Ne­ou uma re­for­ma do en­si­no no Rei­no Uni­do. Ao to­do, cer­ca de mil re­pre­sen­tan­tes par­ti­ci­pa­ram do even­to.

Folha De S.Paulo - - Cotidiano -

em ou­tro de trei­na­men­to pa­ra o uso de cai­a­ques, o que po­de­ria re­du­zir o iso­la­men­to do po­vo­a­do.

A en­tre­ga da ho­me­na­gem ocor­reu após o Fó­rum Glo­bal de Edu­ca­ção e Com­pe­tên­ci­as (Glo­bal Edu­ca­ti­on and Skills Fo­rum), que se pro­põe a ser uma es­pé­cie de Da­vos da área, com a par­ti­ci­pa­ção de es­pe­ci­a­lis­tas e au­to­ri­da­des — a exem­plo de Ar­ne Dun­can, ex-se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção de Ba­rack Oba­ma, e Mi­cha­el Go­ve, que ca­pi­ta- O BRA­SIL NO ‘OS­CAR’ Com mais de 20 mil ins­cri­tos em sua ter­cei­ra edi­ção, o prê­mio re­ce­bi­do por Mag­gie tam­bém le­vou pe­la pri­mei­ra vez um bra­si­lei­ro pa­ra a fi­nal.

Fi­lho de pais se­mi­a­nal­fa­be­tos, ex-ven­de­dor de pi­co­lé e com ape­nas 26 anos, We­mer­son No­guei­ra da­va au­la até o ano pas­sa­do na re­de pú­bli­ca das ci­da­des de Boa Es­pe­ran­ça e No­va Ve­né­cia, am­bas no Es­pí­ri­to San­to.

Ele che­gou ao gru­po de dez fi­na­lis­tas com pro­je­tos li­ga­dos à tra­gé­dia que as­so­lou o rio Do­ce em 2015, após o rom­pi­men­to de uma bar­ra­gem em Ma­ri­a­na (MG).

Mai­or de­sas­tre am­bi­en­tal já cau­sa­do por re­jei­tos de mi­né­rio, o aci­den­te pro­vo­cou uma on­da de la­ma que in­va­diu o rio Do­ce e che­gou a ci­da­des ca­pi­xa­bas.

Pa­ra aju­dar co­mu­ni­da­des ri­bei­ri­nhas, We­mer­son propôs aos alu­nos que de­sen­vol­ves­sem um fil­tro pa­ra pu­ri­fi­car a água. Sob sua ori­en­ta­ção, eles cri­a­ram um equi­pa­men­to à ba­se de pe­dras e areia que tor­nou a água ap­ta ao con­su­mo do­més­ti­co. Por meio de par­ce­ri­as, mais de 200 apa­re­lhos fo­ram de­sen­vol­vi­dos.

“É um exem­plo in­crí­vel pa­ra to­dos os paí­ses, es­pe­ci­al­men­te os que têm pou­cos re­cur­sos”, dis­se o pro­fes­sor es­pa­nhol David Cal­le, tam­bém fi­na­lis­ta do prê­mio e um dos mais en­tu­si­as­ma­dos com a pa­les­tra do bra­si­lei­ro.

A tra­gé­dia de Ma­ri­a­na tam­bém ser­viu de pon­to de par­ti­da pa­ra uma au­la de quí­mi­ca: por meio de aná­li­ses dos ele­men­tos en­con­tra­dos na água do Rio Do­ce após o aci­den­te, o pro­fes­sor aju­dou a en­si­nar os ele­men­tos da ta­be­la pe­rió­di­ca.

Nos co­lé­gi­os em que atu­ou, tra­ba­lhou tam­bém com pro­je­tos de cons­ci­en­ti­za­ção so­bre o uso de dro­gas, com a ela­bo­ra­ção, pe­los alu­nos, de car­ta­zes dis­tri­buí­dos pe­la ci­da­de.

Nes­te ano, We­mer­son mu­dou-se pa­ra Vi­tó­ria, on­de dá au­las em cur­sos de for­ma­ção de pro­fes­so­res.

Uma das ra­zões pa­ra a es­co­lha foi o sa­lá­rio: por 12 ho­ras de au­la, mais dois di­as vol­ta­dos a pes­qui­sas, ga­nha mais do que re­ce­bia pa­ra le­ci­o­nar no en­si­no bá­si­co — eram R$ 1.500 pa­ra uma jor­na­da de 25 ho­ras, que ele por ve­zes do­bra­va pa­ra con­se­guir pa­gar as con­tas.

A va­lo­ri­za­ção do pro­fes­sor, não por aca­so, é uma de su­as ban­dei­ras pa­ra a me­lho­ria da edu­ca­ção no Bra­sil. “So­mos nós que for­ma­mos to­dos os ou­tros pro­fis­si­o­nais”, diz ele na ri­ca Du­bai, em even­to que te­ve show do te­nor An­drea Bo­cel­li, ma­car­rão fei­to em má­qui­na de im­pres­são 3D, imi­ta­ção do Car­na­val de Ve­ne­za e ou­tras atra­ções. Foi sua pri­mei­ra vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal.

Mes­mo sem o prê­mio, We­mer­son dei­xa Du­bai com con­vi­tes pa­ra pa­les­tras em Por­tu­gal, Es­pa­nha, Es­ta­dos Uni­dos, Aus­trá­lia e mui­tos pla­nos.

“Que­ro apren­der in­glês e atu­ar na re­de mu­ni­ci­pal e es­ta­du­al com o de­sen­vol­vi­men­to de me­to­do­lo­gi­as ino­va­do­ras’, diz. “Es­tá sen­do um or­gu­lho re­pre­sen­tar o Bra­sil e mos­trar que, mes­mo com nos­sos pro­ble­mas de es­tru­tu­ra, po­de­mos ter ex­ce­lên­cia. O país precisa in­ves­tir em edu­ca­ção”, diz We­mer­son.

AN­GE­LA PI­NHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.