Dia dos pais, sem fi­lhos

Folha De S.Paulo - - Poder -

UM ES­TU­DO nor­te-ame­ri­ca­no apon­tou de que aque­les pais con­ci­li­a­vam que o te­ma pre­do­mi­nan­te na tu­do, ex­ce­to a con­vi­vên­cia mí­dia dos EUA à épo­ca da ce­le­bra­ção com os fi­lhos. Ou­tros re­cla­ma­ram do Dia dos Pais é a au­sên­cia do de que o jor­nal ig­no­rou que exer­cer pai. Tal cons­ta­ta­ção le­vou a uma a pa­ter­ni­da­de é man­ter vín­cu­los afe­ti­vos sé­rie de aná­li­ses so­bre o pa­pel da e de res­pon­sa­bi­li­da­de. im­pren­sa na de­tec­ção e pro­pa­ga­ção “A pa­ter­ni­da­de é com­ple­ta­men­te da “crise da pa­ter­ni­da­de” e dos se­cun­dá­ria nas nar­ra­ti­vas. Quem pre­juí­zos re­sul­tan­tes de tal la­cu­na cui­da des­sas cri­an­ças en­quan­to os em par­te sig­ni­fi­ca­ti­va das fa­mí­li­as. pais cur­tem seus hob­bi­es? Qu­al a

A ra­zão de tal crise es­ta­ria nas par­ti­ci­pa­ção des­ses ho­mens na cri­a­ção no­vas con­fi­gu­ra­ções fa­mi­li­a­res. dos fi­lhos? Co­mo com­par­ti­lham Mui­tos pais têm fi­lhos de vá­ri­os ca­sa­men­tos, as ta­re­fas com su­as par­cei­ras? fa­zen­do-se au­sen­tes pa­ra Por que são re­fe­rên­ci­as de bons os que es­tão fo­ra do nú­cleo fa­mi­li­ar pais?”, ques­ti­o­nou ou­tra lei­to­ra. prin­ci­pal. As críticas à mí­dia se Uma blo­guei­ra fe­mi­nis­ta es­cre­veu con­cen­tram em seu pa­pel de con­den­sa­do­ra que, pas­sa­da a in­dig­na­ção, ti­nha de pre­con­cei­tos e es­te­reó­ti­pos de agra­de­cer à Fo­lha “por ilus­trar so­bre os pa­péis de ho­mens de for­ma tão clara, crua e qua­se e mu­lhe­res na cri­a­ção dos fi­lhos. ba­nal a dis­pa­ri­da­de” da ex­pec­ta­ti­va

No do­min­go pas­sa­do, 6, a re­vis­ta so­ci­al en­tre ma­ter­ni­da­de e são­pau­lo, da Fo­lha, cir­cu­lou com pa­ter­ni­da­de. edi­ção es­pe­ci­al so­bre o Dia dos Pais, Pa­ra Matheus Ma­gen­ta, edi­tor do em que per­fi­la cin­co ho­mens que nú­cleo de Cultura, e Ro­ber­to de Oli­vei­ra, “con­ci­li­am fi­lhos e hob­bi­es co­mo es­ca­lar edi­tor da re­vis­ta são­pau­lo, “a o Hi­ma­laia e ir a shows do Iron vi­da dos pais re­tra­ta­dos não se li­mi­ta Mai­den”. Na ima­gem da ca­pa, um à pa­ter­ni­da­de, mas is­so não pai com du­as fa­ce­tas: de um la­do sig­ni­fi­ca que os fi­lhos se­jam ex­cluí­dos ves­te ca­mi­se­ta e tem na mão um va­so de su­as vidas. Os cin­co que­rem de plan­ta; do ou­tro, de ca­mi­sa apre­sen­tar pa­ra os fi­lhos ou­tras pos­si­bi­li­da­des os co­men­tá­ri­os que mui­tos nem le­ram a cri­a­ção de fi­lhos exi­ge dos pais, a so­ci­al, se­gu­ra um tê­nis. de vi­ver que não se­jam o tex­to, mas en­tra­ram na on­da re­vis­ta dei­xou-se se­du­zir pe­la ima­gem

O tí­tu­lo in­ter­no di­zia: “Super só tra­ba­lhar. Em bus­ca de uma vi­da da con­de­na­ção a par­tir ape­nas da de pais su­pos­ta­men­te di­fe­ren­tes pais”, seguido da ex­pli­ca­ção de que equi­li­bra­da, que­rem ser pes­so­as ima­gem da ca­pa. Con­cor­do com os e des­co­nec­tou-se do leitor. a vi­da da­que­les pais ia além de tra­ba­lhar me­lho­res com e pa­ra seus fi­lhos.” lei­to­res que re­cla­ma­ram de que o A po­lê­mi­ca si­na­li­za a re­le­vân­cia e cui­dar das cri­as, por­que Ma­gen­ta e Oli­vei­ra di­zem que “os jor­nal de­ve es­tar aten­to à sua res­pon­sa­bi­li­da­de do te­ma. Há me­di­das a to­mar. A psi­có­lo­ga ba­ta­lha­vam pa­ra co­lo­car em prá­ti­ca fi­lhos são ci­ta­dos no iní­cio dos tex­tos na per­pe­tu­a­ção de e con­sul­to­ra em edu­ca­ção seus hob­bi­es. O tex­to apon­ta­va e des­ta­que nas pá­gi­nas” e que pre­con­cei­tos e es­te­reó­ti­pos. Ro­sely Sayão, dei­xou sua co­lu­na na su­per­po­de­res de­les co­mo: “cri­a­ti­vi­da­de”, “a mai­o­ria das críticas se li­mi­ta à Numa aná­li­se pu­ra­men­te jor­na­lís­ti­ca, Fo­lha, pa­ra tri­lhar ou­tros ca­mi­nhos “na­ve­ga­ção”, “di­ri­gir”, “re­cons­truir”, ca­pa de mo­do des­con­tex­tu­a­li­za­do a ten­ta­ti­va de fa­zer uma pro­fis­si­o­nais. O pri­mei­ro pas­so é in­ves­tir “cor­rer”, “na­dar”, “plan­tar”, e ig­no­ra o con­teú­do do es­pe­ci­al.” abor­da­gem di­fe­ren­te pa­ra pau­ta num subs­ti­tu­to à al­tu­ra do seu “pre­ser­var”, “sur­far”, “to­car”. Par­te das críticas de fa­to po­de ser obri­ga­tó­ria e ba­nal fra­cas­sou. Em ta­len­to e da an­gús­tia que o te­ma

E os fi­lhos? O que se diz de­les? as­sim re­ba­ti­da. Fi­ca evi­den­te ao ler meio a tan­tos te­mas re­le­van­tes que provoca nos lei­to­res. Om­buds­man tem man­da­to de 1 ano, re­no­vá­vel por mais 3, pa­ra cri­ti­car o jor­nal, ou­vir os lei­to­res e co­men­tar, aos do­min­gos, o no­ti­ciá­rio da mí­dia. Fa­le com a Om­buds­man: om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br / tel.: 0800 015 9000 (2ª f a 6ª f, das 14h às 18h) / Fax: (11) 3224-3895 Não apa­re­cem em ima­gem na ca­pa, nem nas pá­gi­nas in­ter­nas. A reportagem se con­cen­tra mais em des­cre­ver os hob­bi­es dos pais do que mos­trar co­mo se re­la­ci­o­nam com seus fi­lhos. Por mais que se­jam ci­ta­dos co­mo cha­ma­dos a par­ti­ci­par des­sas ati­vi­da­des, es­tes pa­re­cem mais apên­di­ces es­que­ci­dos.

A abor­da­gem su­per­fi­ci­al e ba­nal da re­la­ção pai-fi­lho des­per­tou a re­a­ção de lei­to­res e, es­pe­ci­al­men­te, de lei­to­ras. “Ca­dê os fi­lhos?! Em que sé­cu­lo a Fo­lha pa­rou?! Uma de­cep­ção que o jor­nal per­pe­tue a no­ção de que as res­pon­sa­bi­li­da­des são ape­nas da mãe”, es­cre­veu uma.

A in­dig­na­ção se es­pa­lhou na se­ção de co­men­tá­ri­os do jor­nal on­li­ne e nas re­des so­ci­ais. Lei­to­ras re­cla­ma­vam

Ca­pa da edi­ção de 6 de agos­to

Reportagem de re­vis­ta é cri­ti­ca­da por lei­to­res, es­pe­ci­al­men­te mu­lhe­res, por re­for­çar es­te­reó­ti­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.