Temer é ví­ti­ma de uma cons­pi­ra­ção

Folha De S.Paulo - - Poder Coelhofsp@uol.com.br - REI­NAL­DO AZE­VE­DO

PESQUISEM A eti­mo­lo­gia da pa­la­vra “cons­pi­ra­ção”. Lá es­tá o ver­bo “spi­i­ro”, que sig­ni­fi­ca “so­prar”, “res­pi­rar”, mas tam­bém “emi­tir um odor”. A cons­pi­ra­ção, en­tão, é uma teia de so­pros, res­pi­ros e odo­res su­bal­ter­nos. Me­ta­fo­ri­ca­men­te, é o co­chi­cho das som­bras. Ce­cí­lia Mei­re­les sou­be tra­ba­lhar tal ori­gem no seu mag­ní­fi­co “Ro­man­cei­ro da In­con­fi­dên­cia”. Pesquisem a res­pei­to.

É cla­ro que o pre­si­den­te Mi­chel Temer es­tá sen­do ví­ti­ma de uma cons­pi­ra­ção me­ti­cu­lo­sa e mui­to bem-su­ce­di­da. To­dos sa­bem que os ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta eram ín­ti­mos e gran­des be­ne­fi­ciá­ri­os do re­gi­me pe­tis­ta. Aliás, da­va­se de ba­ra­to: que­rem pe­gar o PT? En­tão pe­guem a JBS. A coi­sa ganhou até tra­du­ção po­pu­lar. Que jor­na­lis­ta não foi in­da­ga­do no tá­xi so­bre uma su­pos­ta fa­zen­da de Lu­li­nha, em so­ci­e­da­de com a JBS? Que se sai­ba, tu­do con­ver­sa mo­le. Nunca hou­ve.

Mas a du­pla caiu na re­de da La­va Ja­to. Os ir­mãos fo­ram as­se­di­a­dos pe­la for­ça-ta­re­fa. Sa­be-se lá com qu­an­tas ame­a­ças. Co­mo não de­vem ter me­mó­ria mui­to lim­pa do que fi­ze­ram nos ve­rões pas­sa­dos, re­sol­ve­ram “co­la­bo­rar”. Mas não com uma de­la­ção pre­mi­a­da no mol­de Mar­ce­lo Ode­bre­cht. Não!

Em­pre­gou-se a tá­ti­ca apli­ca­da no ca­so Sér­gio Ma­cha­do, aque­le que se dispôs a gra­var pei­xões da Re­pú­bli­ca. Com a mes­ma ge­ne­ro­si­da­de. Em tro­ca, os fi­lhos de Ma­cha­do nem pro­ces­sa­dos fo­ram. O cri­mi­no­so pe­gou dois anos e três me­ses de ca­deia em sua man­são, em For­ta­le­za.

Aos ir­mãos Ba­tis­ta se ofe­re­ceu ain­da mais: “En­tre­guem o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ape­lan­do a uma con­ver­sa in­du­zi­da, gra­va­da de for­ma clan­des­ti­na. Fa­çam o mes­mo com o prin­ci­pal lí­der da opo­si­ção, e vo­cês nem pre­ci­sa­rão fi­car no Bra­sil, sen­tin­do o odor des­sa po­bra­da, que vai pa­gar o pa­to. Nós os con­de­na­re­mos a mo­rar em apar­ta­men­to de bi­li­o­ná­rio em No­va York. Im­pu­ni­da­de nunca mais!” Que­rem sa­ber? Sim, sou gra­to ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e à tal for­ça-ta­re­fa. Oh, sim, tam­bém pe­los re­le­van­tes ser­vi­ços pres­ta­dos no com­ba­te à cor­rup­ção. Lem­bran­do o ci­ne­as­ta Ber­to­luc­ci, sob o pre­tex­to de ca­çar ta­ra­dos, vo­cês ain­da che­gam ao fas­cis­mo, va­len­tes! Avan­te, “gi­o­vi­nez­za, gi­o­vi­nez­za,/ Primavera di bel­lez­za/ (...)/ Per Ja­not, Dal­lag­nol, la mos­tra Pa­tria bel­la”.

Sim, sou gra­to a to­dos os Tor­que­ma­das e Sa­vo­na­ro­las da po­lí­ti­ca por­que ad­mi­tem, na prá­ti­ca, ago­ra sem nes­ga pa­ra con­tes­ta­ção, que eu es­ta­va cer­to. Os pro­cu­ra­do­res têm um pro­je­to de po­der e es­tão des­ti­na­dos a re­fun­dar a Re­pú­bli­ca. E, por ób­vio, seu viés é de na­tu­re­za re­vo­lu­ci­o­ná­ria, não re­for­mis­ta. Em re­cen­te pre­fá­cio que es­cre­veu, o juiz Ser­gio Mo­ro al­can­çou vo­os con­do­rei­ros: ha­ve­rá dor.

Sim, sou gra­to a es­ses pa­tri­o­tas por­que, quan­do afir­mei, há me­ses, que a di­rei­ta xu­cra es­ta­va se jun­tan­do a al­guns por­ras-lou­cas, com po­der de po­lí­cia, pa­ra de­vol­ver o po­der às es­quer­das, al­guns ten­ta­ram me ta­char de ma­lu­co. Per­di ami­gos —não por ini­ci­a­ti­va mi­nha. E, no en­tan­to, tu­do es­tá aí, cla­ro co­mo a luz do dia.

En­tão va­mos ver. O pre­si­den­te Mi­chel Temer dis­se que não re­nun­cia. Sim, ele é um po­lí­ti­co, é há­bil, é cons­ci­en­ci­o­so e cer­ta­men­te sa­be­rá ava­li­ar, de for­ma cri­te­ri­o­sa, as cir­cuns­tân­ci­as. Es­tas são sem­pre bo­as con­se­lhei­ras dos pru­den­tes. Co­mo ele pró­prio lem­brou, tre­chos de gra­va­ções vêm a pú­bli­co na­que­le que é o me­lhor mo­men­to do go­ver­no.

No bre­ve pro­nun­ci­a­men­to que fez nes­ta quin­ta, Temer su­biu um pou­co o tom —ou o som— que lhe é ha­bi­tu­al. Ha­via uma ir­ri­ta­ção ex­tre­ma, mas con­ti­da (co­mo é de seu fei­tio). A ten­são era ób­via.

O Bra­sil es­tá pron­to pa­ra ser o ter­ri­tó­rio li­vre do sur­re­a­lis­mo ju­rí­di­co.

Ali fa­la­va um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nin­guém me­nos, a ne­gar a re­nún­cia, mas sem sa­ber do que era acu­sa­do. Ti­nha cons­ci­ên­cia, sim, de que o re­la­tor do pe­tro­lão no STF, Ed­son Fa­chin, já ha­via acei­ta­do o pe­di­do de in­ves­ti­ga­ção. Mas ele pró­prio não ti­nha ou­vi­do na­da. O con­teú­do já foi li­be­ra­do.

Ali fa­la­va um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nin­guém me­nos, que lu­ta­va pa­ra não ser re­fém do Ter­ror Ju­rí­di­co em cur­so no país. Sob o pre­tex­to de “cas­sar ta­ra­dos”.

O Bra­sil afun­da, e a es­quer­da dei­ta e ro­la.

Os pro­cu­ra­do­res têm um pro­je­to de po­der e es­tão des­ti­na­dos a re­fun­dar a Re­pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.