Não, não ha­via contrato. Nun­ca hou­ve contrato.

Folha De S.Paulo - - Poder - RI­CAR­DO BALTHAZAR

EDI­TOR DE “MER­CA­DO”

Um ad­vo­ga­do que a Ode­bre­cht apon­ta co­mo res­pon­sá­vel pe­la mo­vi­men­ta­ção de par­te de seu di­nhei­ro su­jo no ex­te­ri­or acusa a em­prei­tei­ra e seus exe­cu­ti­vos de men­tir aos pro­cu­ra­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to e frau­dar documentos pa­ra ocul­tar pa­ga­men­tos ile­gais feitos pe­la em­pre­sa nos úl­ti­mos anos.

Ro­dri­go Ta­cla Du­rán tra­ba­lhou pa­ra a Ode­bre­cht de 2011 até 2016, qu­an­do dei­xou o Bra­sil. Ele che­gou a dis­cu­tir com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral sua par­ti­ci­pa­ção no acor­do de de­la­ção da em­pre­sa, mas as tra­ta­ti­vas fra­cas­sa­ram. Du­rán diz ter re­cu­sa­do as con­di­ções im­pos­tas, mas pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to o cha­mam de men­ti­ro­so.

O ad­vo­ga­do de­ci­diu en­tão sair do Bra­sil e pro­cu­rar as au­to­ri­da­des dos Es­ta­dos Uni­dos. Depôs ao De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça dos EUA e vi­a­jou pa­ra a Es­pa­nha, on­de foi pre­so a pe­di­do da La­va Ja­to. Hoje, solto, Du­rán se con­si­de­ra um ho­mem li­vre. O Bra­sil pe­diu sua ex­tra­di­ção, mas a Es­pa­nha ne­gou —ele tem dupla ci­da­da­nia.

Du­rán afir­ma co­la­bo­rar com in­ves­ti­ga­ções so­bre a Ode­bre­cht em se­te paí­ses. Co­mo informou o “Painel” na quin­ta (10), ele apon­tou a au­to­ri­da­des de Cin­ga­pu­ra si­nais de frau­de em dois ex­tra­tos apre­sen­ta­dos pe­los de­la­to­res da em­prei­tei­ra à La­va Ja­to.

Em en­tre­vis­ta à Fo­lha, Du­rán dis­se que exe­cu­ti­vos que con­tro­la­vam um ban­co ad­qui­ri­do pe­la Ode­bre­cht em An­tí­gua, um paraíso fis­cal no Ca­ri­be, des­vi­a­ram re­cur­sos e aju­da­ram a em­pre­sa a es­con­der be­ne­fi­ciá­ri­os de pro­pi­na no ex­te­ri­or: “O mai­or interesse de­la é pro­te­ger a mo­vi­men­ta­ção com­ple­ta do di­nhei­ro, apre­sen­tar só uma par­te”. Fo­lha - O sr. tra­ba­lhou pa­ra a Ode­bre­cht co­mo ad­vo­ga­do ou mo­vi­men­tan­do di­nhei­ro su­jo?

Ro­dri­go Ta­cla Du­rán me­cei a tra­ba­lhar pa­ra eles em 2011 co­mo ad­vo­ga­do. Fa­zia di­ver­sos tra­ba­lhos. Fui ad­vo­ga­do das em­pre­sas offsho­re que por mui­to tem­po ne­ga­ram que fos­sem de­les, in­clu­si­ve con­tra a mi­nha ori­en­ta­ção. Se­gun­do a em­pre­sa, seu tra­ba­lho era mo­vi­men­tar di­nhei­ro ilí­ci­to pa­ra eles no ex­te­ri­or.

Que­ria en­ten­der qu­al foi o do­lei­ro que foi na ca­sa do Mau­ri­cio Fer­ro e da Mô­ni­ca Ode­bre­cht num do­min­go ce­do pa­ra dis­cu­tir es­tra­té­gia. [Di­re­tor do gru­po Ode­bre­cht, Fer­ro é ca­sa­do com Mô­ni­ca, fun­ci­o­ná­ria do gru­po e fi­lha do em­pre­sá­rio Emí­lio Ode­bre­cht.] Em que épo­ca foi is­so?

Lo­go de­pois que co­me­çou a La­va Ja­to, em 2014. Eu es­ta­va tra­ba­lhan­do na si­tu­a­ção de uma das em­pre­sas offsho­re de­les, a que pa­gou [pro­pi­na ao ex-di­re­tor da Pe­tro­bras] Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta. O ban­co que ti­nha a con­ta des­sa em­pre­sa foi ques­ti­o­na­do na Suí­ça e nos Es­ta­dos Uni­dos e pre­ci­sá­va­mos pres­tar in­for­ma­ções ao fis­co ame­ri­ca­no. En­tão o sr. re­pre­sen­ta­va a Ode­bre­cht nes­sas em­pre­sas?

Ne­ga­ti­vo. Nun­ca ti­nha vis­to um ex­tra­to da con­ta, não sa­bia quem ha­via ali­men­ta­do a con­ta nem quem ha­via re­ce­bi­do de­la. Só de­pois ti­ve aces­so a ex­tra­tos e fi­quei sa­ben­do. O que mais fez pa­ra eles?

Uma sé­rie de coi­sas. Ti­nha pro­ble­ma de des­vio de di­nhei­ro, es­sa coi­sa to­da. Tra­ba­lhei nes­sa par­te de pro­te­ção e re­cu­pe­ra­ção de ativos. Ti­nha al­gum vín­cu­lo for­mal?

O mai­or interesse de­la é pro­te­ger a mo­vi­men­ta­ção com­ple­ta do di­nhei­ro e apre­sen­tar Co­mo o sr. re­ce­bia pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos ao gru­po?

No ex­te­ri­or, pe­las em­pre­sas offsho­re de­les. E nas mi­nhas, que são de­cla­ra­das às au­to­ri­da­des no Bra­sil e lá fo­ra. Tu­do que re­ce­bi de­les foi de­cla­ra­do. Fui in­ves­ti­ga­do por dois anos e meio pe­la Re­cei­ta Fe­de­ral. Dis­se­ram num re­la­tó­rio que “pa­re­ce” que eu fa­zia cai­xa dois pa­ra em­prei­tei­ras. Se não me mul­ta­ram até hoje, é por­que eu ti­nha tu­do de­cla­ra­do.

O que re­ce­bi da Ode­bre­cht re­ce­bi em con­tas mi­nhas, de­cla­ra­das. Quem mo­vi­men­ta­va as da Ode­bre­cht era o Meinl Bank [con­tro­la­do pe­la em­pre­sa em An­tí­gua, no Ca­ri­be]. Eles ti­nham um ban­co. Pa­ra que eles pre­ci­sa­vam de mim? Co­mo as­sim?

As con­tas eram ope­ra­das de ma­nei­ra que era pos­sí­vel im­pe­dir o ras­tre­a­men­to com­ple­to dos re­cur­sos. O di­nhei­ro vi­nha de ou­tros ban­cos, en­tra­va no ban­co de An­tí­qua e era trans­fe­ri­do in­ter­na­men­te pa­ra ou­tras con­tas, sem re­gis­tro. As­sim, não se po­de sa­ber ao cer­to de on­de veio e pa­ra on­de foi boa par­te do di­nhei­ro.

Além dis­so, ha­via ali con­tas de di­ver­sas pes­so­as com li­ga­ções po­lí­ti­cas. Não bra­si­lei­ros, pe­lo que eu sei, mas es­tran­gei­ros. Qu­an­do Bo­rin fez acor­do pa­ra co­la­bo­rar com a La­va Ja­to, quem ti­nha di­nhei­ro ali evi­den­te­men­te não foi lá re­cla­mar. Pa­ra on­de foi es­se di­nhei­ro, nin­guém ex­pli­cou.

Os exe­cu­ti­vos re­ce­bi­am comissões, trans­fe­ri­am re­cur­sos. Em vá­ri­as si­tu­a­ções, le­va­vam di­nhei­ro que era des­vi­a­do. Pe­lo me­nos um dos de­la­to­res, Fer­nan­do Mi­gli­ac­cio, ad­mi­tiu ter re­ce­bi­do es­sas comissões.

Mas pa­ra on­de foi o di­nhei­ro? Ele não fa­la. Es­se sis­te­ma foi frau­da­do com o in­tui­to de pro­te­ger a eles e à em­pre­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.