Ter­ro­ris­mo pro­va vi­o­lên­cia do is­lã, diz au­to­ra

Pa­ra Aya­an Hir­si Ali, ação do Es­ta­do Is­lâ­mi­co mos­tra que re­li­gião tem de ser re­for­ma­da

Folha de S.Paulo - - Mundo - DI­O­GO BER­CI­TO Aya­an Hir­si Ali, au­to­ra cri­ti­ca­da por su­as te­ses so­bre o is­lã

EM BEIRUTE

Quan­do Aya­an Hir­si Ali, 45, pu­bli­cou su­as pri­mei­ras obras e cri­ti­cou o is­lã, apre­sen­tan­do- se co­mo uma “in­fi­el” des­sa re­li­gião, ela se tor­nou tam­bém uma “in­fi­el” pa­ra par­te da aca­de­mia.

Li­vros co­mo “In­fi­el” e “Nô­ma­de” cau­sa­ram, afi­nal, des­gos­to a de­ter­mi­na­dos se­to­res com a ideia de que a vi­o­lên­cia é ine­ren­te ao is­la­mis­mo.

Des­ta vez, ao lan­çar “He­re­ge” — desde mar­ço em in­glês, e ago­ra em por­tu­guês— a au­to­ra, nas­ci­da na So­má­lia, apoia- se na cri­se re­gi­o­nal e na ação do EI ( Es­ta­do Is­lâ­mi­co) pa­ra in­sis­tir em sua te­se.

O hor­ror cau­sa­do pe­lo gru­po ter­ro­ris­ta, é apon­ta­do por Ali co­mo pro­va de que é ne­ces­sá­rio re­for­mar o is­lã e re­ti­rar da re­li­gião o que a tor­na vi­o­len­ta, te­se de seu li­vro.

“Era di­fí­cil ex­pli­car por que a sha­ria [ lei is­lâ­mi­ca] é ruim. Ho­je, pos­so mos­trar em­pi­ri­ca­men­te. Ela é apli­ca­da no EI. Es­se é o re­sul­ta­do”, diz ela.

A re­jei­ção ao ter­ro­ris­mo não de­ve ga­ran­tir, po­rém, que a te­se de Ali so­bre a re­for­ma do is­lã se­ja acei­ta — com pou­ca acei­ta­ção, ela isola a au­to- ra de seus in­ter­lo­cu­to­res.

Ela já foi boi­co­ta­da por uni­ver­si­da­des, acu­sa­da de is­la­mo­fo­bia. Tam­bém foi ame­a­ça­da de mor­te — ame­a­ça cum­pri­da no ca­so do ci­ne­as­ta ho­lan­dês Theo Van Gogh, mor­to em 2004 por um mu­çul­ma- no após fil­me com crí­ti­cas ao is­lã, com o qual Ali co­la­bo­rou.

Em “He­re­ge”, Ali se re­fe­re a “nós, no Oci­den­te” quan­do se po­si­ci­o­na con­tra o is­lã. Em um tre­cho, com­pa­ra os há­bi­tos de lim­pe­za de ho­lan­de­ses e imi­gran­tes mu­çul­ma­nos e cul­pa a re­li­gião pe­lo há­bi­to de dei­xar o li­xo no chão.

No li­vro, a au­to­ra an­te­ci­pa crí­ti­cas e se diz de­sa­pon­ta­da com os li­be­rais, que de­fen­dem os di­rei­tos de mu­lhe­res e gays, mas não se po­si­ci­o­nam con­tra o is­lã, que ela en­xer­ga co- mo raiz de per­se­gui­ções a eles no mundo is­lâ­mi­co. IDE­O­LO­GIA Pa­ra Ali, o mai­or fa­tor na ra­di­ca­li­za­ção de mu­çul­ma­nos é a ide­o­lo­gia, não as con­di­ções so­ci­o­e­conô­mi­cas dos ra­di­ca­li­za­dos, opi­nião mui­to po­lê­mi­ca en­tre es­pe­ci­a­lis­tas.

“Qua­se to­dos os re­cru­tas do EI são pes­so­as pri­vi­le­gi­a­das. Sa­bem on­de es­tá a Sí­ria e o Ira­que. Sa­bem que vo­os to­mar. Vêm de paí­ses di­ver­sos. Ho­mens, mu­lhe­res, ve­lhos, jo­vens. O de­no­mi­na­dor co­mum é o is­lã”, afir­ma Ali.

“He­re­ge” pro­põe uma sé­rie de pon­tos a re­for­mar no is­lã, co­mo a ideia de que o pro­fe­ta Ma­o­mé é in­fa­lí­vel. Mas o pro­je­to — que trans­for­ma­ria a re­li­gião de 1,6 bi­lhão de pes­so­as— é ta­re­fa gi­gan­te.

O is­lã, ao con­trá­rio do cris­ti­a­nis­mo, não tem um pa­pa, e a re­li­gião se de­sen­vol­veu em tor­no de va­ri­a­das in­ter­pre­ta­ções si­mul­tâ­ne­as. Ali pre­ci­sa­ria en­con­trar pri­mei­ro quem le­ve adi­an­te a mis­são.

“Há uma clas­se de ho­mens com po­der, os ule­má [ sá­bi­os]. Mas não es­tão in­te­res­sa­dos em re­for­ma”, diz. “Vo­cê pre­ci­sa com­ba­ter uma ideia com ou­tra. Di­zer que a ba­se da lei tem de ser se­cu­lar, não o is­lã.”

A ba­ta­lha de idei­as tem de ser, afir­ma, co­mo aque­la tra­va­da en­tre EUA e União So­vié­ti­ca. “Pre­ci­sa ser gran­de, uma con­fron­ta­ção ide­o­ló­gi­ca. Mas a atu­al ad­mi­nis­tra­ção não es­tá in­te­res­sa­da nis­so.”

Di­vul­ga­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.