A au­to­a­ju­da me au­to­pre­ju­di­ca

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - RI­CAR­DO ARAÚ­JO PE­REI­RA CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA: sá­ba­do: Jo­sé Si­mão, do­min­go: Mar­cius Me­lhem, se­gun­da: Gregorio Du­vi­vi­er, ter­ça: Jo­sé Si­mão quar­ta: Rei­nal­do Fi­guei­re­do, quin­ta: Jo­sé Si­mão

A FI­LO­SO­FIA ori­en­tal que va­lo­ri­za o si­lên­cio e a qui­e­tu­de não tem, pa­ra mim, na­da de exó­ti­co, uma vez que foi nes­se am­bi­en­te cul­tu­ral que cres­ci. Creio que mi­nha avó era a úni­ca bu­dis­ta mahaya­na de São Mar­ti­nho de Cou­ra. Na ver­da­de, ela não sa­bia que o era, mas evi­den­te­men­te par­ti­lha­va aque­les va­lo­res. As fra­ses que mais ou­vi na in­fân­cia fo­ram “Es­tá sos­se­ga­do um mi­nu­to, por amor de Deus” e “Ó, Ri­car­do, ca­la-te”. Es­tá ali o amor pe­lo si­lên­cio e o elo­gio da qui­e­tu­de com uma in­ten­si­da­de da qual a mai­or par­te dos gu­rus não é ca­paz.

Mas creio que a ra­zão pe­la qual mi­nha avó foi a pes­soa mais im­por­tan­te da mi­nha vi­da é es­ta: ela era uma es­pé­cie de re­ver­so dos li­vros de au­to­a­ju­da. Em vez de “ama-te”, pro­pu­nha: “sê im­pi­e­do­so con­ti­go”. Não com es­sas pa­la­vras. Ti­nha a se­gun­da sé­rie e não era da­da a má­xi­mas. Mas foi a du­re­za de­la que me en­si­nou uma coi­sa pre­ci­o­sa que, pro­va­vel­men­te, hor­ro­ri­za to­dos os pro­fis­si­o­nais da saú­de men­tal: des­va­lo­ri­zar os meus sen­ti­men­tos. Pri­mei­ro, por se­rem sen­ti­men­tos; se­gun­do, por se­rem meus. Pri­mei­ro, por­que a mai­or par­te dos sen­ti­men­tos go­za de um pres­tí­gio que não me­re­ce; se­gun­do, por­que a mi­nha im­por­tân­cia é bas­tan­te re­la­ti­va.

Es­se es­tra­ta­ge­ma emo­ci­o­nal afei­ço­ou-se mui­to bem ao meu ca­rá­ter. Um dia hei-de es­cre­ver um elo­gio do re­cal­ca­men­to, cu­ja má re­pu­ta­ção não com­pre­en­do. Não con­se­gui mui­to na vi­da, mas de­vo tu­do o que ob­ti­ve a uma au­to­es­ti­ma bai­xa. Qu­em se tem em pou­ca con­ta es­for­ça-se mais, des­con­fia de si mes­mo, não per­de de vis­ta a sua in­sig­ni­fi­cân­cia. O me­lhor mo­do de não ser­mos ri­dí­cu­los é man­ter­mos pre­sen­te que so­mos ri­dí­cu­los.

Nor­mal­men­te, é nes­ta al­tu­ra da con­ver­sa que sou acu­sa­do de in­sen­si­bi­li­da­de. O que se pas­sa é o con­trá­rio, acho eu. Acon­te­ce que não sou su­fi­ci­en­te­men­te in­sen­sí­vel pa­ra acei­tar os con­se­lhos que cos­tu­mam vir es­cri­tos nos li­vros de au­to­a­ju­da. Acho a or­dem “ama-te” gro­tes­ca. Es­tou con­ven­ci­do de que is­to do amor não se de­cre­ta. Des­se pon­to de vis­ta, as su­ges­tões “ama o sr. Tei­xei­ra da pa­pe­la­ria” e “ama-te” pa­re­cem-me igual­men­te ab­sur­das. Mes­mo que uma pes­soa te­nha ra­zões pa­ra se amar, creio que a boa edu­ca­ção di­ta­ria que pro­cu­ras­se con­tra­ri­ar es­se im­pul­so sór­di­do.

To­das as car­tas de amor são ri­dí­cu­las, já se sa­be. As mais ri­dí­cu­las de to­das são as que eu es­cre­ve­ria pa­ra mim mes­mo, se mi­nha avó não me ti­ves­se do­ta­do des­sa ca­rac­te­rís­ti­ca tão hi­gi­ê­ni­ca, de­cen­te e fun­da­men­tal num mun­do ci­vi­li­za­do: a ver­go­nha.

O me­lhor mo­do de não ser­mos ri­dí­cu­los é man­ter­mos pre­sen­te que so­mos ri­dí­cu­los

Lui­za Pan­nun­zio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.