Com um car­taz que di­zia “Mi­nho­cão li­vre” no car­ri­nho de be­bê on­de car­re­ga­va sua filha, o ar­qui­te­to Pe­dro Nits­che,

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - JU­LI­A­NA GRAGNANI

DE SÃO PAU­LO

Fa­zia frio e o sol já co­me­ça­va a se pôr qu­an­do um gru­po de pes­so­as co­me­çou uma ca­mi­nha­da em si­lên­cio na tar­de des­te do­min­go (19) no Mi­nho­cão (Ele­va­do João Gou­lart), em São Pau­lo, on­de pe­des­tres e ci­clis­tas pas­se­a­vam.

Eram cer­ca de cem pes­so­as pro­tes­tan­do contra a pos­sí­vel res­tri­ção à cir­cu­la­ção de pes­so­as na via que fi­ca na re­gião cen­tral, co­gi­ta­da pe­la ges­tão João Do­ria (PSDB).

A pre­fei­tu­ra es­tu­da di­mi­nuir o pe­río­do em que os pe­des­tres te­ri­am aces­so à via aos sá­ba­dos e aos do­min­gos.

Ho­je, o Mi­nho­cão fe­cha pa­ra car­ros nos sá­ba­dos às 15h e só re­a­bre às se­gun­das. Se­gun­do a pro­pos­ta, a via só fi­ca­ria aber­ta pa­ra pe­des­tres aos sá­ba­dos das 15h30 às 19h e aos do­min­gos das 10h às 16h. O lo­cal abre pa­ra pe­des­tres tam­bém du­ran­te a se­ma­na à noi­te, a par­tir das 21h30.

Se­gun­do a pro­pos­ta, o es­pa­ço uti­li­za­do fi­ca­ria mais cur­to –só 1,5 km dos 3,5 km do Mi­nho­cão.

A mu­dan­ça se­gue o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que abriu pro­ce­di­men­to so­bre o uso do lo­cal por pe­des­tres. O pro­mo­tor Cé­sar Mar­tins, res­pon­sá­vel pe­lo ca­so, dis­se à co­lu­na “Mô­ni­ca Ber­ga­mo”, da Folha, que as me­di­das bus­cam pro­te­ger os fre­quen­ta­do­res e di­mi­nuir o incô­mo­do de mo- ra­do­res do en­tor­no.

O pro­tes­to des­te do­min­go (19) foi or­ga­ni­za­do pe­la as­so­ci­a­ção Par­que Mi­nho­cão, que de­fen­de que a via fun­ci­o­ne co­mo uma área de la­zer. Já ou­tros mo­ra­do­res do en­tor­no, que for­mam o mo­vi­men­to Des­mon­te do Mi­nho­cão, di­zem que sua aber­tu­ra pa­ra pe­des­tres fe­re a saú­de e a se­gu­ran­ça dos vi­zi­nhos e de­fen­dem sua de­mo­li­ção. ES­PA­ÇO DE LA­ZER 41, ca­mi­nha­va di­zen­do que São Pau­lo tem a “opor­tu­ni­da­de de ter um par­que, um es­pa­ço de la­zer a mais” e, por is­so, “não po­de fe­chá-lo”.

Pa­ra o ar­qui­te­to Fe­li­pe Ro­dri­gues, 27, da as­so­ci­a­ção Par­que Mi­nho­cão, o es­pa­ço é “o úni­co de la­zer” que tem co­mo mo­ra­dor do en­tor­no. “Res­trin­gir se­ria um re­tro­ces­so. E a de­mo­li­ção não ge­ra­ria na­da pa­ra a ci­da­de, por­que a prá­ti­ca do es­por­te e do la­zer não se­ria as­se­gu­ra­da.”

Com gri­tos pon­tu­ais co­mo “o Mi­nho­cão é nos­so” e “vem pra rua”, o si­lên­cio era rom­pi­do por ma­ni­fes­tan­tes de qu­an­do em qu­an­do.

Ves­ti­dos co­mo três por­qui­nhos, três ato­res que apre­sen­ta­vam um es­pe­tá­cu­lo ins­pi­ra­do na his­tó­ria in­fan­til —adap­tan­do-a pa­ra trans­mi­tir uma men­sa­gem de “di­rei­to à ci­da­de e mo­ra­dia”, se­gun­do o ator Caio Fran­zo­lin, 31—, in­ter­rom­pe­ram a pe­ça pa­ra de­mons­trar apoio ao pro­tes­to. “Es­se é um es­pa­ço de en­con­tros. Pre­ci­sa­mos pro­te­gê-lo”, dis­se o ator.

Nos car­ta­zes, lia-se men­sa­gens co­mo “O Mi­nho­cão é nos­sa praia de as­fal­to, vi­va”, “Não fa­çam o papelão de fe­char o Mi­nho­cão”, “Mi­nho­cão:

Edu­ar­do Ani­zel­li/Fo­lha­press

Cer­ca de cem pes­so­as ca­mi­nha­ram em si­lên­cio na tar­de des­te do­min­go (19), no Mi­nho­cão, contra res­tri­ção a seu aces­so SE­MI­NÁ­RIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.