Um dia nor­mal de pâ­ni­co e su­jei­ra

Folha De S.Paulo - - Poder - VI­NI­CIUS TOR­RES FREI­RE

O PANIQUITO na fei­ra do mer­ca­do de di­nhei­ro foi hor­rí­vel, mas nor­mal, pa­ra não di­zer es­te­re­o­ti­pa­do. Nem mes­mo ain­da é pos­sí­vel di­zer se a re­a­ção da pra­ça fi­nan­cei­ra foi exa­ge­ra­da ou se ten­de a ser pi­or. Es­se não é nem de lon­ge o mai­or pro­ble­ma econô­mi­co-fi­nan­cei­ro ago­ra.

Os pre­ços e o ta­ma­nho do tu­mul­to na eco­no­mia re­al de­pen­de­rão, ób­vio, de po­lí­ti­ca e, por ta­be­la, da re­a­ção de ban­cos, em­pre­sas e con­su­mi­do­res. Vão de­pen­der da di­men­são do cho­que de con­fi­an­ça cau­sa­do por es­se no­vo des­pe­jo de li­xo po­lí­ti­co so­bre as nos­sas ca­be­ças.

Is­to pos­to, é im­pro­vá­vel que a cri­se po­lí­ti­ca não dê um ta­lho nes­te cres­ci­men­to que ten­dia a ser qua­se es­tag­na­ção nes­te 2017: pa­ra ze­ro.

Sim, no mer­ca­do fi­nan­cei­ro hou­ve va­ri­a­ções de pre­ços iné­di­tas por ve­zes em uma dé­ca­da ou mais, des­de os me­ses de pâ­ni­co com a elei­ção de Lu­la, em 2002. Sim, tais sal­tos po­dem até que­brar al­guém e, no li­mi­te, cau­sar pro­ble­mas em ca­deia, em es­pe­ci­al se du­ram mais de um dia e se não hou­ver me­di­das pro­fi­lá­ti­cas do Ban­co Cen­tral e do Te­sou­ro.

No go­ver­no, en­quan­to du­re, o pla­no é to­car a vi­da. Em pri­mei­ro lu­gar, “dar li­qui­dez” ao mer­ca­do, fazer ne­gó­ci­os no lu­gar de qu­em cor­reu de me­do ou de­ses­pe­ro, com­pran­do e ven­den­do tí­tu­los ou dó­la­res de mo­do que as ta­xas de ju­ros e o câm­bio não dis­pa­rem por fal­ta de ofer­ta ou pro­cu­ra, re­mé­dio nor­mal.

No mais, a ideia é ad­mi­nis­trar a eco­no­mia e ne­go­ci­ar “re­for­mas” co­mo se um me­te­o­ri­to não es­ti­ves­se pa­ra cair nes­ta ter­ra já de­vas­ta­da.

No en­tan­to, o pro­ble­ma es­sen­ci­al é o que so­bre­vi­rá, pois não se sa­be se o go­ver­no se­rá mo­ri­bun­do, zum­bi ou des­co­nhe­ci­do (em ca­so de no­va elei­ção).

A incerteza da re­to­ma­da do cres­ci­men­to por si só já le­va­va ban­cos, em­pre­sas e con­su­mi­do­res ao co­me­di­men­to ou à re­tran­ca. O cré­di­to es­ta­va tra­va­do, os ta­xas de ju­ros nos ban­cos mal caíam; con­su­mi­do­res re­ce­o­sos ou en­di­vi­da­dos não que­ri­am ou con­se­gui­am to­mar em­prés­ti­mos bas­tan­tes. Es­pe­ra­va-se o se­gun­do se­mes­tre.

Ago­ra, a re­a­ni­ma­ção da eco­no­mia ca­tatô­ni­ca foi adi­a­da pa­ra um de­pois per­di­do na né­voa, no me­lhor dos ca­sos. Po­de ser bem pi­or se, por exem­plo, o Ban­co Cen­tral tam­bém en­trar na re­tran­ca, se o câm­bio ex­plo­dir ou, mais plau­sí­vel, não pas­sar re­for­ma al­gu­ma.

Até quar­ta (17), o “mer­ca­do” es­pe­ra­va pa­ra o fim des­te mês que­da de mais 1,25 pon­to per­cen­tu­al na ta­xa de ju­ros “do BC”, na Se­lic, o que se po­de per­ce­ber pe­los pre­ços (ju­ros) dos ne­gó­ci­os no ata­ca­dão de di­nhei­ro. No pi­or mo­men­to do sur­to des­ta quin­ta-fei­ra (18), che­gou-se a fazer ne­gó­cio com a ex­pec­ta­ti­va de que­da de ape­nas 0,25 pon­to per­cen­tu­al —o dia fe­chou em meio pon­to.

Ta­xas de ju­ros de um ano au­men­ta­ram um pon­to per­cen­tu­al, co­men­do qua­se um ter­ço da cam­pa­nha de que­da de ju­ros des­de o fim do ano pas­sa­do. Pa­re­ce pou­co, mas é uma va­ri­a­ção ca­paz de cau­sar per­das imen­sas na pra­ça, no cur­tís­si­mo pra­zo; de travar ne­gó­ci­os, se che­gar de fa­to à pon­ta dos em­prés­ti­mos.

Não se sa­be, po­rém, se va­lo­res de ju­ros, câm­bio e ações es­ta­vam his­té­ri­cos de­vi­do a um mer­ca­do dis­fun­ci­o­nal ou se já em­bu­tem al­ta de ris­co mais du­ra­dou­ra.

Pe­lo me­nos até o jul­ga­men­to da cas­sa­ção da cha­pa Dil­ma-Temer, em 6 de ju­nho, se Temer não cair an­tes, não se­rá pos­sí­vel di­zer gran­de coi­sa do fu­tu­ro ime­di­a­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra, pa­ra o bem ou pa­ra o mal.

Sur­to de pre­ços no mer­ca­do foi o es­pe­ra­do, e um dia não diz gran­de coi­sa; pro­ble­ma é o pre­ço da po­lí­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.