De­mo­cra­cia à ira­ni­a­na

Folha De S.Paulo - - Opinião -

En­quan­to em mui­tas na­ções do mun­do is­lâ­mi­co as elei­ções são jo­gos de car­tas mar­ca­das, em ge­ral a re­bo­que do ditador da oca­sião, no Irã os plei­tos ten­dem a ser com­pe­ti­ti­vos e sem frau­des —a re­e­lei­ção de Mah­moud Ah­ma­di­ne­jad em 2009 pa­re­ce ter si­do a ex­ce­ção.

Nes­ta sex­ta-fei­ra (19), os ira­ni­a­nos irão às ur­nas es­co­lher seu pró­xi­mo pre­si­den­te. O fa­vo­ri­to é o re­for­mis­ta Ha­san Rowha­ni, que ten­ta a re­e­lei­ção. Seu mai­or opo­nen­te é o con­ser­va­dor Ebrahim Rai­si.

A apa­ren­te pro­bi­da­de do pro­ces­so es­tá lon­ge de fazer do Irã uma de­mo­cra­cia ple­na. Só par­ti­ci­pam do su­frá­gio can­di­da­tos chan­ce­la­dos pe­lo Con­se­lho dos Gu­ar­diães, um cor­po de 12 es­pe­ci­a­lis­tas em lei is­lâ­mi­ca li­ga­do ao ai­a­to­lá Ali Kha­me­nei, o lí­der su­pre­mo do país.

Nes­ta elei­ção, o con­se­lho ve­tou 1.630 pos­tu­lan­tes, in­cluin­do to­das as 137 mu­lhe­res que ar­ris­ca­ram uma can­di­da­tu­ra.

Em­bo­ra não pos­sa con­tra­ri­ar aber­ta­men­te o ai­a­to­lá, o can­di­da­to elei­to pos­sui cer­ta mar­gem de ma­no­bra. O pró­prio Rowha­ni con­se­guiu ne­go­ci­ar um acor­do nuclear com o Oci­den­te, ao qual Kha­me­nei se mos­tra­ra crí­ti­co em mais de uma oca­sião.

Con­si­de­ra­da a res­tri­ta la­ti­tu­de pa­ra di­ver­gên­ci­as, são ní­ti­das as di­fe­ren­ças de visões en­tre os dois prin­ci­pais can­di­da­tos. O pre­si­den­te de­fen­de a am­pli­a­ção das li­ber­da­des in­di­vi­du­ais e a aber­tu­ra do país pa­ra o mun­do; Rai­si pre­ga a au­tos­su­fi­ci­ên­cia co­mo ca­mi­nho pa­ra su­pe­rar as di­fi­cul­da­des econô­mi­cas.

Rowha­ni con­ta com o apoio dos jo­vens e da po­pu­la­ção ur­ba­na, en­quan­to seu opo­nen­te é mais for­te no in­te­ri­or e en­tre os mais re­li­gi­o­sos. Kha­me­nei não che­gou a apoi­ar Rai­si ex­pli­ci­ta­men­te, mas dei­xou cla­ro que ele tem sua sim­pa­tia.

A eco­no­mia, co­mo sem­pre, se­rá um fa­tor de­ci­si­vo. Quan­do Rowha­ni as­su­miu o go­ver­no, em 2013, san­ções in­ter­na­ci­o­nais ha­vi­am pos­to o país em for­te re­ces­são, com in­fla­ção na ca­sa dos 35%.

Com o acor­do nuclear, que le­vou à re­ti­ra­da das res­tri­ções de­ter­mi­na­das pe­la ONU, o país vol­tou a ven­der pe­tró­leo nos mer­ca­dos le­gais. A eco­no­mia cres­ceu 6,5% em 2016, e a in­fla­ção caiu pa­ra um dí­gi­to.

Ape­sar dos bons in­di­ca­do­res, pe­sa con­tra o pre­si­den­te a cres­cen­te frus­tra­ção dos ira­ni­a­nos, uma vez que as me­lho­ri­as fi­ca­ram em gran­de par­te res­tri­tas ao se­tor pe­tro­lí­fe­ro, do qual gran­des con­tin­gen­tes po­pu­la­ci­o­nais es­tão ex­cluí­dos.

O mai­or ris­co pa­ra Rowha­ni —e pa­ra os in­te­res­ses do Oci­den­te— é um se­gun­do tur­no no qual te­ria con­tra si a união de to­das as for­ças con­ser­va­do­ras do país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.