Mar­ce­lo Ode­bre­cht bus­ca ate­nu­ar pe­na

Pre­so no Pa­ra­ná, her­dei­ro pla­ne­ja vol­tar ao co­man­do da em­pre­sa e ques­ti­o­na par­te de con­de­na­ção na La­va Ja­to

Folha De S.Paulo - - Poder - BE­LA MEGALE LE­TÍ­CIA CA­SA­DO

Re­cur­so, po­rém, po­de fa­zer com que ele perca be­ne­fí­ci­os da de­la­ção e atra­sar saí­da da pri­são, pre­vis­ta pa­ra de­zem­bro

Com o de­se­jo de vol­tar ao al­to es­ca­lão da Ode­bre­cht, o ex-pre­si­den­te e her­dei­ro do gru­po, Mar­ce­lo Ode­bre­cht, tra­ba­lha pa­ra ten­tar re­du­zir as con­de­na­ções im­pu­ta­das a ele na La­va Ja­to.

Uma das ações do exe­cu­ti­vo foi so­li­ci­tar que seus advogados en­tras­sem com um re­cur­so no TRF-4 (Tri­bu­nal Re­gi­o­nal da 4ª Re­gião) ques­ti­o­nan­do sua con­de­na­ção no ca­so da Pe­tro­bras. Em 2016, ele foi con­de­na­do pe­lo juiz Ser­gio Mo­ro por corrupção ati­va, la­va­gem de di­nhei­ro e as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa.

A de­fe­sa pe­diu ao tri­bu­nal pa­ra in­cluir de­poi­men­tos de al­guns de­la­to­res na ação pe­nal que tra­ta da es­ta­tal. Prin­ci­pal­men­te as co­la­bo­ra­ções do pró­prio exe­cu­ti­vo.

A de­la­ção de Mar­ce­lo não foi le­va­da em con­ta du­ran­te o pro­ces­so da Pe­tro­bras por­que ele ain­da não ha­via fe­cha­do acor­do. Por­tan­to, o que ele fa­lou não foi con­si­de­ra­do na sen­ten­ça. Ago­ra, a de­fe­sa pre­ten­de in­cluir es­sas in­for­ma­ções con­fes­sa­das pa­ra ame­ni­zar a pe­na.

Pa­ra os advogados, as re­ve­la­ções po­dem aju­dar a ate­nu­ar a con­de­na­ção do exe­cu­ti­vo, que ten­ta­rá re­tor­nar ao co­man­do do gru­po.

Um dos ob­je­ti­vos de Mar­ce­lo é que sua con­de­na­ção por corrupção ati­va se­ja re­vis­ta. Ele quer in­cluir o ma­te­ri­al da de­la­ção pa­ra mos­trar que não tra­tou de pa­ga­men­tos ilí­ci­tos com di­re­to­res da Pe­tro­bras.

No do­cu­men­to en­vi­a­do ao TRF-4, sua de­fe­sa afir­ma que ca­be ao tri­bu­nal “ex­cluir a con­de­na­ção por fa­tos que, se­gun­do os acor­dos de co­la­bo­ra­ção, não são de au­to­ria de de­ter­mi­na­do co­la­bo­ra­dor”.

Os advogados de Mar­ce­lo afir­mam que, pa­ra que o acor­do pos­sa ser apli­ca­do, “não bas­ta sim­ples­men­te ve­ri­fi­car as pe­nas ne­le pre­vis­tas e o seu re­gi­me de exe­cu­ção”, mas tam­bém é ne­ces­sá­rio “ade­quar os fa­tos pe­los quais os réus co­la­bo­ra­do­res fo­ram con­de­na­dos em pri­mei­ra ins­tân­cia ao con­teú­do do acor­do con­subs­tan­ci­a­do es­sen­ci­al­men­te nas de­cla­ra­ções dos co­la­bo­ra­do­res”.

Ou se­ja, pe­dem pa­ra que os de­sem­bar­ga­do­res con­si­de­rem as re­ve­la­ções fei­tas na de­la­ção na ho­ra de ana­li­sar o re­cur­so.

Mar­ce­lo foi con­de­na­do em 8 de mar­ço de 2016 a 19 anos e qua­tro me­ses de pri­são, e a de­la­ção de­le foi ho­mo­lo­ga­da em 30 de ja­nei­ro de 2017.

A procuradora do ca­so, Ana Luísa von Meng­den, se ma­ni­fes­tou con­tra o pe­di­do. Pa­ra ela, a con­fis­são não po­de ser­vir co­mo ate­nu­an­te da pe­na, pois foi fei­ta de­pois da con­de­na­ção.

Em ma­ni­fes­ta­ção en­vi­a­da ao tri­bu­nal, Ana Luísa res­sal­ta que “ao as­su­mir uma pos­tu­ra con­trá­ria ao dis­pos­to no Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.