Não tem Ode­bre­cht escrito. É cin­zi­nha. Não tem meu no­me nem o no­me da em­pre­sa.

Folha De S.Paulo - - Poder -

O ad­vo­ga­do Ro­dri­go Ta­cla Du­rán afir­ma que a Ode­bre­cht fez uma “tri­a­gem” em documentos in­ter­nos no iní­cio da La­va Ja­to, pa­ra se­le­ci­o­nar até in­for­ma­ções que re­pas­sa­va a seus de­fen­so­res. Ele ne­ga ter obs­truí­do as in­ves­ti­ga­ções ao fa­zer es­se tra­ba­lho.

Num co­men­tá­rio pu­bli­ca­do nas re­des so­ci­ais na se­ma­na pas­sa­da, o pro­cu­ra­dor Carlos Fer­nan­do dos Santos Li­ma, da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, afir­mou que ele che­gou ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co “cheio de men­ti­ras” e fugiu após ter sua pro­pos­ta de co­la­bo­ra­ção re­cu­sa­da. (DA­NI­E­LA LI­MA E RI­CAR­DO BALTHAZAR) Fo­lha - Por que o sr. não par­ti­ci­pou do acor­do fei­to pe­la Ode­bre­cht com a La­va Ja­to?

Ro­dri­go Ta­cla Du­rán - Qu­e­ri­am me im­pu­tar crimes que eu não ha­via co­me­ti­do, cri­mi­na­li­zar meu tra­ba­lho co­mo ad­vo­ga­do. A Ode­bre­cht que­ria re­sol­ver o pro­ble­ma de­la co­lo­can­do den­tro [da de­la­ção premiada] o má­xi­mo de pes­so­as. Na ver­da­de, es­se acor­dou saiu na pres­são. Se a em­pre­sa não fi­zes­se, os exe­cu­ti­vos fa­ri­am in­di­vi­du­al­men­te e o pre­juí­zo se­ria mui­to gran­de. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fe­chou acor­do com 78 de­la­to­res no ca­so da Ode­bre­cht. Que di­fe­ren­ça fa­ria ter mais um, o sr.?

Nes­se mo­men­to, qu­an­do es­sa si­tu­a­ção foi co­lo­ca­da, não ha­via 77 de­la­to­res. Não ha­via na­da. Foi an­tes de abril de 2016, qu­an­do saí do país. A Ode­bre­cht afir­ma que o sr. era um do­lei­ro e nun­ca tra­ba­lhou pa­ra ela co­mo ad­vo­ga­do.

Do­lei­ro não te­ria as in­for­ma­ções que te­nho. Pe­de pa­ra o Ju­ca Ba­la, pa­ra o Da­rio Mes­ser, pa­ra o Adir As­sad [ope­ra­do­res pe­gos na La­va Ja­to], as in­for­ma­ções que eu te­nho. Po­dem me cha­mar de por­tei­ro, de cho­fer. Eu es­ta­va den­tro da em­pre­sa. Te­nho cra­chá. Tem? E o sr. guar­dou? En­tão mos­tra. Se seu tra­ba­lho era de con­sul­to­ria ju­rí­di­ca, co­mo tem tan­ta in­for­ma­ção so­bre o di­nhei­ro?

A par­tir do iní­cio da La­va Ja­to, mar­ço de 2014, todo mundo fi­cou con­cen­tra­do em de­fen­der a em­pre­sa. Eu es­ta­va em um se­tor sen­sí­vel e fa­zia a tri­a­gem téc­ni­ca das in­for­ma­ções que po­de­ri­am ser re­pas­sa­das aos advogados. Den­tro des­se tra­ba­lho, sou­be de mui­ta coi­sa. Por exem­plo, que sem­pre foi es­tra­té­gia da em­pre­sa res­guar­dar os in­te­res­ses no Pa­na­má, que che­gou a ser o mai­or fa­tu­ra­men­to de­les. De­la­to­res di­zem que o sr. foi ao Pa­na­má pa­ra evi­tar que o país co­o­pe­ras­se com a La­va Ja­to.

Evi­tar, não. Quem co­nhe­cia e ti­nha po­der pa­ra is­so era An­dré Ra­bel­lo, su­pe­rin­ten­den­te da Ode­bre­cht no Pa­na­má. Fui a uma reu­nião com o Luiz Edu­ar­do So­a­res e mais dois advogados. Fo­mos ou­vir Ra­bel­lo. Ele dis­se que [o governo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.