Par­la­men­ta­ris­mo exi­ge par­ti­dos au­tên­ti­cos

Se qui­ser­mos ado­tar o par­la­men­ta­ris­mo en­tre nós, se­rá pre­ci­so re­for­mar pro­fun­da­men­te o mo­de­lo par­ti­dá­rio em vi­gor no país

Folha De S.Paulo - - Opinião - RI­CAR­DO LEWAN­DOWS­KI

O par­la­men­ta­ris­mo é um sis­te­ma de governo que di­fe­re ra­di­cal­men­te do pre­si­den­ci­a­lis­mo. Nes­te, o Exe­cu­ti­vo é uni­pes­so­al: o pre­si­den­te é, ao mes­mo tem­po, chefe de Es­ta­do e chefe de governo.

Em ou­tras pa­la­vras, en­car­na si­mul­ta­ne­a­men­te as ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas e cui­da do dia a dia da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

Há tam­bém no pre­si­den­ci­a­lis­mo uma rí­gi­da se­pa­ra­ção de Po­de­res. Le­gis­la­ti­vo, Exe­cu­ti­vo e Ju­di­ciá­rio atu­am de for­ma to­tal­men­te in­de­pen­den­te, em­bo­ra de­vam, ao me­nos em te­se, man­ter uma con­vi­vên­cia harmô­ni­ca en­tre si.

Já no par­la­men­ta­ris­mo, o Exe­cu­ti­vo é bi­par­ti­do. O pre­si­den­te, com um man­da­to lon­go nas re­pú­bli­cas, ou o rei, vi­ta­lí­cio nas mo­nar­qui­as, exer­cem o car­go de chefe de Es­ta­do, ao pas­so que a ges­tão da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va é re­a­li­za­da pe­lo chefe de governo, co­mu­men­te de­no­mi­na­do pri­mei­ro-mi­nis­tro ou chan­ce­ler, o qu­al en­ca­be­ça um ga­bi­ne­te de mi­nis­tros.

En­quan­to os che­fes de Es­ta­do têm es­ta­bi­li­da­de —quer di­zer, são pra­ti­ca­men­te ina­mo­ví­veis, sal­vo se co­me­te­rem uma fal­ta gra­vís­si­ma—, o chefe de governo exer­ce su­as fun­ções ao al­ve­drio do Par­la­men­to.

Po­de per­der o car­go, as­sim co­mo qual­quer mi­nis­tro ou até o con­jun­to dos in­te­gran­tes do ga­bi­ne­te, ca­so se­jam al­vos de uma mo­ção de cen­su­ra ou des­con­fi­an­ça, es­pe­ci­al­men­te na hi­pó­te­se de não de­sem­pe­nha­rem a con­ten­to as di­re­tri­zes go­ver­na­men­tais tra­ça­das pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos ma­jo­ri­tá­ri­os.

Exis­te, as­sim, nes­se sis­te­ma, um re­la­ci­o­na­men­to es­trei­to en­tre o Exe­cu­ti­vo e o Le­gis­la­ti­vo, por­quan­to aque­le de­ve exe­cu­tar, com a mai­or fi­de­li­da­de pos­sí­vel, a von­ta­de po­pu­lar pre­do­mi­nan­te ex­pres­sa pe­la mai­o­ria dos par­la­men­ta­res.

Já o Ju­di­ciá­rio, co­mo re­gra, é con­tro­la­do ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te por um ór­gão ex­ter­no, cu­jos mem­bros são in­di­ca­dos pe­los de­mais Po­de­res.

É opinião unâ­ni­me en­tre os es­pe­ci­a­lis­tas que o par­la­men­ta­ris­mo, em­bo­ra su­jei­to a ins­ta­bi­li­da­des pró­pri­as dos em­ba­tes po­lí­ti­cos, com­pa­ra­do ao pre­si­den­ci­a­lis­mo, é mais ra­ci­o­nal e me­nos per­so­na­lis­ta.

Não obs­tan­te, foi du­as ve­zes ma­ci­ça­men­te re­jei­ta­do pe­lo po­vo bra­si­lei­ro nos ple­bis­ci­tos ocor­ri­dos em 1963 e 1993. Tal­vez por­que, cul­tu­ral­men­te, tal co­mo acon­te­ce nos de­mais paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, os ci­da­dãos se sin­tam mais re­pre­sen­ta­dos na cú­pu­la do po­der por uma li­de­ran­ça for­te ou ca­ris­má­ti­ca.

É es­cu­sa­do di­zer que o par­la­men­ta­ris­mo —e tam­bém o hí­bri­do e, por is­so mes­mo, pro­ble­má­ti­co se­mi­pre­si­den­ci­a­lis­mo— so­men­te po­de fun­ci­o­nar ade­qua­da­men­te em um con­tex­to no qu­al exis­tam par­ti­dos po­lí­ti­cos for­tes, com clara iden­ti­fi­ca­ção pro­gra­má­ti­ca e ide­o­ló­gi­ca, ap­tos a im­pri­mir uma di­re­ção uní­vo­ca e con­sis­ten­te às ações go­ver­na­men­tais.

Não só is­so: os par­la­men­ta­res, pa­ra re­pre­sen­tar com fi­de­li­da­de a von­ta­de dos elei­to­res, pre­ci­sam ser es­co­lhi­dos por uma me­to­do­lo­gia que lhes con­fi­ra o má­xi­mo de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, a qu­al in­clu­si­ve de­ve levar em con­ta as mi­no­ri­as exis­ten­tes na sociedade con­tem­po­râ­nea, com­ple­xa e plu­ral, me­di­an­te o su­frá­gio pro­por­ci­o­nal.

Se qui­ser­mos ado­tar o par­la­men­ta­ris­mo en­tre nós, su­pe­ran­do a for­te re­jei­ção da ci­da­da­nia a es­se sis­te­ma, é pre­ci­so re­for­mar pro­fun­da­men­te o mo­de­lo par­ti­dá­rio em vi­gor, co­me­çan­do por ins­ti­tuir uma cláu­su­la de bar­rei­ra ou de de­sem­pe­nho pa­ra di­mi­nuir o exa­ge­ra­do nú­me­ro de agre­mi­a­ções po­lí­ti­cas exis­ten­tes, além de ado­tar o voto em lis­ta, con­ju­ga­do ou não com o dis­tri­tal. RI­CAR­DO LEWAN­DOWS­KI

É gra­vís­si­ma a reportagem “Em ví­deo, alu­nos de en­si­no mé­dio exal­tam Bol­so­na­ro” (“Po­der”, 9/8). Aliás, a pró­pria ideia de que um país se­ja ca­paz de ce­der a ad­mi­nis­tra­ção (e, ago­ra sa­be­mos, bem mais que is­so) de su­as es­co­las à Po­lí­cia Mi­li­tar já é uma ano­ma­lia gro­tes­ca e ina­cei­tá­vel. Em um país dig­no, os ór­gãos go­ver­na­men­tais li­ga­dos à edu­ca­ção se­ri­am ime­di­a­ta­men­te obri­ga­dos a dar ex­pli­ca­ções e sa­nar o pro­ble­ma. Mas es­ta­mos no Bra­sil, o país on­de tor­tu­ra­do­res são ho­me­na­ge­a­dos e tra­ta­dos co­mo he­róis.

LEANDRO VEIGA DAINESI,

Venezuela Pa­ra mim é uma ver­go­nha ser la­ti­no-ame­ri­ca­no ven­do o que acon­te­ce na Venezuela e no Bra­sil. Cor­ren­tes po­lí­ti­cas an­tagô­ni­cas, mas que que­rem se man­ter no po­der a qual­quer cus­to. Não exis­te nem di­rei­ta nem es­quer­da na Amé­ri­ca La­ti­na, e sim apre­ço pe­lo po­der.

LUIZ DO ROSARIO BASTOS JÚ­NI­OR

Co­lu­nis­tas Ago­ra que o mo­no­te­má­ti­co Rei­nal­do Azevedo, du­blê de rá­bu­la e om­buds­man da La­va Ja­to, con­fes­sou que não é Deus, bem que po­de­ria mu­dar de as­sun­to nos seus ar­ti­gos.

JO­SÉ RO­NAL­DO CURI,

Fi­do Nes­ti

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.