Pa­ra So­lan­ge Men­des, pre­si­den­te da Fe­naSaú­de, as­so­ci­a­ção que re­pre­sen­ta al­gu­mas

Folha De S.Paulo - - Cotidiano Inclui - CLÁU­DIA COLLUCCI

DE SÃO PAU­LO

A ANS (Agên­cia Na­ci­o­nal de Saú­de Su­ple­men­tar) pre­pa­ra no­vas nor­mas pa­ra pla­nos de saú­de com co­par­ti­ci­pa­ção e fran­qui­as, mo­da­li­da­des em que o usuá­rio pa­ga à par­te um va­lor por ca­da pro­ce­di­men­to ou ar­ca in­te­gral­men­te com cer­tas des­pe­sas.

Ho­je, cer­ca de 50% dos usuá­ri­os de pla­nos no país já têm co­par­ti­ci­pa­ção ou fran­quia nos con­tra­tos, mas as re­gras, ins­ti­tuí­das an­tes da cri­a­ção da ANS, não são cla­ras e fo­ram es­ta­be­le­ci­das pe­los pró­pri­os pla­nos, o que traz ris­cos pa­ra o usuá­rio.

En­tre as mu­dan­ças que se­rão dis­cu­ti­das em au­di­ên­cia pú­bli­ca nes­ta se­gun­da (20) no Rio, há a pro­pos­ta de li­mi­tar em até 40% o va­lor da co­par­ti­ci­pa­ção e isen­tar exa­mes pre­ven­ti­vos e tra­ta­men­tos de crô­ni­cos des­sa nor­ma.

Com a cri­se econô­mi­ca e a per­da de 2,5 mi­lhões de usuá­ri­os em dois anos, os pla­nos ve­em nes­sas mo­da­li­da­des uma for­ma de cor­tar cus­tos. Um dos ar­gu­men­tos é que qu­an­do o usuá­rio ar­ca com par­te do va­lor de um pro­ce­di­men­to, evi­ta usar o sis­te­ma de saú­de sem ne­ces­si­da­de.

Um pla­no com co­par­ti­ci­pa­ção po­de cus­tar até 40% me­nos do que um ou­tro sem ela, o que po­de ser um atra­ti­vo pa­ra de­ter­mi­na­dos gru­pos, se­gun­do ava­li­a­ção do se­tor.

Mas é pre­ci­so ter cau­te­la. Pa­ra Ma­rio Schef­fer, pro­fes­sor da USP e pes­qui­sa­dor do mer­ca­do da saú­de su­ple­men­tar, es­se ti­po de pla­no é al­ter­na­ti­va só pa­ra a “po­pu­la­ção jo­vem e sa­dia”.

“Pa­ra os ido­sos e do­en­tes crô­ni­cos, que pre­ci­sam re­cor­rer a pro­ce­di­men­tos rei­te­ra­das ve­zes, é um pés­si­mo ne­gó­cio. Fi­ca mui­to ca­ro.”

Na sua opi­nião, mes­mo que se es­ta­be­le­ça re­gras co­mo li­mi­tar a co­par­ti­ci­pa­ção, o usuá­rio sem­pre fi­ca­rá em si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de. “As ne­ces­si­da­des de saú­de são im­pre­vi­sí­veis.” PREVENÇÃO Se­gun­do Ana Ca­ro­li­na Na­var­re­te, pes­qui­sa­do­ra em saú­de do Idec (Ins­ti­tu­to de De­fe­sa do Con­su­mi­dor), as pes­so­as não têm con­di­ções de pla­ne­jar a lon­go pra­zo os cus­tos com a saú­de.

“É trans­fe­rir pa­ra o con­su­mi­dor uma res­pon­sa­bi­li­da­de que não é de­le. Nin­guém po­de pre­ver qu­an­do fi­ca­rá do­en­te e quan­to is­so vai cus­tar.”

Ou­tro pro­ble­ma do pla­no com co­par­ti­ci­pa­ção, se­gun­do ela, é não pri­vi­le­gi­ar ações de prevenção. “As pes­so­as re­tar­dam a pro­cu­ra por ser­vi­ços de saú­de, só aci­o­nam qu­an­do têm al­gum pro­ble­ma mais sé­rio e evi­den­te.”

Martha Oli­vei­ra, di­re­to­ra de de­sen­vol­vi­men­to se­to­ri­al da ANS, diz que a no­va nor­ma da­rá mais se­gu­ran­ça e trans­pa­rên­cia aos con­tra­tos (leia tex­to nes­ta pá­gi­na).

“Ho­je as pes­so­as não sa­bem quan­to vão pa­gar, co­mo se­rá o re­a­jus­te da ta­be­la. Ago- Res­tri­ção pa­ra co­bran­ça em pro­mo­ção e prevenção e do­en­ças crônicas Trans­pa­rên­cia na in­for­ma­ção de cus­to e na ho­ra da com­pra Op­ções em pro­du­tos NÚ­ME­RO DE PES­SO­AS COM PLA­NO DE SAÚ­DE, EM MI­LHÕES Men­sa­li­da­de, em R$ Va­lor pa­go no ven­ci­men­to se­guin­te, em R$ ra vão po­der si­mu­lar e ter no­ção des­se va­lor an­tes da com­pra e de usar o pla­no.”

Se­gun­do Ana Na­var­re­te, usuá­ri­os de pla­nos com co­par­ti­ci­pa­ção ho­je en­fren­tam abu­sos co­mo ter que ar­car com até 50% dos cus­tos após 30 di­as de in­ter­na­ção. “Is­so bur­la a le­gis­la­ção, não po­de ha­ver li­mi­te de in­ter­na­ção.” MER­CA­DO das mai­o­res ope­ra­do­ras de saú­de do país, pla­nos com co­par­ti­ci­pa­ção ou fran­quia per­mi­tem que o be­ne­fi­ciá­rio op­te por um pro­du­to mais ade­qua­do ao seu per­fil.

“Há in­te­res­se dos con­su­mi­do­res em adquirir pla­nos com me­nor pre­ço em tro­ca de as­su­mir uma par­ce­la do ris­co. É po­si­ti­vo, traz plu­ra­li­da­de pa­ra a ofer­ta.”

No ca­so da fran­quia, ex­pli­ca, o con­su­mi­dor po­de que­rer ga­ran­tir co­ber­tu­ra pa­ra tra­ta­men­tos de al­to cus­to (um câncer, por exem­plo) e não se in­co­mo­dar em ar­car com des­pe­sas me­no­res (co­mo con­sul­ta ou exa­me sim­ples).

Se­gun­do So­lan­ge, es­ses pro­du­tos po­dem aju­dar na re­du­ção de cus­tos pa­ra o usuá­rio (men­sa­li­da­des mais ba­ra­tas) e pa­ra o sis­te­ma de saú­de (com re­du­ção de pro­ce­di­men­tos des­ne­ces­sá­ri­os).

Luiz Au­gus­to Car­nei­ro, su­pe­rin­ten­den­te-exe­cu­ti­vo do IESS (Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos de Saú­de Su­ple­men­tar), con­cor­da. “No ca­so da co­par­ti­ci­pa­ção e de fran­qui­as anu­ais, es­tu­dos de­mons­tram que há di­mi­nui­ção da pro­cu­ra por ser­vi­ços des­ne­ces­sá­ri­os. Ou se­ja, há re­du­ção de cus­tos, por­que vo­cê eli­mi­na o exa­ge­ro, o cli­en­te é um par­cei­ro no com­ba­te ao des­per­dí­cio.”

Na opi­nião de Ana Na­var­re­te, é equi­vo­ca­da a pre­mis­sa do se­tor de que os usuá­ri­os de pla­nos uti­li­zam mal os re­cur­sos em saú­de. “Na es­ma­ga­do­ra das ve­zes, as pes­so­as usam por­que pre­ci­sam, se­guem pres­cri­ção mé­di­ca.”

MARTHA OLI­VEI­RA

di­re­to­ra da ANS

cla­ra no con­tra­to

La­lo de Al­mei­da - 6.mai.2015/Fo­lha­press

Ci­rur­gia de tu­mor de ti­re­oi­de; no­vas re­gras não per­mi­ti­rão co­par­ti­ci­pa­ção pa­ra tra­ta­men­tos crô­ni­cos, co­mo os de câncer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.