En­tre fun­dos e distritos

No afã de pre­ser­va­rem su­as chan­ces de re­e­lei­ção, os de­pu­ta­dos ame­a­çam vo­tar uma re­for­ma po­lí­ti­ca que so­ma dis­tor­ções ao sis­te­ma

Folha De S.Paulo - - Opinião -

São in­cer­tas, mas não di­mi­nu­tas, as pos­si­bi­li­da­des de que a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ve­nha a apro­var uma pro­pos­ta de re­for­ma po­lí­ti­ca cu­jos pou­cos pon­tos po­si­ti­vos não com­pen­sam o que traz de equi­vo­ca­do e de opor­tu­nis­ta.

Con­so­li­da­do por pe­que­na mai­o­ria de vo­tos em uma co­mis­são es­pe­ci­al da­que­la Ca­sa, o re­la­tó­rio ori­gi­nal­men­te pro­du­zi­do pe­lo deputado Vi­cen­te Cân­di­do (PT-SP) su­ge­re mu­dan­ças constitucionais de re­la­ti­va mon­ta, sem en­tre­tan­to re­sol­ver os as­pec­tos mais no­ci­vos do atu­al sis­te­ma.

O pon­to prin­ci­pal do tex­to —ao me­nos no que diz res­pei­to aos in­te­res­ses dos pró­pri­os po­lí­ti­cos— é a cri­a­ção de um fun­do pú­bli­co pa­ra cus­te­ar as cam­pa­nhas elei­to­rais.

Or­ça­do em R$ 3,6 bi­lhões, vi­ria a so­mar-se às ver­bas já exis­ten­tes do fun­do par­ti­dá­rio (R$ 819 mi­lhões nes­te ano) e aos va­lo­res que, por meio de re­nún­cia fis­cal, são des­ti­na­dos ao pa­ga­men­to do tem­po de pro­pa­gan­da no rá­dio e na TV, in­de­vi­da­men­te co­nhe­ci­do co­mo “ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to”.

Num país que pas­sa por no­tó­ri­as e gra­vís­si­mas di­fi­cul­da­des no pros­se­gui­men­to de pro­gra­mas so­ci­ais e de investimento, a ideia de mul­ti­pli­car as ver­bas à dis­po­si­ção das má­qui­nas par­ti­dá­ri­as só po­de ser re­ce­bi­da com re­pú­dio.

Com­pre­en­de-se, por cer­to, que uma democracia mo­der­na não fun­ci­o­na sem acar­re­tar ele­va­dos cus­tos à sociedade. Até re­cen­te­men­te, os re­cur­sos des­ti­na­dos às candidaturas pro­vi­nham, em mai­or me­di­da, das do­a­ções —le­gais ou não— de gran­des fi­nan­ci­a­do­res pri­va­dos, co­mo em­prei­tei­ras.

As dis­tor­ções des­se sis­te­ma se re­ve­la­ram à luz do dia, ten­do ins­pi­ra­do re­so­lu­ção do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral proi­bin­do par­ti­ci­pa­ção fi­nan­cei­ra de pes­soa ju­rí­di­ca nas ar­re­ca­da­ções par­ti­dá­ri­as.

A pre­sen­ça de do­a­do­res cor­po­ra­ti­vos na vi­da po­lí­ti­ca não tem, to­da­via, por que ser considerada in­de­se­já­vel. Fal­ta­ria, so­bre­tu­do, uma re­gu­la­men­ta­ção ca­paz de evi­tar os abu­sos que, evi­den­te­men­te, se pro­du­zi­ram até ago­ra.

Um li­mi­te se­ve­ro pa­ra as con­tri­bui­ções de ca­da em­pre­sa, em par­ti­cu­lar, re­du­zi­ria de mo­do con­si­de­rá­vel os ris­cos da con­cen­tra­ção e do abu­so do po­der econô­mi­co.

Na ou­tra pon­ta do pro­ces­so, re­gras mais aus­te­ras qu­an­to aos gas­tos per­mi­ti­dos em cam­pa­nha ten­de­ri­am a di­mi­nuir os de­se­qui­lí­bri­os en­tre candidaturas e sua ne­ces­si­da­de cres­cen­te de re­cur­sos.

Em vez dis­so, op­tou-se pe­lo ca­mi­nho de co­brar o ci­da­dão pe­la pro­pa­gan­da que lhe é im­pin­gi­da.

Es­te se revela, sem dú­vi­da, um ob­je­ti­vo cen­tral da re­for­ma po­lí­ti­ca em de­ba­te. Ou­tro, de­cer­to, é pre­ser­var as chan­ces de re­e­lei­ção dos atu­ais par­la­men­ta­res.

Um se­gun­do pon­to de im­por­tân­cia no re­la­tó­rio a ser vo­ta­do na Câ­ma­ra é o chamado dis­tri­tão, pro­je­to ca­ro ao pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e a seu PMDB. O no­vo sis­te­ma é apre­sen­ta­do co­mo pas­so pre­pa­ra­tó­rio pa­ra a ado­ção do voto dis­tri­tal mis­to, pro­me­ti­da pa­ra 2022.

As ale­ga­das van­ta­gens do dis­tri­tão, se com­pa­ra­do à prá­ti­ca atu­al, se­ri­am ba­si­ca­men­te a de sua sim­pli­ci­da­de e trans­pa­rên­cia. Pre­va­le­ce­ria o prin­cí­pio de que, nas elei­ções pa­ra car­gos pro­por­ci­o­nais, sa­em ven­ce­do­res os can­di­da­tos mais su­fra­ga­dos, eli­mi­nan­do-se a trans­fe­rên­cia de vo­tos den­tro de ca­da par­ti­do ou co­li­ga­ção.

Co­mo se sa­be, no sis­te­ma vi­gen­te é co­mum que um can­di­da­to es­pe­ci­al­men­te po­pu­lar ob­te­nha mui­to mais vo­tos dos que os ne­ces­sá­ri­os pa­ra ven­cer; as “so­bras” de sua vo­ta­ção se re­o­ri­en­tam, des­se mo­do, pa­ra seus de­mais com­pa­nhei­ros de cha­pa, por ve­zes in­ca­pa­zes de atrair, por si mes­mos, mais do que al­gu­mas cen­te­nas de elei­to­res.

Im­pe­din­do a elei­ção de can­di­da­tos com bai­xís­si­ma re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, o que é cor­re­to, o dis­tri­tão in­cor­re no exa­ge­ro opos­to — per­so­na­li­za ao ex­tre­mo as candidaturas —com van­ta­gem pa­ra os no­mes co­nhe­ci­dos pe­lo pú­bli­co— em de­tri­men­to dos par­ti­dos, já de­ma­si­a­do frá­geis no país.

O voto dis­tri­tal mis­to —pe­lo qu­al o elei­tor es­co­lhe um can­di­da­to de seu dis­tri­to e ou­tro de uma lis­ta aberta em seu Es­ta­do— se­ria o sis­te­ma ca­paz de re­e­qui­li­brar as exi­gên­ci­as da pro­por­ci­o­na­li­da­de e da cla­re­za na re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca.

Ain­da que de vi­a­bi­li­za­ção téc­ni­ca re­la­ti­va­men­te com­ple­xa, não ha­ve­ria mo­ti­vos pa­ra ima­gi­nar uma eta­pa in­ter­me­diá­ria an­tes de apro­vá-lo, no mais tar­dar, pa­ra as elei­ções ge­rais de 2022.

Ao mes­mo tem­po, du­as pro­pos­tas cor­re­tas em tra­mi­ta­ção —a da cláu­su­la de bar­rei­ra pa­ra par­ti­dos de bai­xa ex­pres­são e o fim das co­li­ga­ções nos plei­tos pro­por­ci­o­nais— já con­tri­bui­ri­am pa­ra os ob­je­ti­vos vi­sa­dos com o dis­tri­tão.

É po­si­ti­vo, sem dú­vi­da, que o de­ba­te te­nha avan­ça­do no Con­gres­so, e que al­gu­ma dis­po­si­ção pa­ra cor­ri­gir um sis­te­ma no­to­ri­a­men­te dis­fun­ci­o­nal se ve­ri­fi­que. Mas o re­la­tó­rio da re­for­ma po­lí­ti­ca a ser exa­mi­na­do na Câ­ma­ra se mos­tra ina­de­qua­do pa­ra es­se fim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.