Pe­tis­ta e Te­mer têm cré­di­to, diz can­tor do ‘hi­no da trans­po­si­ção’

Folha De S.Paulo - - Poder - FA­BIO VIC­TOR EDU­AR­DO KNAPP

In­tér­pre­te de clás­si­cos do for­ró co­mo “Ca­bo­clo So­nha­dor”, “Ta­re­co e Ma­ri­o­la” e “Es­pu­mas ao Ven­to” e ar­tis­ta mui­to po­pu­lar no Nor­des­te, o pa­rai­ba­no Flá­vio Jo­sé, 64, foi sur­pre­en­di­do há du­as se­ma­nas com te­le­fo­ne­ma de seu ami­go e con­ter­râ­neo Jas­sa, mais co­nhe­ci­do co­mo o ca­be­lei­rei­ro de Sil­vio San­tos (e tam­bém de Mi­chel Te­mer).

“Jas­sa dis­se: ‘Tem um ami­go meu aqui de São Pau­lo que quer fa­lar com vo­cê’, e pas­sou o te­le­fo­ne. ‘Oi, Flá­vio, aqui é o Mi­chel Te­mer. Es­tou li­gan­do pa­ra pa­ra­be­ni­zar pe­la mú­si­ca, mui­to bo­ni­ta, che­gou na ho­ra cer­ta’”, diz. O Pla­nal­to con­fir­mou o re­la­to.

A can­ção a que o pre­si­den­te se re­fe­ria é “Dei­xe o Rio De­sa­guar”, de Ara­cí­lio Araú­jo, trans­for­ma­da, na in­ter­pre­ta­ção de Flá­vio, nu­ma es­pé­cie de hi­no da trans­po­si­ção.

Traz ver­sos co­mo “O São Fran­cis­co com sua trans­po­si­ção/ No meu Nor­des­te o pro­gres­so vai che­gar/ Se é que o Bra­sil ago­ra es­tá na mão cer­ta/ Na con­tra­mão o meu ser­tão não vai fi­car”.

Em­bo­ra soe co­mo fei­ta pa­ra o atu­al mo­men­to, foi com­pos­ta há mais de 20 anos.

Qu­an­do a can­ção foi fei­ta, o país era go­ver­na­do por Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso, que con­ce­beu um pro­je­to pa­ra a trans­po­si­ção, mas o en­ga­ve­tou. A obra co­me­çou em 2007, no go­ver­no Lu­la.

No even­to em que Te­mer inau­gu­rou o ei­xo les­te, no dia 10, em Mon­tei­ro, na Pa­raí­ba, a mú­si­ca foi a tri­lha so­no­ra nos al­to fa­lan­tes.

Flá­vio não foi à ce­rimô­nia —es­ta­va em vi­a­gem—, mas é ve­lho en­tu­si­as­ta da trans­po­si­ção. “Des­de cri­an­ça, qu­an­do cho­via nes­sa épo­ca, o rio [Pa­raí­ba] des­cia, co­mo cos­tu­ma­mos di­zer, [com água] de can­to a can­to. Com o pas­sar dos anos, is­so foi mor­ren­do, e de re­pen­te se­cou de vez. Ven­do es­se rio no­va­men­te cheio, não te­nho pa­la­vras”.

So­bre a con­tro­vér­sia em tor­no da pa­ter­ni­da­de da obra, é di­plo­má­ti­co: “Quem ti­rou do pa­pel foi Lu­la. O des­ti­no quis que Te­mer inau­gu­ras­se. As coi­sas são co­mo Deus de­ter­mi­na, e as­sim foi”.

Edu­ar­do Knapp/Fo­lha­press

O can­tor Flá­vio Jo­sé, can­tor do ‘Hi­no da Trans­po­si­ção’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.