Be­la, re­ca­ta­da e da pri­são do­mi­ci­li­ar

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - ALES­SAN­DRA OROFINO COLUNISTAS DES­TA SE­MA­NA ter­ça: Ro­sely Sayão; quar­ta: Jai­ro Mar­ques; quin­ta: Sér­gio Ro­dri­gues; sex­ta: Ta­ti Ber­nar­di; sá­ba­do: Luís Fran­cis­co Car­va­lho Fi­lho; do­min­go: An­to­nio Pra­ta

ADRI­A­NA ANCELMO nas­ceu em São Pau­lo, mas foi cri­a­da no Rio. For­mou­se em di­rei­to e foi tra­ba­lhar com o en­tão pro­cu­ra­dor-ge­ral da Alerj, Ré­gis Fi­cht­ner. Foi as­sim que co­nhe­ceu Sér­gio Ca­bral, com quem se ca­sou em 2004. Nos dois man­da­tos de go­ver­na­dor do ma­ri­do Adri­a­na viu seu pa­trimô­nio mul­ti­pli­car-se por dez. Em de­zem­bro do ano pas­sa­do, te­ve a pri­são pro­vi­só­ria de­cre­ta­da sob sus­pei­ta de la­var di­nhei­ro e ser be­ne­fi­ciá­ria do es­que­ma de cor­rup­ção co­man­da­do por Ca­bral.

Nes­sa sex­ta-fei­ra, a Jus­ti­ça de­ci­diu que Adri­a­na po­de­ria aguar­dar jul­ga­men­to em pri­são do­mi­ci­li­ar. A jus­ti­fi­ca­ti­va: seus fi­lhos, que têm 11 e 14 anos, não po­de­ri­am fi­car sem pai e mãe em ca­sa.

Co­mo Adri­a­na, mais de 1.300 mu­lhe­res aguar­dam jul­ga­men­to nas pri­sões do Rio, se­gun­do o De­par­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio Na­ci­o­nal. Mais da me­ta­de de­las é mãe. E qua­se 70% fo­ram pre­sas ape­nas por sus­pei­ta de trá­fi­co de dro­gas, sem ou­tras acu­sa­ções agra­van­tes. Ao con­trá­rio de Adri­a­na, essas mu­lhe­res em ge­ral têm bai­xa es­co­la­ri­da­de, são po­bres, pre­tas e não têm ne­nhu­ma pos­si­bi­li­da­de de mo­vi­men­tar um pa­trimô­nio mi­li­o­ná­rio —rou­ba­do do mes­mo Es­ta­do que ho­je dei­xa de pa­gar seus ser­vi­do­res— ca­so res­pon­dam por seus pro­ces­sos em li­ber­da­de.

É mais do que ób­via a per­ver­são de um sis­te­ma prisional que en­car­ce­ra sem jul­ga­men­to mães de fa­mí­lia acu­sa­das de um cri­me que se­quer de­ve­ria exis­tir en­quan­to seus fi­lhos cres­cem sem a pre­sen­ça ma­ter­na. Adri­a­na Ancelmo de­ve sim po­der Pe­lo di­rei­to de ser mãe e à pri­são do­mi­ci­li­ar é pre­ci­so pa­re­cer be­la, re­ca­ta­da e do lar co­mo Adri­a­na Ancelmo aguar­dar jul­ga­men­to em sua ca­sa — des­de que se­ja re­al­men­te pos­sí­vel evi­tar que ela use a opor­tu­ni­da­de pa­ra es­con­der o bu­tim do ma­ri­do. Mas ou­tras mi­lha­res de mães pe­lo Rio e pe­lo Bra­sil de­ve­ri­am ter o mes­mo di­rei­to. Não têm.

À pri­mei­ra vis­ta, po­de pa­re­cer con­tra­di­tó­rio que ape­nas dez di­as de­pois do pre­si­den­te fa­zer um dis­cur­so enal­te­cen­do a par­ti­ci­pa­ção da mu­lher na cri­a­ção de cri­an­ças e na boa exe­cu­ção de com­pras de su­per­mer­ca­do —e mais na­da— um ca­so de ta­ma­nho des­ta­que con­fir­me, pe­la ex­ce­ção, a re­gra de ab­so­lu­ta falta de com­pro­mis­so do país com es­se mes­mís­si­mo pa­pel de mãe e do­na de ca­sa, qu­an­do se tra­ta de de­ten­tas.

No en­tan­to, o que o ca­so Adri­a­na Ancelmo re­ve­la é aqui­lo que o pre­si­den­te não dis­se, mas dei­xou im­plí­ci­to: al­gu­mas mu­lhe­res devem mes­mo as­pi­rar ex­clu­si­va­men­te a ser mães e ges­to­ras do lar. Ou­tras, no en­tan­to, se­quer têm sua hu­ma­ni­da­de re­co­nhe­ci­da o su­fi­ci­en­te pa­ra que seu di­rei­to à ma­ter­ni­da­de se­ja pre­ser­va­do. Seus fi­lhos dei­xam de ser cri­an­ças no mo­men­to em que sa­em do ven­tre —si­tu­a­ção se­me­lhan­te à dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de es­tu­dos da Uni­ver­si­da­de de Los An­ge­les mos­tram que cri­an­ças pre­tas são per­ce­bi­das co­mo mais ve­lhas do que re­al­men­te são, ao con­trá­rio de cri­an­ças bran­cas. Aqui e lá, são cri­an­ças pri­va­das de in­fân­cia, e que por­tan­to po­dem ser cri­a­das sem mãe.

Res­ta sa­ber se em ca­sa Adri­a­na con­ti­nu­a­rá con­tan­do com a for­ça de tra­ba­lho das du­as ba­bás que fo­ram vis­tas su­bin­do no he­li­cóp­te­ro de Sér­gio Ca­bral qu­an­do ele ain­da era go­ver­na­dor. No fi­nal das con­tas, são mu­lhe­res co­mo elas que mui­tas ve­zes per­dem a opor­tu­ni­da­de de cri­ar seus pró­pri­os fi­lhos, ain­da que não es­te­jam pre­sas, pa­ra cri­ar os fi­lhos de ou­tras —mas des­se ti­po de “par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na” na vi­da do país o pre­si­den­te não fa­la. Pa­ra ter di­rei­to a ser mãe —e à pri­são do­mi­ci­li­ar— é ne­ces­sá­rio, co­mo Adri­a­na, po­der pa­re­cer be­la, re­ca­ta­da e do lar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.