MAR­CA­ÇÃO CERRADA

Crí­ti­cos da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia co­bram de­pu­ta­dos em re­des so­ci­ais, por ce­lu­lar e em lo­cais pú­bli­cos; gru­po mon­ta acam­pa­men­to na fren­te do con­do­mí­nio do pre­si­den­te da co­mis­são, Car­los Ma­rum (PMDB-MS)

Folha De S.Paulo - - Mercado - LAÍS ALEGRETTI RANIER BRAGON

DE BRA­SÍ­LIA

“Se eu le­var um so­co, te conto.” A fra­se do de­pu­ta­do Dar­cí­sio Pe­ron­di (PMDB-RS) na vés­pe­ra de um de­ba­te com crí­ti­cos da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ilus­tra um pou­co do que de­fen­so­res da prin­ci­pal ban­dei­ra do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer em 2017 têm en­fren­ta­do Bra­sil afo­ra.

En­tre os per­cal­ços, pres­são nas re­des so­ci­ais e em lo­cais pú­bli­cos, co­mo res­tau­ran­tes e ae­ro­por­tos, e até na por­ta de ca­sa.

Um acam­pa­men­to equi­pa­do com ba­nhei­ro quí­mi­co foi mon­ta­do na fren­te do con­do­mí­nio em que mo­ra o pre­si­den­te da co­mis­são da Pre­vi­dên­cia, Car­los Ma­run (PMDBMS), em Cam­po Gran­de. Se­gun­do ele, o gru­po che­gou a con­tar com 500 pes­so­as.

A co­bran­ça tam­bém che­ga por men­sa­gem no ce­lu­lar e em li­ga­ções pa­ra o te­le­fo­ne pessoal, diz o pe­e­me­de­bis­ta. “Vá­ri­as men­sa­gens são ofen­si­vas, men­ci­o­nam mi­nha mãe”, diz Ma­run.

Ele afir­ma que a res­pos­ta vai na mes­ma mo­e­da: “De vez em qu­an­do es­co­lho uma pa­ra res­pon­der pa­ra dar uma de­so­pi­la­da. Sou bem bru­to na ho­ra de res­pon­der a de­ter­mi­na­das ofen­sas. Só não ofen­do as mães, por­que elas não têm cul­pa.”

O de­pu­ta­do, que diz não se aba­lar na con­vic­ção de apoi­ar a re­for­ma, ne­gou o pe­di­do da re­por­ta­gem pa­ra ver uma tro­ca de men­sa­gens.

“As mais du­ras não po­dem ser pu­bli­ca­das.”

Já o pe­e­me­de­bis­ta gaú­cho Mau­ro Pe­rei­ra, tam­bém in­te­gran­te da co­mis­são, atri­bui as men­sa­gens e li­ga­ções que re­ce­be à falta de in­for­ma­ção.

“Na sex­ta re­ce­bi uma men­sa­gem: ‘Vo­tei no se­nhor e o se­nhor vo­tou contra nós na Pre­vi­dên­cia’. Aí ex­pli­co que ain­da nem vo­ta­mos”, dis­se.

Pa­ra Pe­rei­ra, que de­fen­de al­gu­mas al­te­ra­ções na pro­pos­ta do Exe­cu­ti­vo, as men­sa­gens não são agres­si­vas e é na­tu­ral re­ce­ber ques­ti­o­na­men­tos diá­ri­os so­bre o te­ma.

“Se qui­ser co­lo­car o nú­me­ro do meu ce­lu­lar na re­por­ta­gem, po­de co­lo­car. É nor­mal as pes­so­as li­ga­rem pa­ra sa­ber”, afir­mou o de­pu­ta­do, por­ta­dor do ce­lu­lar de nú­me­ro 99112-0087 (DDD 54). DIGESTÃO Ao dei­xar um res­tau­ran­te de co­zi­nha ale­mã em Bra­sí­lia na se­ma­na pas­sa­da, Dar­cí­sio Pe­ron­di, o de­pu­ta­do que pro­me­teu relatar even­tu­ais bo­fe­ta­das so­fri­das, foi abor­da­do por uma mu­lher ves­ti­da com ca­mi­sa de um sin­di­ca­to de pro­fes­so­res.

“Ela veio com o de­do no meu ros­to e eu não re­a­gi: ‘Vo­cê é um co­or­de­na­dor e vo­cês que­rem aca­bar com tu­do’. De­ve ter me re­co­nhe­ci­do”, afir­ma o pe­e­me­de­bis­ta, um dos mai­o­res de­fen­so­res da re­for­ma e um dos vi­ce-lí­de­res do go­ver­no.

O tu­ca­no Mar­cus Pes­ta­na (MG) diz que a prin­ci­pal ofen­si­va, no seu ca­so, é nas re­des so­ci­ais. Mas ele afir­ma es­tar ca­le­ja­do e que é pre­ci­so ter fir­me­za nas con­vic­ções na po­lí­ti­ca. “São crí­ti­cas, fra­ses e posts con­tun­den­tes, di­zen­do que vo­cê es­tá contra o tra­ba­lha­dor, uns com tons de ame­a­ça. A prin­ci­pal é: ‘Vo­cê vai ver em 2018’”, re­la­ta o tu­ca­no, em re­fe­rên­cia ao ano em que a mai­o­ria dos con­gres­sis­tas ten­ta­rá a re­e­lei­ção.

Nos bas­ti­do­res, os ali­a­dos de Te­mer têm di­to que os mais en­ga­ja­dos nas ma­ni­fes­ta­ções contra a re­for­ma são os ser­vi­do­res pú­bli­cos, cu­jas re­gras se­ri­am igua­la­das à da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, e par­ti­dos da opo­si­ção.

Até por is­so, pla­ne­jam ba­ter na te­cla de que os que ga­nham os mais al­tos sa­lá­ri­os são os que mais tra­ba­lham contra a re­for­ma. Se­gun­do um de­les, pa­ra ga­nhar a guer­ra da pro­pa­gan­da, é pre­ci­so ter um “ini­mi­go” bem de­fi­ni­do. NAZISMO O re­la­tor da pro­pos­ta, de­pu­ta­do Arthur Oli­vei­ra Maia (PPS-BA), dis­se na quin­ta (16) que o go­ver­no es­tá in­do mal na co­mu­ni­ca­ção da re­for­ma e que crí­ti­cos da pro­pos­ta nas re­des so­ci­ais usam prá­ti­cas do nazismo. “As in­ver­da­des re­pe­ti­das de ma­nei­ra ma­ci­ça, is­so é uma prá­ti­ca do nazismo. [...] É o que es­tá acon­te­cen­do nas re­des so­ci­ais.”

O go­ver­no ar­gu­men­ta que a re­for­ma aca­ba com pri­vi­lé­gi­os e que é be­né­fi­ca pa­ra tra­ba­lha­do­res com sa­lá­rio me­nor. O tex­to es­ta­be­le­ce ida­de mí­ni­ma de 65 anos e tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção de 25 anos pa­ra ho­mens e mu­lhe­res. As re­gras va­lem pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos e tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do.

No de­ba­te de sá­ba­do (18), Pe­ron­di não le­vou um so­co, mas re­la­tou em re­de so­ci­al que foi re­ce­bi­do por mi­li­tan­tes da opo­si­ção com “cus­pa­ra­da e agres­sões ver­bais”.

Sou bem bru­to na ho­ra de res­pon­der a de­ter­mi­na­das ofen­sas. Só não ofen­do as mães, elas não têm cul­pa

CAR­LOS MA­RUN (PMDB-MS)

pre­si­den­te da co­mis­são da Pre­vi­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.