Na tor­men­ta

Gra­va­ção de con­ver­sa de Temer com em­pre­sá­rio da JBS, in­con­clu­si­va, pro­duz uma cri­se de go­ver­na­bi­li­da­de de des­fe­cho im­pre­vi­sí­vel

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Com ra­pi­dez ver­ti­gi­no­sa, abriu­se, des­de a noi­te des­ta quar­ta (17), uma cri­se po­lí­ti­ca de con­tor­nos ain­da in­cer­tos, a pôr ins­tan­ta­ne­a­men­te sob sus­pei­ta o com­por­ta­men­to do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Foi es­se o im­pac­to ini­ci­al das de­cla­ra­ções atri­buí­das ao pre­si­den­te da JBS, Jo­es­ley Ba­tis­ta, pe­las quais te­ria ha­vi­do in­ter­ven­ção di­re­ta de Mi­chel Temer (PMDB) no sen­ti­do de im­pe­dir re­ve­la­ções com­pro­me­te­do­ras de Edu­ar­do Cu­nha, ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Pe­los re­la­tos que vi­e­ram a pú­bli­co, gra­va­ções fei­tas pe­lo em­pre­sá­rio ates­ta­vam a dis­po­si­ção de Temer em con­sen­tir com pa­ga­men­tos a Cu­nha, pa­ra que es­te man­ti­ves­se o seu si­lên­cio.

O con­teú­do do áu­dio veio a ser di­vul­ga­do no dia se­guin­te. Cer­ta­men­te con­fi­den­ci­al e si­bi­li­na, a con­ver­sa não pa­re­ce to­da­via cons­ti­tuir a de­vas­ta­do­ra pe­ça de evi­dên­cia que se ima­gi­na­va ini­ci­al­men­te.

“Tem­de­man­te­ris­so,viu?”, dis­se o pre­si­den­te ao em­pre­sá­rio, no que se in­ter­pre­tou co­mo um be­ne­plá­ci­to aos pa­ga­men­tos des­ti­na­dos a Cu­nha. Ou­vin­do-se a gra­va­ção, as cir­cuns­tân­ci­as não se de­li­nei­am com tal cla­re­za.

O do­no da JBS afir­ma­va “es­tar de bem com o Edu­ar­do”, lo­go an­tes da fra­se pro­nun­ci­a­da por Temer —a qual, em te­se, po­de tanto ser en­ten­di­da ape­nas co­mo um inó­cuo as­sen­ti­men­to, ei­va­do de cau­te­la, quan­to co­mo a apro­va­ção de al­gu­ma ili­ci­tu­de sis­te­má­ti­ca.

De­cer­to não con­vém a um man­da­tá­rio ser fla­gra­do em tra­ta­ti­vas am­bí­guas com um em­pre­sá­rio sob in­ves­ti­ga­ção —que che­ga a men­ci­o­nar in­for­ma­ções ob­ti­das por meio de um pro­cu­ra­dor.

Do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co, po­rém, o epi­só­dio re­sul­ta por en­quan­to in­con­clu­si­vo, de­pen­den­do de evi­dên­ci­as com­ple­men­ta­res.

Tal im­pres­são se re­for­ça di­an­te do pro­nun­ci­a­men­to do pró­prio pre­si­den­te, ne­gan­do em ter­mos in­ci­si­vos as sus­pei­tas que o cer­ca­ram.

Do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, a sus­ten­ta­ção ao Pla­nal­to de­te­ri­o­rou-se ra­pi­da­men­te. Um cli­ma de pas­mo e pâ­ni­co to­mou con­ta dos par­ti­dos ali­a­dos, com um mi­nis­tro apre­sen­tan­do sua de­mis­são e ou­tros co­gi­tan­do tal ati­tu­de. Pe­di­dos de im­pe­a­ch­ment se acu­mu­lam na Câ­ma­ra, e pro­tes­tos in­ci­pi­en­tes ga­nha­ram as ru­as dos gran­des cen­tros.

A si­tu­a­ção se com­pli­ca com ou­tras gra­va­ções, atin­gin­do o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG), já afas­ta­do da pre­si­dên­cia de seu par­ti­do e do seu car­go pú­bli­co.

Um go­ver­no frá­gil de nas­cen­ça, aco­me­ti­do pe­lo ca­rá­ter po­lê­mi­co do pro­ces­so ju­rí­di­co-po­lí­ti­co que o cons­ti­tuiu, e com ní­veis bai­xís­si­mos de po­pu­la­ri­da­de, en­con­tra­se no au­ge da tor­men­ta.

Ur­ge um es­cla­re­ci­men­to mais cé­le­re dos fa­tos, por par­te de to­dos os en­vol­vi­dos, pa­ra que se equa­ci­o­ne a cri­se de go­ver­na­bi­li­da­de em que mer­gu­lhou o país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.