ção 14 ve­zes com mi­nha mãe, já rom­pi pa­ra sem­pre com al­guns pa­ren­tes (so­bre­tu­do com os que vo­tam em fas­cis­tas) e de­le­tei da mi­nha vi­da qual­quer ami­go que me te­le­fo­ne em vez de man­dar áu­dio ou que man­de mui­tos áu­di­os em vez de sim­pli­fi­car tu­do em men­sa­gens de tex­to ou que man­de mui­tas men­sa­gens de tex­to em vez de me dei­xar em paz com mi­nha ne­nê.

Quan­do vi­si­tar um be­bê, fi­que pou­co tem­po. Em vez de le­var pre­sen­tes, se ofe­re­ça pa­ra cui­dar da cri­an­ça en­quan­to a mãe dor­me. Se a mãe es­ti­ver im­pe­ca­vel­men­te me­do­nha, não di­ga na­da. Se du­ran­te o abra­ço de “oi” a mãe co­chi­lar eter­na­men­te em seu om­bro, não se me­xa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.