STF po­de­rá sus­tar o “marco tem­po­ral”?

STF de­ve se ma­ni­fes­tar so­bre o “marco tem­po­ral” no dia 16. Es­pe­ra­mos que te­nha a sa­be­do­ria de res­ta­be­le­cer a jus­ti­ça pa­ra com os ín­di­os

Folha De S.Paulo - - Opinião - JO­SÉ AFON­SO DA SIL­VA E MANUELA CARNEIRO DA CU­NHA www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor/ saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Pa­ra co­ro­ar uma cam­pa­nha en­ga­no­sa, a Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU) emi­tiu um pa­re­cer que o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer lo­go apro­vou, pu­bli­ca­do no dia 20 de ju­lho. Tra­ta-se de res­sus­ci­tar, pe­la ter­cei­ra vez, a portaria 303 de 2012 da AGU, tão con­tro­ver­ti­da que por du­as ve­zes te­ve de ser sus­pen­sa.

Não é por aca­so que ela res­sur­ge ago­ra: faz par­te do pa­co­te de con­ces­sões de Te­mer aos in­te­res­ses da fren­te ru­ra­lis­ta. Os ín­di­os es­tão no­va­men­te sen­do ri­fa­dos pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia pro­vi­só­ria do pre­si­den­te no car­go.

O pa­re­cer obri­ga to­da a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral a cumprir as “con­di­ci­o­nan­tes” que cons­ta­ram do jul­ga­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) so­bre a cé­le­bre de­mar­ca­ção da ter­ra in­dí­ge­na Ra­po­sa Ser­ra do Sol, em 2009.

Pa­ra fun­da­men­tá-lo, a AGU atri­buiu ao STF o pro­pó­si­to de, na­que­le jul­ga­men­to, ter ti­do a “de­li­be­ra­da in­ten­ção” de de­fi­nir a in­ter­pre­ta­ção dos ar­ti­gos da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral que tra­tam da de­mar­ca­ção das ter­ras in­dí­ge­nas.

Des­sa for­ma, tal en­ten­di­men­to de­ve­ria ser apli­ca­do “pa­ra todo e qual­quer pro­ces­so de de­mar­ca­ção de ter­ras in­dí­ge­nas no Bra­sil”.

Is­so é um en­ga­no: em vá­ri­as oca­siões, mi­nis­tros do Su­pre­mo que ha­vi­am par­ti­ci­pa­do do jul­ga­men­to de 2009 afir­ma­ram que as con­di­ci­o­nan­tes da ter­ra in­dí­ge­na de Ra­po­sa Ser­ra do Sol eram es­pe­cí­fi­cas da­que­le ca­so e não vin­cu­lan­tes.

Em fe­ve­rei­ro des­te ano, o mi­nis­tro Marco Au­ré­lio rei­te­rou es­se mes­mo en­ten­di­men­to e foi seguido pe­la pri­mei­ra tur­ma do STF. A “de­li­be­ra­da in­ten­ção” de ge­ne­ra­li­zar as con­di­ci­o­nan­tes da Ra­po­sa Ser­ra do Sol, apre­go­a­da pe­la AGU, não po­de, por­tan­to, se sus­ten­tar.

O que ocor­re é que a se­gun­da tur­ma do STF, sob a li­de­ran­ça do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, tem da­do gran­de publicidade a de­ci­sões que to­mou ba­se­a­das em uma in­ter­pre­ta­ção a que se con­ven­ci­o­nou cha­mar de “marco tem­po­ral”.

Tra­ta-se de in­ter­pre­tar abu­si­va­men­te que os di­rei­tos ter­ri­to­ri­ais dos ín­di­os as­se­gu­ra­dos pe­la Cons­ti­tui­ção de 1988 só se apli­cam aos que es­ta­vam em su­as ter­ras no dia da pro­mul­ga­ção de nos­sa lei mai­or, 5 de ou­tu­bro de 1988.

Em pa­re­cer cir­cuns­tan­ci­a­do, um de nós, Jo­sé Afon­so da Sil­va, re­fu­tou por in­cons­ti­tu­ci­o­nais es­se “marco tem­po­ral”, a proi­bi­ção de re­vi­sar ter­ras de­mar­ca­das pa­ra cor­ri­gir er­ros, e uma ou­tra te­se que se acres­cen­tou às de­mais: a exi­gên­cia im­pos­ta àque­les ín­di­os que ti­ves­sem si­do ex­pul­sos de su­as ter­ras.

Pa­ra fa­ze­rem va­ler um di­rei­to de re­tor­no, te­ri­am de com­pro­var ter re­sis­ti­do pe­la via ju­di­ci­al ou pe­la for­ça. Co­mo, até 1988, os ín­di­os não po­di­am en­trar em juí­zo, e co­mo não ti­nham mei­os de en­fren­tar quem os des­pos­suía, es­sa con­di­ção era sim­ples­men­te im­pra­ti­cá­vel.

É sig­ni­fi­ca­ti­vo que te­nha si­do a Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Bra­sil (CNA) a pro­por em 2010 ao STF a edi­ção de uma sú­mu­la vin­cu­lan­te pa­ra “afir­mar que as ter­ras ocu­pa­das por in­dí­ge­nas em pas­sa­do re­mo­to ... são es­pe­ci­al­men­te aque­las que, em 5 de ou­tu­bro de 1988, não apre­sen­ta­vam mais ocu­pa­ção por ín­di­os e que o pro­ces­so de de­mar­ca­ção de­ve aten­tar pa­ra a ne­ces­si­da­de de com­pro­va­ção da pos­se da área nes­ta da­ta”.

Tam­bém é elo­quen­te a de­ci­são da co­mis­são de ju­ris­pru­dên­cia do STF que ar­qui­vou a pro­pos­ta por­que a “sú­mu­la a res­pei­to do as­sun­to de­pen­de­ria da exis­tên­cia de uma inequí­vo­ca con­so­li­da­ção ju­ris­pru­den­ci­al da ma­té­ria no exa­to sen­ti­do pre­ten­di­do pe­la CNA”. O es­for­ço da se­gun­da tur­ma do STF foi pre­ci­sa­men­te de ten­tar cons­truir es­sa ju­ris­pru­dên­cia.

No pró­xi­mo dia 16 de agos­to, é plau­sí­vel que o tri­bu­nal ple­no do STF ve­nha a se pro­nun­ci­ar so­bre o “marco tem­po­ral”.

Es­pe­ra­mos que o ple­ná­rio te­nha a sa­be­do­ria de res­ta­be­le­cer a jus­ti­ça pa­ra com os po­vos in­dí­ge­nas. JO­SÉ AFON­SO DA SIL­VA MANUELA CARNEIRO DA CU­NHA

A ameaça de Trump à Venezuela es­tá mais pa­ra ver­bor­ra­gia va­zia, no en­tan­to já cau­sou gran­de es­tra­go à es­tra­té­gia das for­ças de­mo­crá­ti­cas que pla­ne­ja­vam en­fra­que­cer Ma­du­ro por den­tro do re­gi­me. A pre­po­tên­cia ame­ri­ca­na vo­ca­li­za­da por Trump, que re­me­teu à lem­bran­ça dos tem­pos em que a Amé­ri­ca La­ti­na era considerada um quin­tal, for­ta­le­ceu o dis­cur­so do di­ta­dor (“Trump co­gi­ta op­ção mi­li­tar con­tra Ca­ra­cas”, “Mundo”, 12/8).

LUÍS RO­BER­TO NUNES FER­REI­RA

Ney­mar no PSG Ney­mar va­le o qu­an­to lhe pa­gam. Ele é ins­tru­men­to do en­tre­te­ni­men­to. Ele é um ar­tis­ta que atrai mul­ti­dões e au­di­ên­cia. Se os di­ri­gen­tes de clu­bes, os car­to­las (ca­pi­ta­lis­tas por definição), atri­bu­em a ele es­se va­lor é por­que ele va­le mui­to mais. Con­clu­são ób­via. En­tão, ca­be uma cu­tu­ca­da de le­ve nos es­quer­dis­tas que es­tão re­pu­di­an­do seu sa­lá­rio: qual­quer coi­sa que Ney­mar re­ce­bes­se a me­nos, con­fi­gu­rar-se-ia a mais-va­lia con­cei­tu­a­da por Marx.

THYRSO DE CAR­VA­LHO JÚ­NI­OR,

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO ASSINANTE: OM­BUDS­MAN:

O co­lu­nis­ta Ro­nal­do Le­mos, em “Hackeando as ur­nas di­gi­tais” (“Opinião”, 7/8), de­mons­tra des­co­nhe­cer o sis­te­ma elei­to­ral bra­si­lei­ro. Des­de 2009, co­mo am­pla­men­te no­ti­ci­a­do na mí­dia, a Jus­ti­ça Elei­to­ral or­ga­ni­za os tes­tes pú­bli­cos de se­gu­ran­ça, com am­pla par­ti­ci­pa­ção da co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca. Tam­bém des­co­nhe­ce os pro­ce­di­men­tos de au­di­to­ria das ur­nas du­ran­te o pro­ces­so elei­to­ral, tais co­mo a au­di­to­ria dos có­di­gos-fon­te, as as­si­na­tu­ras di­gi­tais dos pro­gra­mas ou a vo­ta­ção pa­ra­le­la, um me­ca­nis­mo de ve­ri­fi­ca­ção ti­po “cai­xa-pre­ta”, re­a­li­za­do com ur­nas pron­tas pa­ra a vo­ta­ção.

CARLOS RO­GÉ­RIO CAMARGO

Em seu en­vi­e­sa­do ar­ti­go “an­ti-bo­li­va­ri­a­no”(“Apoio do PT a Ma­du­ro é ti­ro no pé”, “Mundo”, 7/8), Mathi­as Alen­cas­tro se va­le de um cap­ci­o­so tru­que re­tó­ri­co: trans­for­ma em me­ros de­ta­lhes os con­di­ci­o­nan­tes da ar­ris­ca­da de­ci­são do pre­si­den­te Ma­du­ro de lan­çar mão da prer­ro­ga­ti­va que lhe con­fe­re a Cons­ti­tui­ção venezuelana, con­vo­can­do no­va Cons­ti­tuin­te. De quebra, o ar­ti­cu­lis­ta não faz men­ção ao la­men­tá­vel pa­pel exer­ci­do pe­las di­plo­ma­ci­as de Te­mer e Ma­cri, que tor­nam mais re­mo­ta a via do diá­lo­go, de que a Venezuela tan­to ca­re­ce.

PE­DRO AMA­RAL

Par­que Au­gus­ta Vi­va o par­que Au­gus­ta! Nós, mo­ra­do­res de São Pau­lo, pre­ci­sa­mos de ca­da vez mais áre­as ver­des. As pes­so­as es­tão do­en­tes e chei­as de res­pi­rar po­lui­ção (“Ati­vis­tas do par­que Au­gus­ta são meia dú­zia pa­ga pe­lo pa­pai”, “Co­ti­di­a­no”, 11/8).

MARI EMILIA GAR­CIA TOZATO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.