Mu­dar lei não bas­ta, diz che­fe do Co­af

Pa­ra An­to­nio Gus­ta­vo Ro­dri­gues, al­te­ra­ções de pro­ce­di­men­tos não ga­ran­tem que des­vi­os não se re­pe­ti­rão

Folha De S.Paulo - - Poder -

Di­ri­gen­te afir­ma que a saí­da pa­ra im­pe­dir no­vos es­cân­da­los é mos­trar que há pu­ni­ção rá­pi­da pa­ra os cri­mes

Pa­ra o pre­si­den­te do Co­af, a uni­da­de de in­te­li­gên­cia do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da que de­tec­ta ope­ra­ções ir­re­gu­la­res no sis­te­ma fi­nan­cei­ro, cri­ar “amarras” bu­ro­crá­ti­cas pa­ra en­fren­tar as des­co­ber­tas da La­va Ja­to não im­pe­di­rá um no­vo es­cân­da­lo no fu­tu­ro. A saí­da, se­gun­do An­to­nio Gus­ta­vo Ro­dri­gues, é afas­tar a sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de.

Se­gun­do ele, mu­dan­ças de pro­ce­di­men­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos na Pe­tro­bras pa­ra a con­tra­ta­ção de obras civis ou na atu­a­ção de lo­bis­tas no Con­gres­so, por exem­plo, po­dem ser fei­tas, mas não são ga­ran­tia de que des­vi­os de di­nhei­ro pú­bli­co não se re­pe­ti­rão.

Ro­dri­gues diz ain­da que hou­ve fa­lhas em al­gu­mas ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras nas re­la­ções com seus cli­en­tes, mas não er­ros es­tru­tu­rais.

Pa­ra ele, de­ve ha­ver uma re­a­ção rá­pi­da pa­ra mos­trar que há pu­ni­ção pa­ra os cri­mes, ta­re­fa que re­co­nhe­ce ser di­fí­cil no Bra­sil. “[Pu­nir], na nos­sa cul­tu­ra, é di­fí­cil. Ve­ja uma coi­sa ób­via, que é an­dar aci­ma da ve­lo­ci­da­de. Vo­cê põe um ‘par­dal’, um me­ca­nis­mo ob­je­ti­vo, as pes­so­as re­cla­mam: ‘Ah não, tem que bo­tar uma pla­ca an­tes’. O bra­si­lei­ro tem um pro­ble­ma pa­ra pu­nir. Vo­cê vê o ca­ra er­ra­do e ele dis­cu­te co­mo se ti­ves­se ra­zão”, diz.

Se­gun­do Ro­dri­gues, não adi­an­ta re­for­çar po­li­ci­a­men­to se a po­pu­la­ção não fi­zer o seu pa­pel. “Aqui no Bra­sil, um ca­mi­nhão cai, a po­pu­la­ção vai lá e rou­ba a car­ga”, afir­ma. “O pa­drão mo­ral é im­por­tan­te. Vo­cê se com­por­ta bem por­que tem po­lí­cia ou por­que vo­cê acre­di­ta que de­ve se comportar bem?”

A ló­gi­ca, na ava­li­a­ção de­le, é se­me­lhan­te pa­ra os cri­mes fi­nan­cei­ros co­me­ti­dos por em­pre­sá­ri­os: “Co­mo eu im­pe­ço uma em­pre­sa [de co­me­ter cri­me]? É im­pos­sí­vel. O ca­ra tem di­nhei­ro, é ri­co, faz ne­gó­ci­os, aí quer mon­tar uma em­pre­sa no exterior. Cla­ro, ele faz. Ago­ra, se ele faz mau uso dis­so, tem que tor­cer pa­ra a po­lí­cia pe­gar. Mas não co­mo im­pe­dir de fa­zer.”

Ro­dri­gues diz que o mes­mo prin­cí­pio po­de va­ler na re­gu­la­ção das re­mes­sas de dó­la­res por meio de con­tra­tos

AN­TO­NIO GUS­TA­VO RO­DRI­GUES

Pre­si­den­te do Co­af de câm­bio, ho­je li­be­ra­das.

Des­de o iní­cio das in­ves­ti­ga­ções no Pa­ra­ná, o Co­af pro­du­ziu 681 re­la­tó­ri­os so­bre ir­re­gu­la­ri­da­des que abas­te­ce­ram a La­va Ja­to. Até 2014, per­so­na­gens do es­cân­da­lo mo­vi­men­ta­ram li­vre­men­te mi­lhões de re­ais sem que os cri­mes fos­sem de­tec­ta­dos.

Ro­dri­gues de­fen­de que a prevenção à la­va­gem de di­nhei­ro deu uma res­pos­ta

“Eu di­go que o sis­te­ma fun­ci­o­nou, eles fo­ram pe­gos. Não dá pa­ra aca­bar com o pro­ble­ma, tem que aca­bar com o ban­di­do. E ter um sis­te­ma que de­tec­te essas si­tu­a­ções. E o sis­te­ma de­tec­tou. Essas pes­so­as fo­ram iden­ti­fi­ca­das e es­tão pre­sas ou es­tão sen­do pre­sas”, afir­ma.

De acor­do com ele, cri­ar no­vas exi­gên­ci­as bu­ro­crá­ti­cas não re­sol­ve o pro­ble­ma. “Eu pes­so­al­men­te acho que vo­cê aca­ba fa­zen­do a so­ci­e­da­de to­da pa­gar por um con­tro­le que não con­tro­la. É um con­tro­le com o qual vo­cê não vai aca­bar com o pro­ble­ma e que só vai atra­pa­lhar a vi­da das pes­so­as de bem.”

Pa­ra Ro­dri­gues, al­guns ban­cos “apa­ren­te­men­te não fi­ze­ram a de­vi­da di­li­gên­cia” em re­la­ção aos seus cli­en­tes.

“O ban­co tem que olhar quem é es­se cli­en­te. Ele tem ne­gó­ci­os no exterior, is­so se jus­ti­fi­ca? A ba­se to­da do sis­te­ma é es­sa, ‘co­nhe­ça o seu cli­en­te’. De re­pen­te es­se ca­ra sai ex­por­tan­do lu­va de plás­ti­co ou qual­quer ou­tra coi­sa? O ban­co tem que co­nhe­cer.”

E res­sal­ta: “Tem fa­lha, tem. Co­me­ram mos­ca, co­me­ram. Se is­so é es­tru­tu­ral, não.” (RUBENS VA­LEN­TE)

“im­pe­ço uma em­pre­sa [de co­me­ter cri­me]? É im­pos­sí­vel. O ca­ra tem di­nhei­ro, é ri­co, faz ne­gó­ci­os, aí quer mon­tar uma em­pre­sa no exterior. Cla­ro, ele faz. Ago­ra, se ele faz mau uso dis­so, tem que tor­cer pa­ra a po­lí­cia pe­gar. Mas não tem co­mo im­pe­dir de fa­zer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.