Bre­chas que le­va­ram à La­va Ja­to per­sis­tem

Três anos de­pois, falta de trans­pa­rên­cia, ação de lo­bis­tas e au­sên­cia de con­tro­le em re­mes­sas es­tão inal­te­ra­das

Folha De S.Paulo - - Poder - RUBENS VA­LEN­TE

Epi­cen­tro do es­cân­da­lo, Pe­tro­bras man­tém prá­ti­cas co­mo si­gi­lo de da­dos e des­res­pei­to à lei de li­ci­ta­ções

Três anos de­pois de de­fla­gra­da a Ope­ra­ção La­va Ja­to, bre­chas le­gais e a falta de trans­pa­rên­cia na ori­gem do es­cân­da­lo con­ti­nu­am in­to­ca­das, am­pli­an­do as chan­ces de um es­que­ma pa­re­ci­do de des­vio de re­cur­sos pú­bli­cos vol­tar a se re­pe­tir.

A Folha ou­viu al­guns dos prin­ci­pais en­vol­vi­dos na in­ves­ti­ga­ção (for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, o ór­gão de in­te­li­gên­cia fi­nan­cei­ra do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, a Pe­tro­bras e o Ban­co Cen­tral) pa­ra apon­tar o que mu­dou des­de mar­ço de 2014.

Um dos bu­ra­cos que per­sis­tem, por exem­plo, é a re­la­ção de con­gres­sis­tas com lo­bis­tas, que fun­ci­o­na sem qual­quer con­tro­le.

O lobby no Con­gres­so é uma cai­xa-pre­ta. Mes­mo após a La­va Ja­to, Se­na­do e Câ­ma­ra não che­ga­ram a qual­quer ini­ci­a­ti­va pa­ra al­te­rar pro­ce­di­men­tos so­bre o com­por­ta­men­to dos par­la­men­ta­res.

As in­ves­ti­ga­ções mos­tra­ram que lo­bis­tas co­mo Fer­nan­do Bai­a­no e Cláu­dio Me­lo Fi­lho, da Ode­bre­cht, ti­nham aces­so li­vre às de­pen­dên­ci­as da Ca­sa e es­ta­vam de­so­bri­ga­dos de de­cla­rar pa­ra quem tra­ba­lha­vam, o lo­cal das reu­niões, qual a ma­té­ria es­pe­cí­fi­ca do seu tra­ba­lho (co­mo pro­je­to de lei ou me­di- da pro­vi­só­ria) e com quais par­la­men­ta­res tra­ta­vam.

Da mes­ma for­ma, to­dos os par­la­men­ta­res bra­si­lei­ros são de­so­bri­ga­dos de in­for­mar com quais lo­bis­tas se reú­nem e o ob­je­ti­vo das con­ver­sas.

Pa­ra o co­or­de­na­dor da La­va Ja­to no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, Del­tan Dal­lag­nol, es­se pon­to é ape­nas uma das mu­dan­ças que o Con­gres­so dei­xou de fa­zer.

Ele men­ci­o­na as pe­nas pa­ra os ca­sos de cor­rup­ção, que con­si­de­ra “pi­a­da de mau gos­to”. “As pe­nas são ina­de­qua­das e mais, ra­ra­men­te se che­ga a essas pe­nas. O sis­te­ma re­cur­sal é um ci­po­al, pra­ti­ca­men­te in­fi­ni­to, que per­mi­te per­pe­tu­ar o pro­ces­so até que acon­te­ça a pres­cri­ção”, diz.

Des­de que a La­va Ja­to foi às ru­as, tam­bém con­ti­nua bai­xa a trans­pa­rên­cia dos atos do pre­si­den­te, di­re­to­res e exe­cu­ti­vos da Pe­tro­bras, cu­jos com­pro­mis­sos não eram di­vul­ga­dos pe­lo me­nos até a se­ma­na pas­sa­da.

A La­va Ja­to mos­trou que ges­to­res da com­pa­nhia, co­mo Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta e Pe­dro Ba­rus­co, man­ti­nham con­ver­sas fre­quen­tes com par­la­men­ta­res sem que fos­sem obri­ga­dos a in­for­mar es­ses con­ta­tos pu­bli­ca­men­te.

O di­re­tor de Go­ver­nan­ça, Ris­co e Con­for­mi­da­de da Pe­tro­bras, João Adal­ber­to Elek Ju­ni­or, men­ci­o­na “as­sun­tos es­tra­té­gi­cos” pa­ra con­tem­po­ri­zar so­bre a falta de trans­pa­rên­cia das agen­das.

“Es­ta­mos tra­ba­lhan­do em co­mo fa­zer um uso me­lhor de agen­da. Exis­te um re­gra­men­to pa­ra is­so”, dis­se. “Ago­ra, a gen­te sem­pre tem aque­la pre­ser­va­ção da agen­da qu­an­do a gen­te tra­ta de um as­sun­to de na­tu­re­za es­tra­té­gi­ca”.

No te­ma da con­tra­ta­ção de obras civis, a Pe­tro­bras con­ti­nua se­guin­do re­gra­men­tos in­ter­nos pró­pri­os, co­mo um de­cre­to de 1998, pa­ra to­car seus pro­ces­sos de con­tra­ta­ção. A em­pre­sa se re­cu­sa a ado­tar a lei das li­ci­ta­ções, pra­ti­ca­da pe­la ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca em to­do o país.

Em de­poi­men­to à La­va Ja­to, Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta ex­pli­cou que, co­mo di­re­tor, ti­nha po­de­res ex­tre­mos de con­vi­dar ou des­con­vi­dar em­prei­tei­ras pa­ra en­trar no “clu­be”, o car­tel que pa­ga­va mi­lhões de re­ais em pro­pi­na.

As­sim, um di­re­tor ti­nha a ca­pa­ci­da­de de pre­ju­di­car em­prei­tei­ras que não qui­ses­sem pa­gar o su­bor­no, bas­tan­do que as re­ti­ras­se da lis­ta de pos­sí­veis con­vi­da­dos.

A Pe­tro­bras ar­gu­men­ta que hou­ve um re­for­ço no sis­te­ma in­ter­no des­se ti­po de de­ci­são. “Es­se grau de fle­xi­bi­li­da­de que um di­re­tor po­de­ria ter no pas­sa­do, de to­mar de­ci­sões em ca­rá­ter in­di­vi­du­al, foi for­te­men­te com­ba­ti­do”, dis­se Elek. “Ago­ra as de­ci­sões são sub­me­ti­das a um co­mi­tê.” SEM AMARRAS No âm­bi­to do sis­te­ma fi­nan­cei­ro, con­ti­nua sem qual­quer amar­ra o sis­te­ma de re­mes­sa de dó­la­res pa­ra o exterior por meio de con­tra­tos de câm­bio. O do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef en­vi­ou pe­lo me­nos US$ 234 mi­lhões sem ser in­co­mo­da­do, em cin­co anos. Os con­tra­tos eram fic­tí­ci­os.

O sis­te­ma não mu­dou e, pa­ra Ban­co Cen­tral e Co­af (ór­gão do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da), de­ve con­ti­nu­ar co­mo es­tá.

Am­bos en­ten­dem que o mer­ca­do não de­ve so­frer restrições mas, uma vez detectada a ir­re­gu­la­ri­da­de, a ação pu­ni­ti­va de­va ser du­ra. O BC diz em no­ta que “man­tém per­ma­nen­te mo­ni­to­ra­men­to e fis­ca­li­za­ção do mer­ca­do de câm­bio” e que de­tec­tou em 2014 “ope­ra­ções sus­pei­tas” que fo­ram ata­ca­das em 2015.

Alan Mar­ques - 26.out.2015/Fo­lha­press

O do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef, con­si­de­ra­do o pivô do es­que­ma de re­mes­sa de di­nhei­ro que le­vou à re­ve­la­ção da La­va Ja­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.