Pa­ra ma­tar a sau­da­de

Folha De S.Paulo - - Esporte - JUCA KFOURI COLUNAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Juca Kfouri e PVC, quar­ta: Tos­tão, quin­ta: Juca Kfouri, sá­ba­do: Ma­ri­liz Pe­rei­ra Jor­ge, do­min­go: Juca Kfouri, PVC e Tos­tão

SE VO­CÊ não sa­be, sai­ba: em meio a Dér­bis, Cho­ques-Reis, Ma­jes­to­sos, o em­ba­te en­tre San­tos e Pal­mei­ras é cha­ma­do de Clás­si­co da Sau­da­de, ho­me­na­gem aos jo­gos dos anos 1950/60, qu­an­do santistas e pal­mei­ren­ses fa­zi­am os me­lho­res jo­gos de São Pau­lo, dos me­lho­res do Bra­sil. Pois o de on­tem es­te­ve à al­tu­ra. Se fal­ta­ram gols em pro­fu­são não foi por ne­nhum de­fei­to, ao con­trá­rio, foi por qua­li­da­de, pe­la fe­li­ci­da­de da noi­te dos dois go­lei­ros, Fer­nan­do Prass e Vla­di­mir que, de fa­to, fi­ze­ram de­fe­sas di­fi­cí­li­mas.

As tra­ves al­vi­ver­des na Vi­la Bel­mi­ro tam­bém co­la­bo­ra­ram du­as ve­zes, nu­ma de­las em pe­ca­do mor­tal, qu­an­do o tra­ves­são evi­tou gol de pla­ca, de le­tra, de Ri­car­do Oli­vei­ra.

Os deu­ses do fu­te­bol pa­re­ci­am es­tar de brin­ca­dei­ra ao im­pe­dir que saís­sem gols num jo­go tão bom.

Di­ría­mos, é cer­to, que foi da­que­les 0 a 0 que não me­re­cem crí­ti­cas, mas o gol era ne­ces­sá­rio até sair, dos pés de Ri­car­do Oli­vei­ra, co­mo o San­tos fa­zia mais por me­re­cer.

Co­mo o fu­te­bol é cru­el, 10 mi­nu­tos de­pois, Je­an ba­teu cru­za­do e Vla­di­mir to­cou na bo­la pa­ra em­pa­tar: 1 a 1.

Co­mo é cru­de­lís­si­mo, Wil­li­an vi­rou em mag­ní­fi­ca jo­ga­da de Ró­ger Gu­e­des.

O me­lhor de tu­do é ver, no Bra­sil, um jo­go sem ne­nhum per­na de pau, em que nin­guém mal­tra­ta a bo­la.

O Clás­si­co da Sau­da­de não dei­xou sau­da­de dos me­lho­res tem­pos de nos­so fu­te­bol e dei­xa sau­da­des até o pró­xi­mo, por­que, co­mo nas dé­ca­das de 50/60, e sem com­pa­ra­ções por­que se­ria co­var­dia, San­tos e Pal­mei­ras têm dois dos me­lho­res ti­mes do país.

É pro­vá­vel que vol­tem a se en­con­trar ain­da no Pau­lis­ti­nha, quem sa­be na Li­ber­ta­do­res, na Co­pa do Bra­sil e, cer­ta­men­te, du­as ve­zes no Bra­si­lei­ro.

O san­tis­ta es­tá tris­te, o Pal­mei­ren­se eu­fó­ri­co.

Quem não é nem uma coi­sa nem ou­tra, fe­liz da vi­da com o jo­ga­ço que viu. DO­EN­TES DO PÉ O co­rin­ti­a­no di­rá que seu ti­me per­deu pa­ra a Fer­ro­viá­ria, ex-lan­ter­na do Pau­lis­ti­nha, por­que so­freu um gol ir­re­gu­lar o que, na ba­ta­ta, es­tá cer­to.

Mas o ex-lí­der do cam­pe­o­na­to per­deu por­que a pon­ta­ria de seus ata­can­tes é mi­se­rá­vel e qu­an­do não chu­tam pa­ra fo­ra ou por ci­ma, con­sa­gram go­lei­ros ao chu­tar em ci­ma de­les.

Fa­zer ape­nas no­ve gols em no­ve jo­gos num tor­neio do ní­vel do Es­ta­du­al de­ve ser o su­fi­ci­en­te pa­ra se pre­o­cu­par, e mui­to, com o fu­tu­ro. RUINS DA CABEÇA Que o ti­me do São Pau­lo es­tá lon­ge de ser um gran­de ti­me é ób­vio. Mas Ro­gé­rio Ce­ni vi­nha con­se­guin­do fa­zê-lo jo­gar com al­ti­vez e, al­gu­mas ve­zes, bri­lho.

A trau­li­ta­da im­pos­ta pe­lo Pal­mei­ras no Cho­que-Rei pa­re­ce ter me­xi­do no emo­ci­o­nal do gru­po que fez du­as pe­no­sas apre­sen­ta­ções contra o ABC e o Itu­a­no, a pon­to de lem­brar a apa­tia do ano pas­sa­do.

O elen­co precisa tam­bém de uma boa te­ra­pia.

San­tos e Pal­mei­ras dis­pu­ta­ram um clás­si­co des­ses de fa­zer a ale­gria de quem gos­ta de bom fu­te­bol

TES­TE Quem é pi­or: a pa­tro­ci­na­do­ra do Pal­mei­ras, Lei­la Pe­rei­ra, que sa­be não ter tem­po co­mo só­cia do clu­be pa­ra ser elei­ta con­se­lhei­ra e ame­a­çou os 33 le­gí­ti­mos con­se­lhei­ros que vo­ta­ram por sua im­pug­na­ção ou o no­vo co­man­dan­te da PM pau­lis­ta, Ni­val­do Res­ti­vo, que dis­se ter si­do “le­gí­ti­ma e ne­ces­sá­ria” a ação que re­sul­tou no “Mas­sa­cre do Ca­ran­di­ru” ou, fi­nal­men­te, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Os­mar Ser­ra­glio, que cha­mou de “gran­de che­fe” o lí­der da qua­dri­lha da “Carne Fra­ca”?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.