Trump de­fen­deu, nes­ta quin­ta, a de­mis­são de Co­mey, re­pe­tin­do que es­pe­ra­va ter ti­do

Folha De S.Paulo - - Mundo -

iní­cio do go­ver­no: “Não. Não. Pró­xi­ma per­gun­ta”.

Na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra (16), o “New York Ti­mes” re­ve­lou que Co­mey es­cre­veu um me­mo­ran­do no qual des­cre­ve o pe­di­do fei­to por Trump pa­ra “dei­xar pa­ra lá” o ca­so de Flynn. Co­mey, que es­ta­va à fren­te da in­ves­ti­ga­ção so­bre os pos­sí­veis elos de as­ses­so­res de Trump com Mos­cou, foi de­mi­ti­do no úl­ti­mo dia 9.

O go­ver­no jus­ti­fi­cou a de­ci­são com ba­se em uma car­ta do vi­ce-se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça, Rod Ro­sens­tein, afir­man­do que o ex-di­re­tor er­rou ao não re­co­men­dar, em 2016, o in­di­ci­a­men­to da ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do Hil­lary Clin­ton pe­lo uso in­de­vi­do de e-mails.

Nu­ma ses­são fe­cha­da no Se­na­do nes­ta quin­ta, no en­tan­to, Ro­sens­tein dis­se que sa­bia que Trump pla­ne­ja­va de­mi­tir Co­mey an­tes mes­mo de es­cre­ver a car­ta apon­tan­do as ra­zões pa­ra sua saí­da. A in­for­ma­ção foi re­ve­la­da por se­na­do­res de­mo­cra­tas aos jor­na­lis­tas.

Ro­sens­tein foi o res­pon­sá­vel por apon­tar o ex-di­re­tor do FBI Ro­bert Mu­el­ler pa­ra ser o con­se­lhei­ro es­pe­ci­al na in­ves­ti­ga­ção so­bre Rús­sia, após in­ten­sa pres­são da opo­si­ção. A de­ci­são do vi­ce-se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça, que não pre­ci­sa do aval da Ca­sa Bran­ca, foi in­for­ma­da a Trump pou­co an­tes de ser anun­ci­a­da à im­pren­sa, na quar­ta.

Se­gun­do Ro­sens­tein, nas atu­ais cir­cuns­tân­ci­as, que se­ri­am “úni­cas”, “o in­te­res­se pú­bli­co exi­ge que eu po­nha a in­ves­ti­ga­ção sob a su­per­vi­são de uma au­to­ri­da­de in­de­pen­den­te”. NO­VO DI­RE­TOR o apoio da opo­si­ção.

“Quan­do to­mei es­sa de­ci­são, achei que se­ria uma de­ci­são bi­par­ti­dá­ria, se vo­cê olhar to­das as pes­so­as do la­do de­mo­cra­ta que di­zi­am coi­sas ter­rí­veis so­bre o di­re­tor Co­mey”, dis­se.

O pre­si­den­te afir­mou que “em mui­to bre­ve” anun­ci­a­rá o no­vo di­re­tor do FBI (po­lí­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na) e que os agen­tes e fun­ci­o­ná­ri­os do ór­gão fi­ca­rão “mui­to, mui­to en­tu­si­as­ma­dos” com o no­me es­co­lhi­do por ele.

Nes­ta quin­ta, a im­pren­sa ame­ri­ca­na di­vul­gou que o no­me mais co­ta­do ho­je é o do ex-se­na­dor por Con­nec­ti­cut Jo­seph Li­e­ber­man, um de­mo­cra­ta que che­gou a dis­pu­tar a elei­ção em 2000 co­mo vi­ce na cha­pa de Al Go­re.

Qu­es­ti­o­na­do se Li­e­ber­man es­ta­va en­tre os fi­na­lis­tas, Trump ape­nas res­pon­deu que “sim”. e tí­tu­los à re­cu­sa de Mi­chel Temer em renunciar.

No ‘FT’ de ter­ça, o ca­der­no ‘Rei­ven­tan­do o Bra­sil’, com anún­cio do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo

Ris­co A “Eco­no­mist”, que a exem­plo do “FT” apos­tou em Temer além do pra­zo de va­li­da­de, pu­bli­cou re­por­ta­gem ain­da em ne­ga­ção, afir­man­do que “é ce­do de­mais pa­ra esperar que o sr. Temer se­ja for­ça­do a sair do car­go”. Já o “Wall Stre­et Jour­nal”, que por me­ses foi mais pre­ca­vi­do, tra­zia co­mo des­ta­que di­gi­tal, na quin­ta: “Mer­gu­lha da mo­e­da bra­si­lei­ra mos­tra ris­co de per­se­guir gran­des re­tor­nos”.

Fim de era A mor­te de Ro­ger Ai­les, fun­da­dor e pre­si­den­te da Fox News até 2016, quan­do ele caiu após a re­ve­la­ção de epi­só­di­os de as­sé­dio se­xu­al, foi anun­ci­a­do pe­lo “Drud­ge Re­port”, an­tes da pró­pria Fox News, des­ta­can­do ser “o fim de uma era”. Ai­les, se­gun­do Drud­ge e ou­tros, pre­pa­ra­va um no­vo ca­nal, ain­da mais à di­rei­ta.

Com­pli­ca­do A re­a­ção mais con­fli­tu­o­sa foi de um ân­co­ra da Fox News, She­pard Smith, que pas­sou 13 mi­nu­tos lem­bran­do o “pa­tri­o­ta” Ai­les, que o tra­ta­va co­mo um fi­lho, mas tam­bém ti­nha “ou­tro la­do”, som­brio. En­cer­rou di­zen­do: “Pa­ra as ví­ti­mas [de Ai­les], res­pei­to e con­for­to. É tu­do tão com­pli­ca­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.