Em­pre­en­de­do­res apos­tam em sta­tus de mar­cas an­ti­gas

Fran­qui­as de em­pre­sas com mais de 50 anos têm o re­co­nhe­ci­men­to a seu fa­vor, mas cus­to ten­de a ser al­to

Folha De S.Paulo - - Mpme - AN­NA RAN­GEL

Se apoi­ar na mar­ca ou ape­nas gos­tar dos pro­du­tos não cre­den­cia nin­guém a ser em­pre­sá­rio, ape­nas cli­en­te

Co­nhe­cer os pro­du­tos e es­tar pre­sen­te na lo­ja são vi­tais pa­ra am­pli­ar chan­ces de su­ces­so, di­zem es­pe­ci­a­lis­tas

Apro­vei­tar a re­pu­ta­ção de uma com­pa­nhia tra­di­ci­o­nal, com vá­ri­as dé­ca­das de mer­ca­do, po­de ser uma al­ter­na­ti­va pa­ra em­pre­en­de­do­res mais con­ser­va­do­res. Mas não dá pa­ra com­prar a fran­quia e se sen­tar na sua fa­ma sem ge­rir o ne­gó­cio com afin­co.

“Mes­mo ten­do o no­me co­mo um dos mai­o­res pa­trimô­ni­os des­sas mar­cas, o em­pre­en­de­dor precisa en­ten­der que se tra­ta de uma ope­ra­ção com­ple­xa”, afir­ma Clau­dio Ti­eghi, di­re­tor de in­te­li­gên­cia da ABF (As­so­ci­a­ção Brasileira de Fran­chi­sing).

É im­por­tan­te par­ti­ci­par, fi­car aten­to a ino­va­ções, no­vos pro­du­tos da em­pre­sa e a re­per­cus­são des­tes, se­gun­do Clau­dia Bittencourt, só­cia da con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­da em fran­qui­as Gru­po Bittencourt.

O en­ge­nhei­ro Da­ni­el Ma­ce­do, 28, con­ta que faz ques­tão de es­tar pre­sen­te to­dos os di­as em sua fran­quia da Ca­sa Bau­duc­co, aber­ta há um ano e meio. A mar­ca foi cri­a­da em 1952, “Por es­tar sem­pre no lo­cal, con­ver­san­do com cli­en­tes, ve­jo o que eles gos­tam mais en­tre os no­vos pro­du­tos e in­vis­to no mar­ke­ting bo­ca a bo­ca”, diz.

A uni­da­de pas­sou a re­ce­ber bo­as ava­li­a­ções em re­des so­ci­ais co­mo Fours­qua­re e TripAd­vi­sor. A lo­ja, em São Ca­e­ta­no do Sul, na Gran­de São Pau­lo, cres­ceu 24% em 2016 e fa­tu­rou R$ 1,52 mi­lhão.

O di­re­tor da Ca­sa Bau­duc­co, Pau­lo Car­da­mo­me, aler­ta que o em­pre­en­de­dor de­ve sa­ber ge­rir an­tes de adquirir a fran­quia. Co­mo é co­mum ao se tra­tar de mar­cas fa­mo­sas, o in­ves­ti­men­to é al­to pa­ra o em­pre­en­de­dor: cus­ta cer­ca de R$ 500 mil.

“Se apoi­ar na mar­ca ou ape­nas gos­tar dos pro­du­tos não cre­den­cia nin­guém a ser em­pre­sá­rio, ape­nas cli­en­te”, afir­ma Car­da­mo­ne.

Se a em­pre­sa é co­nhe­ci­da, tor­na-se pos­sí­vel fo­car mais a es­tra­té­gia co­mer­ci­al e me­nos o es­for­ço de mar­ke­ting, diz Ti­eghi.

Cer­ca de me­ta­de da ba­se de cli­en­tes do ad­mi­nis­tra­dor Mar­co Cha­dad, 45, da He­ring, já con­su­mia pro­du­tos da mar­ca, se­gun­do seus cál­cu­los.

Cha­dad tem lo­jas em São Pau­lo da têx­til ca­ta­ri­nen­se, ati­va no mer­ca­do des­de o fi­nal do sé­cu­lo XIX. “A van­ta­gem da mar­ca an­ti­ga é que vo­cê já abre com uma cli­en­te­la po­ten­ci­al, e precisa ape­nas di­vul­gar a lo­ja nos bair­ros pró­xi­mos”, diz. ES­CO­LHA EMO­CI­O­NAL O ad­mi­nis­tra­dor Sér­gio Le­mos, 38, con­ta que de­ci­diu pe­la New Era, re­de nor­te­a­me­ri­ca­na de bo­nés fun­da­da em 1920, com a emo­ção.

“Vi um quiosque da mar­ca e de­ci­di ali mes­mo que com­pra­ria uma fran­quia”, afir­ma. “Não con­sul­tei o ou­tro fran­que­a­do, úni­co no Bra­sil na épo­ca, nem ques­ti­o­nei da­dos fi­nan­cei­ros que re­ce­bi.”

Le­mos in­ves­tiu R$ 350 mil na pri­mei­ra lo­ja —sem con­tar o va­lor do alu­guel do pon­to e o ca­pi­tal de gi­ro. O lo­cal foi aber­to na me­ta­de de 2015.

A ou­sa­dia de Le­mos não é re­co­men­da­da por con­sul­to­res da área, que in­di­cam ava­li­ar pe­lo me­nos três fran­que­a­do­ras e con­ver­sar com quem tem lo­jas ou já dei­xou a re­de.

“Fa­lar com fran­que­a­dos no­vos e an­ti­gos aju­da a ver co­mo evo­luí­ram as ope­ra­ções da em­pre­sa e dá pis­tas so­bre co­mo se­rá o su­por­te a quem com­pra uma uni­da­de”, afir­ma o só­cio-pre­si­den­te da BA Stoc­kler, con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­da em fran­qui­as, Luís Hen­ri­que Stoc­kler.

Tam­bém é in­dis­pen­sá­vel es­tu­dar a fun­do a cir­cu­lar de ofer­ta de fran­quia, do­cu­men­to que es­ta­be­le­ce di­rei­tos e de­ve­res das du­as par­tes. PAU­LO CAR­DA­MO­ME di­re­tor da Ca­sa Bau­duc­co

“quem já es­tá na re­de aju­da a ver co­mo evo­luí­ram as ope­ra­ções dá pis­tas so­bre co­mo se­rá o su­por­te ao fran­que­a­do

LUÍS HEN­RI­QUE STOC­KLER

só­cio da con­sul­to­ria BA Stoc­kler TRA­BA­LHO DU­RO O fa­to de a mar­ca ser con­so­li­da­da não sig­ni­fi­ca que o em­pre­en­de­dor precisa tra­ba­lhar me­nos. To­da a ges­tão da lo­ja, in­cluin­do aí equi­pes, sis­te­mas, cai­xa e es­to­que, fi­ca por con­ta do fran­que­a­do CO­NHE­CI­MEN­TO PRÉVIO Es­tu­dar a mar­ca a fun­do é in­dis­pen­sá­vel. Se ela é an­ti­ga, tem có­di­gos de com­por­ta­men­to, va­lo­res e prin­cí­pi­os mui­to bem es­ta­be­le­ci­dos, que devem ser as­si­mi­la­dos pe­lo fran­que­a­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.