‘B.O.’ de Lam­pião vai vi­rar pe­ça de mu­seu 80 anos de­pois de cri­mes no RN

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - RE­NA­TA MOU­RA

CO­LA­BO­RA­ÇÃO PA­RA A FOLHA, EM NA­TAL

Uma folha de pa­pel ama­re­la­da e de as­pec­to que­bra­di­ço re­gis­tra, no Rio Gran­de do Nor­te, 55 no­mes sob a al­cu­nha que ater­ro­ri­za­va o ser­tão: o gru­po de Lam­pião.

Os can­ga­cei­ros são par­te do ban­do sus­pei­to de ma­tar, sa­que­ar e pro­vo­car des­trui­ção em áre­as da zo­na ru­ral po­ti­guar e tam­bém de Per­nam­bu­co, Pa­raí­ba, Ce­a­rá, Ala­go­as, Bahia e Ser­gi­pe, en­tre as dé­ca­das de 1920 e 1940.

No Rio Gran­de do Nor­te, on­de a in­cur­são com­ple­ta 80 anos em ju­nho, a folha de pa­pel que lis­ta os in­te­gran­tes do gru­po foi acha­da por aca­so no Ins­ti­tu­to Téc­ni­co-Ci­en­tí­fi­co de Pe­rí­cia do Es­ta­do e fa­rá par­te de exi­bi­ção nes­te ano.

“Va­mos mon­tar uma sa­la his­tó­ri­ca que tam­bém te­rá ou­tros re­gis­tros civis e cri­mi­nais do ór­gão, as­sim co­mo máquinas e equi­pa­men­tos usa­dos por pe­ri­tos”, diz Ti­a­go Ta­deu San­tos de Araú­jo, che­fe de ga­bi­ne­te do Ins­ti­tu­to e res­pon­sá­vel por reu­nir o acer­vo.

O do­cu­men­to re­la­ci­o­na­do a Lam­pião, se­gun­do ele, es­ta­va ar­qui­va­do em uma sa­la do Itep e veio à to­na qu­an­do Araú­jo bus­ca­va his­tó­ri­as de “pes­so­as pro­e­mi­nen­tes”, em no­vem­bro do ano pas­sa­do. “Acre­di­ta­mos que se­ja par­te de um pro­ces­so contra o ban­do que não ha­via re­ce­bi­do tra­ta­men­to his­tó­ri­co an­tes.”

Ar­ma­ze­na­do den­tro de uma pas­ta, o arquivo es­ta­va clas­si­fi­ca­do co­mo pron­tuá­rio aber­to em 29 de abril de 1940, com o tí­tu­lo “O gru­po de Lam­pião”. O tex­to re­la­ci­o­na, à mão, no­mes ou ape­li­dos de 55 can­ga­cei­ros. “Vir­go­li­no Ferreira, vul­go Lam­pião” é o pri­mei­ro da lis­ta.

O do­cu­men­to se­ria jun­ta­do a um ofí­cio do juiz da Co­mar­ca de Pau dos Fer­ros —ci­da­de a 400 km de Na­tal— “e re­me­ti­do ao se­nhor co­ro­nel che­fe de po­lí­cia”.

Os 55 ho­mens ci­ta­dos apa­re­cem ao fi­nal do tex­to “pro­nun­ci­a­dos pe­lo juiz co­mo in­cur­sos nas pe­nas do ar­ti­go 294 da Con­so­li­da­ção das leis Pe­nais, e do ar­ti­go 356, da mes­ma con­so­li­da­ção”. Na prá­ti­ca, sig­ni­fi­ca que ma­ta­ram e sub­traí­ram “pa­ra si ou pa­ra ou­trem cou­sa alheia mó­vel, fa­zen­do vi­o­lên­cia à pes­soa ou em­pre­gan­do for­ça”. SEM LEI Não era co­mum ha­ver de­nún­ci­as, de­poi­men­tos ou pro­ces­sos contra Lam­pião e seu ban­do, diz o his­to­ri­a­dor Fre­de­ri­co Per­nam­bu­ca­no de Mel­lo, au­tor dos li­vros “Guer­rei­ros do Sol – Vi­o­lên­cia e ban­di­tis­mo no Nor­des­te do Bra­sil” e “Es­tre­las de Cou­ro: a Es­té­ti­ca do Can­ga­ço”.

“Exer­ci­am do­mi­na­ção por meio do ter­ror, en­tão o nú­me­ro de pro­ces­sos é re­la­ti­va­men­te pe­que­no qu­an­do com­pa­ra­do à quan­ti­da­de dos cri­mes.”

Se­gun­do o li­vro “A Mar­cha de Lam­pião, As­sal­to a Mos­so­ró”, es­sa in­cur­são reu­niu 75 ho­mens em uma vi­a­gem de 400 quilô­me­tros en­tre 10 e 13 de ju­nho de 1927. Ao lon­go do per­cur­so, eles in­va­di­ram fa­zen­das, rou­ba­ram ani­mais, joi­as e di­nhei­ro, pra­ti­ca­ram atos de van­da­lis­mo, pro­vo­ca­ram in­cên­di­os, tor­tu­ra­ram, se­ques­tra­ram e ma­ta­ram.

A jor­na­da do gru­po em ter­ri­tó­rio po­ti­guar só ter­mi­nou em Mos­so­ró, on­de pla­ne­ja­vam roubar o Ban­co do Bra­sil e o que mais con­se­guis­sem pa­ra di­vi­dir lu­cros com co­ro­néis que pa­tro­ci­na­vam seus atos. Eles aca­ba­ram, no en­tan­to, ex­pul­sos da ci­da­de e se­gui­ram pa­ra o Ce­a­rá.“Foi uma mis­são mui­to cru­el, que dei­xou mar­cas pro­fun­das no ima­gi­ná­rio do ho­mem do ser­tão”, diz o his­to­ri­a­dor Fre­de­ri­co Per­nam­bu­ca­no de Mel­lo.

Lam­pião mor­reu em 1938. E “o can­ga­ço de gran­de fei­tio”, diz Mel­lo, aca­bou em 1940, mes­mo ano em que foi es­cri­ta à mão a re­la­ção de no­mes dos can­ga­cei­ros que co­me­te­ram cri­mes no RN.

Re­na­ta Mou­ra/Fo­lha­press

Lis­ta de mem­bros do gru­po acha­da no Ins­ti­tu­to Téc­ni­co-Ci­en­tí­fi­co de Pe­rí­cia do RN; do­cu­men­to de­via ser par­te de pro­ces­so contra Lam­pião no RN

Reprodução

Aci­ma, fo­to­gra­fia de 1922 mos­tra o gru­po de Lam­pião; abai­xo, ca­be­ças do ban­do na Pre­fei­tu­ra de Pi­ra­nhas (AL)

Ge­né­sio Gonçalves de Li­ma/Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.