Di­ver­gên­ci­as

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Em que me­di­da a re­tó­ri­ca im­por­ta?

Há mui­to tem­po, Sa­mu­el Pes­sôa e eu te­mos ar­gu­men­ta­do que as ges­tões de Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e do pri­mei­ro governo Lu­la, ape­sar da apa­ren­te di­ver­gên­cia ide­o­ló­gi­ca, com­par­ti­lha­ram uma sur­pre­en­den­te agen­da de po­lí­ti­ca econô­mi­ca, co­mo o equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas e o con­tro­le da in­fla­ção. O mes­mo ocor­reu na po­lí­ti­ca so­ci­al, com os au­men­tos do sa­lá­rio mí­ni­mo e a ex­pan­são das po­lí­ti­cas de trans­fe­rên­cia de ren­da.

O governo Fer­nan­do Hen­ri­que te­ve o ine­gá­vel mé­ri­to de ini­ci­ar uma agen­da so­ci­al­de­mo­cra­ta, es­ti­mu­lan­do a con­cor­rên­cia, o for­ta­le­ci­men­to das agências de Es­ta­do e a ex­pan­são das po­lí­ti­cas so­ci­ais. Pos­te­ri­or­men­te, o pri­mei­ro governo Lu­la con­ti­nu­ou es­sa agen­da com di­ver­sas me­di­das, co­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia dos ser­vi­do­res pú­bli­cos e a cri­a­ção do Bol­sa Fa­mí­lia, ape­sar de al­guns re­tro­ces­sos, co­mo nas agências re­gu­la­tó­ri­as.

A di­ver­gên­cia ocor­reu mui­to mais na re­tó­ri­ca do que na po­lí­ti­ca pú­bli­ca.

O governo Fer­nan­do Hen­ri­que en­fa­ti­zou os mei­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra ga­ran­tir a bai­xa in­fla­ção, a re­to­ma­da do cres­ci­men­to e a que­da da de­si­gual­da­de. Tor­na­ram-se fre­quen­tes ter­mos co­mo su­pe­ra­vit pri­má­rio e me­tas de in­fla­ção, em meio a di­ver­sos eu­fe­mis­mos típicos de um país com di­fi­cul­da­de em en­fren­tar a mu­dan­ça de ru­mo, co­mo de­ses­ta­ti­za­ção em vez de pri­va­ti­za­ção. Es­sa ên­fa­se pa­re­ceu su­ge­rir que as es­co­lhas de po­lí­ti­ca econô­mi­ca se­ri­am re­sul­ta­do uni­ca­men­te da aná­li­se téc­ni­ca, o que não é ver­da­de.

O pri­mei­ro Lu­la al­te­rou es­sa re­tó­ri­ca e pas­sou a en­fa­ti­zar os ob­je­ti­vos da po­lí­ti­ca pú­bli­ca, co­mo a in­clu­são so­ci­al e o com­ba­te à dis­cri­mi­na­ção.

A di­fe­ren­ça na re­tó­ri­ca po­de ter si­do re­le­van­te. A co­me­çar pe­la com­pre­en­são da agen­da pe­lo se­tor pri­va­do e pe­lo an­dar de bai­xo da es­tru­tu­ra de Es­ta­do. A mai­or cla­re­za dos ob­je­ti­vos da po­lí­ti­ca pú­bli­ca, co­mo a re­du­ção da mi­sé­ria, aju­dou na dis­se­mi­na­ção de ações in­clu­si­vas.

Além dis­so, o pre­do­mí­nio dos fins na re­tó­ri­ca do governo Lu­la re­le­gou a téc­ni­ca ao seu pa­pel ade­qua­do, ao me­nos no começo: apon­tar as res­tri­ções e os pos­sí­veis im­pac­tos das op­ções dis­po­ní­veis. Ca­be ape­nas à po­lí­ti­ca de­ter­mi­nar as es­co­lhas a se­rem re­a­li­za­das fren­te aos di­le­mas exis­ten­tes.

In­fe­liz­men­te, no se­gun­do Lu­la a téc­ni­ca foi aban­do­na­da e res­ta­ram ape­nas os imen­sos de­se­jos, co­mo se não exis­tis­sem res­tri­ções. O re­sul­ta­do foi o governo Dil­ma e a gra­ve crise que atra­ves­sa­mos.

Des­con­si­de­rar a po­lí­ti­ca ou a téc­ni­ca é igual­men­te de­sas­tro­so. O en­ge­nhei­ro não de­ve ig­no­rar as pri­o­ri­da­des dos seus cli­en­tes nem a sua má­qui­na de cal­cu­lar. Um ris­co é o au­to­ri­ta­ris­mo tec­no­crá­ti­co, real ou per­ce­bi­do; o ou­tro, a ca­tás­tro­fe do po­pu­lis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.