Sai­ba o que po­de e o que não po­de ser usado na carne

Folha De S.Paulo - - Mercado Inclui E - CA­MIL­LA COS­TA RE­NA­TA MENDONÇA

Carne com papelão? Áci­do can­ce­rí­ge­no na sal­si­cha? Des­de que a Ope­ra­ção Carne Fra­ca, as in­for­ma­ções se es­pa­lha­ram pe­la in­ter­net e cau­sa­ram pâ­ni­co em mui­tos con­su­mi­do­res.

A BBC Bra­sil con­ver­sou com en­ge­nhei­ros de ali­men­tos e es­pe­ci­a­lis­tas em car­nes pa­ra es­cla­re­cer o que po­de e o que não po­de ser adi­ci­o­na­do no pro­ces­sa­men­to de car­nes. PAPELÃO Ao anun­ci­ar a ope­ra­ção, a PF men­ci­o­nou que em­pre­sas en­vol­vi­das no es­que­ma de cor­rup­ção “usa­vam papelão pa­ra fa­zer en­la­ta­dos (em­bu­ti­dos)”.

O mé­di­co-ve­te­ri­ná­rio e es­pe­ci­a­lis­ta em car­nes da Uni­camp Pe­dro Fe­lí­cio acre­di­ta que a re­fe­rên­cia ao papelão não te­nha si­do fei­ta co­mo in­gre­di­en­te pa­ra o pro­ces­sa­men­to da carne. “Acho di­fí­cil is­so ter acon­te­ci­do.”

Em no­ta, a BRF dis­se que “hou­ve um gran­de mal-en­ten­di­do na in­ter­pre­ta­ção do áu­dio cap­tu­ra­do pe­la PF”. A em­pre­sa afir­ma que um de seus fun­ci­o­ná­ri­os fa­la­va que ten­ta­ria em­ba­lar a carne em papelão. ÁCI­DO AS­CÓR­BI­CO A po­pu­lar vi­ta­mi­na C tam­bém foi ci­ta­da pe­lo de­le­ga­do da PF co­mo al­go uti­li­za­do pa­ra “maquiar” o as­pec­to da carne.

Mui­tas pes­so­as as­so­ci­a­ram o áci­do as­cór­bi­co co­mo sen­do uma subs­tân­cia po­ten­ci­al­men­te can­ce­rí­ge­na. De acor­do com a OMS, não há evi­dên­ci­as de re­la­ção com o câncer.

“O uso tem be­ne­fí­ci­os e não é pa­ra mas­ca­rar carne adul­te­ra­da. Ele tem uma fun­ção nas car­nes pro­ces­sa­das co­mo an­ti­o­xi­dan­te, aju­da a me­lho­rar a es­ta­bi­li­da­de do sa­bor”, diz a en­ge­nhei­ra de ali­men­tos Car­men Cas­til­lo, da Esalq-USP. SAL­SI­CHA SEM PE­RU A des­co­ber­ta de que, no Pa­ra­ná, alu­nos da re­de pú­bli­ca es­ta­du­al con­su­mi­ram sal­si­cha de pe­ru sem carne de pe­ru —pre­en­chi­da com pro­teí­na de so­ja, fé­cu­la de man­di­o­ca e carne de fran­go— deu iní­cio à in­ves­ti­ga­ção da PF.

“É pre­ci­so ob­ser­var as quan­ti­da­des usa­das, têm de es­tar nos li­mi­tes da lei”, diz Fe­lí­cio. ÁGUA NO FRAN­GO Se­gun­do a PF, fis­cais te­ri­am des­co­ber­to que fran­gos te­ri­am “ab­sor­ção de água su­pe­ri­or ao ín­di­ce per­mi­ti­do”.

“A prá­ti­ca não che­ga a ser pre­ju­di­ci­al à saú­de, mas al­te­ra o pe­so da carne. “É uma frau­de econô­mi­ca”, diz Fe­lí­cio. CABEÇA DE PORCO O uso da carne de cabeça de porco ou de boi em lin­gui­ças é dis­cu­ti­do em uma das li­ga­ções in­ter­cep­ta­das en­tre os só­ci­os de fri­go­rí­fi­co e, se­gun­do a PF, tem o uso proi­bi­do.

O mi­nis­tro Blai­ro Mag­gi (Agri­cul­tu­ra) con­tes­tou a PF e dis­se que o uso é le­gal. De to­do mo­do, diz Fe­lí­cio, a in­ges­tão não se­ria pre­ju­di­ci­al à saú­de.

O mi­nis­tro Blai­ro Mag­gi (Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to) cri­ti­cou a PF por “er­ros téc­ni­cos” co­me­ti­dos na Ope­ra­ção Carne Fra­ca, que le­vou o pre­si­den­te Te­mer a con­vo­car uma reu­nião de emer­gên­cia no Pa­lá­cio do Pla­nal­to nes­te do­min­go (19).

O mi­nis­tro ques­ti­o­nou o di­re­tor da PF, Le­an­dro Dai­el­lo, pe­la con­du­ção da in­ves­ti­ga­ção. Se­gun­do Mag­gi, a po­lí­cia con­si­de­rou que al­guns fri­go­rí­fi­cos ado­ta­ram prá­ti­cas proi­bi­das e, na ver­da­de, elas são per­mi­ti­das pe­la re­gu­la­men­ta­ção do se­tor.

As de­cla­ra­ções fo­ram da­das de­pois do en­con­tro que reu­niu mi­nis­tros, se­cre­tá­ri­os, as­so­ci­a­ções de pro­du­to­res e ex­por­ta­do­res e dos 33 em­bai­xa­do­res de paí­ses que mais im­por­tam car­nes do Bra­sil.

O go­ver­no ten­tou mi­ni­mi­zar o ca­so e re­ba­ter os ar­gu­men­tos téc­ni­cos da PF. Três pon­tos fo­ram con­tes­ta­dos: o uso de áci­do con­si­de­ra­do can­ce­rí­ge­no na mis­tu­ra de ali­men­tos, a uti­li­za­ção de papelão em lo­tes de fran­go e de carne de cabeça de porco —al­go que a PF dis­se ser “sa­bi­da­men­te proi­bi­da”.

“Es­tá cla­ro no áu­dio [das con­ver­sas dos in­ves­ti­ga­dos] que es­tão fa­lan­do de em­ba­la­gens, e não de mis­tu­rar papelão na carne”, dis­se o mi­nis­tro. “Se­não, é uma idi­o­ti­ce, uma in­sa­ni­da­de, pa­ra di­zer a ver­da­de. As em­pre­sas bra­si­lei­ras in­ves­ti­ram al­guns mi­lhões de dó­la­res, há mais de dez anos, pa­ra con­so­li­dar mer­ca­do, e aí vo­cê pe­ga uma em­pre­sa que é ex­por­ta­do­ra e vai di­zer que mis­tu­rou papelão na carne? Pe­lo amor de Deus. Não dá pa­ra acei­tar.”

Pro­cu­ra­da, a PF não ha­via se pro­nun­ci­a­do até a con­clu­são des­ta edi­ção.

Mag­gi afir­mou que “es­tá es­cri­to no re­gu­la­men­to” que a carne de cabeça de porco po­de ser uti­li­za­da”. Tam­bém afir­mou que o áci­do as­cór­bi­co, di­vul­ga­do co­mo can­ce­rí­ge­no, “é vi­ta­mi­na C e po­de ser uti­li­za­do em pro­ces­sos”.

“A nar­ra­ti­va nos le­va até a cri­ar fan­ta­si­as. Não es­tou di­zen­do que não te­nha sen­ti­do a in­ves­ti­ga­ção. Qu­an­do es­ta­mos fa­lan­do “fi­quem tran­qui­los”, é por­que a gen­te co­nhe­ce a mai­or par­te do nos­so sis­te­ma, 99% dos pro­du­to­res de ali­men­tos fa­zem as coi­sas cer­tas”, dis­se o mi­nis­tro.

Pa­ra evi­tar “ruí­dos” des­se ti­po, a Agri­cul­tu­ra cri­ou uma for­ça-ta­re­fa que sub­me­teu os 21 fri­go­rí­fi­cos in­ves­ti­ga­dos a um “re­gi­me es­pe­ci­al de fis­ca­li­za­ção”. Es­se gru­po tam­bém par­ti­ci­pa­rá da con­du­ção do inqué­ri­to pe­la PF.

Te­mer anun­ci­ou a for­ça-ta­re­fa pa­ra os em­bai­xa­do­res e apre­sen­tou nú­me­ros do se­tor na ten­ta­ti­va de acal­má-los. EUA e UE já ti­nham pe­di­do de ex­pli­ca­ções ao Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra na sex­ta (17).

Em pos­se de um re­la­tó­rio pre­pa­ra­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra no sá­ba­do (18), o pre­si­den­te afir­mou que o Bra­sil tem 4.837 fri­go­rí­fi­cos su­jei­tas à fis­ca­li­za­ção e só 21 es­tão sob in­ves­ti­ga­ção. “Is­so é um mí­ni­mo so­bre o tan­to de uni­da­des fri­go­rí­fi­cas em nos­so país,” dis­se Te­mer.

Ain­da se­gun­do o pre­si­den­te, das 853 mil par­ti­das de ex­por­ta­ções de car­nes do Bra­sil no ano pas­sa­do, so­men­te 184 fo­ram con­si­de­ra­das pe­los im­por­ta­do­res “fo­ra de con­for­mi­da­de” —com pro­ble­mas de ro­tu­la­gem ou cer­ti­fi­ca­dos, não de qua­li­da­de.

Te­mer con­si­de­rou ain­da que so­men­te 33 fun­ci­o­ná­ri­os es­tão sen­do in­ves­ti­ga­dos por en­vol­vi­men­to no ca­so. “Não é o sis­te­ma de de­fe­sa agro­pe­cuá­ria que es­tá sen­do in­ves­ti­ga­do, mas al­guns pou­cos des­vi­os, de al­guns pou­cos fun­ci­o­ná­ri­os, de al­gu­mas pou­cas em­pre­sas”, dis­se. CHUR­RAS­CO Te­mer ter­mi­nou con­vi­dan­do os em­bai­xa­do­res pa­ra um chur­ras­co em uma das ca­sas mais fre­quen­ta­das de Bra­sí­lia (DF). De­ze­no­ve de­les com­pa­re­ce­ram, além de oi­to re­pre­sen­tan­tes co­mer­ci­ais. Tam­bém fo­ram o mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Moreira Fran­co, e o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Blai­ro Mag­gi.

O go­ver­no pa­gou a con­ta dos em­bai­xa­do­res (R$ 14 mil). Te­mer be­beu cai­pi­ri­nha, co­meu al­ca­tra, fral­di­nha, lin­gui­ça, cor­dei­ro e pi­ca­nha. Em tom des­con­traí­do, per­gun­tou a ori­gem das car­nes. To­das eram na­ci­o­nais. E da JBS — uma das in­ves­ti­ga­das pe­la PF.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.