Que ti­po de hips­ter vo­cê é?

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - GREGORIO DUVIVIER

O HIPS­TER pi­o­nei­ro che­gou aqui an­tes de vo­cê. An­tes de to­do o mun­do. Ago­ra que vo­cê já co­me­çou a fre­quen­tar, e jun­to com vo­cê a “Ve­ji­nha”, e as blo­guei­ras, e os glo­bais, is­so aqui des­ca­rac­te­ri­zou. Mas qu­an­do ele co­me­çou a vir, is­so aqui era true. Só vi­nha o pessoal do bair­ro, mes­mo. Não, ele não é do bair­ro. Mas já vi­nha. Era o úni­co.

O hips­ter des­co­nec­ta­do des­co­briu que a gen­te é es­cra­vo da tec­no­lo­gia, en­tão saiu de to­das re­des so­ci­ais, mas vi­ve pe­din­do o seu te­le­fo­ne em­pres­ta­do pra mandar um whats. Te­ve cri­se de abs­ti­nên­cia fo­ra do fa­ce e cri­ou um per­fil fa­ke só pra con­fir­mar que não tá per­den­do na­da. Des­de en­tão, en­tra to­do dia só pra ter cer­te­za. “Aqui­lo é uma per­da de tem­po”.

O hips­ter de hash­tag cos­tu­ma cri­ti­car qual­quer mo­vi­men­to da in­ter­net por­que, afi­nal de con­tas, é só um mo­vi­men­to de in­ter­net —diz ele na in­ter­net. A gen­te tem que fa­lar pra fo­ra da bo­lha —diz ele pra pró­pria bo­lha. A gen­te tem que pa­rar de fa­zer ati­vis­mo de so­fá —pos­ta ele, sen­ta­do no so­fá.

O hips­ter do so­fri­men­to co­nhe­ce sem­pre al­guém que tá so­fren­do mais que vo­cê. “Ta­di­nha, vo­cê acha que ser mu­lher no Bra­sil é di­fí­cil? Ex­pe­ri­men­te no Su­dão.”

O hips­ter da mú­si­ca cha­ma dis­co de ál­bum e já não gos­ta mais de vi­nil por­que to­do o mun­do pas­sou a gos­tar, daí per­deu a gra­ça. Ho­je em dia, só ou­ve fi­ta cas­se­te. Tá re­des­co­brin­do os anos 1990 e en­con­trou uma fi­ta do Ven­ga­boys que é uma re­lí­quia. “Que ál­bum!”.

O hips­ter da sé­rie bu­fa qu­an­do vo­cê per­gun­ta se ele gos­tou de “Nar­cos” —só as­sis­tiu a ver­são co­lom­bi­a­na. A úl­ti­ma sé­rie ame­ri­ca­na que as­sis­tiu foi “Twin Pe­aks”. “The Of­fi­ce”, só viu o in­glês, “In Tre­at­ment”, só o is­ra­e­len­se —bai­xa­dos por um es­que­ma com­pli­ca­dís­si­mo que en­vol­ve mu­dar o IP pra Co­reia do Nor­te.

O hips­ter da ami­za­de é mui­to mais ami­go dos seus ami­gos que vo­cê. Seu ami­go Fa­bio pra ele é o Fa­bi­nho, ca­sa­do com a Bi, fi­lho da Ma­má, a fa­mo­sa Tia Ma­má, co­mo as­sim vo­cê não co­nhe­ce a Tia Ma­má? Faz um bo­bó ma­ra­vi­lho­so.

O hips­ter da po­lí­ti­ca acha que a di­rei­ta aca­bou e a es­quer­da nun­ca exis­tiu. Sa­be que o im­pe­a­ch­ment foi uma far­sa mas se re­cu­sa a em­bar­car na nar­ra­ti­va do gol­pe. Cri­ti­ca a po­la­ri­za­ção, mas não se diz um isen­tão, afi­nal tu­do não pas­sa de sig­ni­fi­can­tes va­zi­os. A so­lu­ção? Cri­ar um en­tre-lu­gar pa­ra pós-nar­ra­ti­vas que des­pos­si­bi­li­tem um não-dis­cur­so pós-des­po­la­ri­zan­te.

O hips­ter dos hips­ters faz uma lis­ta dos ti­pos de hips­ters sem per­ce­ber que is­so é uma coi­sa meio hips­ter, daí se in­clui no fi­nal.

Qu­an­do ele co­me­çou a vir, is­so aqui era true. Só vi­nha o pessoal do bair­ro, mes­mo. Não, ele não é do bair­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.