Obra traz evo­lu­ção das cons­tru­to­ras no re­gi­me mi­li­tar

Folha De S.Paulo - - Poder -

A ditadura bra­si­lei­ra ban­cou a vi­a­gem de con­ser­va­do­res ca­tó­li­cos a Ro­ma pa­ra que fi­zes­sem lobby con­tra a mo­der­ni­za­ção da Igreja nos anos 1960. É o que in­di­ca do­cu­men­to des­co­ber­to pe­lo his­to­ri­a­dor ame­ri­ca­no Ben Cowan, da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, em San Di­e­go (EUA).

De acor­do com o pes­qui­sa­dor, o en­tão ar­ce­bis­po de Di­a­man­ti­na (MG), dom Ge­ral­do Si­gaud, es­cre­veu em car­ta que o Mi­nis­té­rio da Ae­ro­náu­ti­ca pôs pas­sa­gens aé­re­as a sua dis­po­si­ção pa­ra que le­vas­se à Itá­lia in­te­gran­tes do gru­po ca­tó­li­co Tra­di­ção, Fa­mí­lia e Pro­pri­e­da­de.

A mis­si­va, ar­qui­va­da na ar­qui­di­o­ce­se de Di­a­man­ti­na, era en­de­re­ça­da a Plí­nio Cor­rêa de Oli­vei­ra, líder da TFP, e da­ta­da de 1º de se­tem­bro de 1965, me­nos de um ano e meio após o gol­pe mi­li­tar.

Ocor­ria em Ro­ma o Con­cí­lio Vaticano 2º, que se en­cer­ra­ria ao fi­nal da­que­le ano. O en­con­tro pre­ten­dia atu­a­li­zar a Igreja. Sua re­per­cus­são mais co­nhe­ci­da foi fle­xi­bi­li­zar o uso de la­tim nas mis­sas.

Si­gaud, mor­to em 1999, es­ta­va en­tre os ca­tó­li­cos tra­di­ci­o­na­lis­tas que te­mi­am in­fluên­ci­as es­quer­dis­tas na ins­ti­tui­ção. Além da TFP, ti­nha a seu la­do dom Antô­nio de Cas­tro Mayer, bispo de Cam­pos (RJ), mor­to em 1991.

Os bis­pos bra­si­lei­ros ti­ve­ram pro­e­mi­nên­cia em um gru­po in­ter­na­ci­o­nal que que­ria bre­car as mu­dan­ças.

“Dom Ge­ral­do, dom Antô­nio e a TFP são íco­nes fun­da­men­tais da re­a­ção con­ser­va­do­ra ao con­cí­lio”, diz Cowan, que apre­sen­tou sua pes­qui­sa so­bre a di­rei­ta re­li­gi­o­sa bra­si­lei­ra em sim­pó­sio na se­ma­na pas­sa­da or­ga­ni­za­do por Fundação Ge­tu­lio Var­gas, Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca-RJ e Uni­ver­si­da­de Brown.

Os re­li­gi­o­sos en­con­tra­ri­am um ali­a­do na­tu­ral no re­gi­me que se ins­ta­la­va com re­tó­ri­ca an­ti­co­mu­nis­ta.

À car­ta ci­ta­da pe­lo his­to­ri­a­dor ame­ri­ca­no se so­ma ou­tra en­con­tra­da pe­lo bra­si­lei­ro Ro­dri­go Cop­pe Caldeira, pro­fes­sor de Ci­ên­ci­as da Re­li­gião da PUC Mi­nas.

No dia se­guin­te à men­sa­gem en­vi­a­da ao ami­go Plí­nio, da TFP, o ar­ce­bis­po mi­nei­ro es­cre­ve pa­ra o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Vas­co Lei­tão da Cu­nha.

Afir­ma que sua atu­a­ção era no sen­ti­do de apro­var documentos que “fa­ci­li­tem aos go­ver­nos co­mo o do Bra­sil a pros­se­gui­rem em sua lu­ta con­tra a ti­ra­nia comunista”.

“O mi­nis­tro da Ae­ro­náu­ti­ca pôs à mi­nha dis­po­si­ção qua­tro pas­sa­gens pe­la Va­rig”, afir­ma o ar­ce­bis­po. Em se­gui­da, pe­de que o Ita­ma­raty au­to­ri­ze a com­pa­nhia aé­rea a for­ne­cer os bi­lhe­tes.

O re­li­gi­o­so con­ti­nua: “Pe­ço que Vos­sa Ex­ce­lên­cia, cum­prin­do o que me ofe­re­ceu o sr. mi­nis­tro, me fa­ci­li­te a vi­a­gem de meus se­cre­tá­ri­os”.

De­pois, exal­ta o Ita­ma­raty por “re­co­lo­car o Bra­sil na­que­la ro­ta que cor­res­pon­de à nos­sa con­di­ção de país ca­tó­li­co e aman­te da li­ber­da­de e da jus­ti­ça”.

Cowan afir­ma não ter os re­gis­tros do pa­ga­men­to, mas diz que que os au­xi­li­a­res fo­ram a Ro­ma.

Lá, o gru­po con­ser­va­dor in­ter­na­ci­o­nal ob­te­ve al­gu­mas vi­tó­ri­as. Si­gaud fa­lhou, po­rém, na ar­ti­cu­la­ção pa­ra que a reu­nião re­gis­tras­se re­pú­dio di­re­to ao co­mu­nis­mo.

Cowan diz que as co­mu­ni­ca­ções do ar­ce­bis­po reforçam o co­nhe­ci­do elo en­tre par­te da Igreja Ca­tó­li­ca e o re­gi­me, so­bre­tu­do em seu iní­cio.

A Si­gaud, por exem­plo, é atri­buí­da a fra­se “con­fis­sões não se con­se­guem com bom­bons”.

A es­tra­té­gia de apro­xi­ma­ção se ex­pli­ca­va pe­lo ini­mi­go co­mum, a Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção, mo­vi­men­to for­te na Amé­ri­ca La­ti­na que aca­ba­ria con­de­na­do pe­la Santa Sé. Era vis­to co­mo mar­xis­ta.

Co­mo re­sul­ta­do da pro­xi­mi­da­de com a ditadura, o tra­di­ci­o­na­lis­mo ca­tó­li­co con­se­gui­ria no pe­río­do aces­so ao po­der e ao de­ba­te pú­bli­co des­pro­por­ci­o­nal ao nú­me­ro re­du­zi­do de clé­ri­gos que o apoi­a­va.

DO EN­VI­A­DO AO RIO

“O que nós te­mos não é de cin­co, de dez anos. É de 30 anos. Es­se sis­te­ma era um ne­gó­cio ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do, nor­mal”, afir­ma o em­prei­tei­ro Emí­lio Ode­bre­cht em sua de­la­ção premiada, di­zen­do-se in­co­mo­da­do que a eli­te bra­si­lei­ra ex­ter­nas­se sur­pre­sa di­an­te dos crimes re­ve­la­dos pe­la em­pre­sa.

O cor­te tem­po­ral ci­ta­do pe­lo em­pre­sá­rio coin­ci­de com a me­ta­de dos anos 1980, qu­an­do o Bra­sil se re­de­mo­cra­ti­za­va.

Pa­ra o his­to­ri­a­dor Pe­dro Cam­pos, dou­tor pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se, a afir­ma­ção de Ode­bre­cht coin­ci­de com sua pes­qui­sa so­bre as em­prei­tei­ras na ditadura, tam­bém apre­sen­ta­da no sim­pó­sio de FGV, PUC-Rio e Brown.

Ele pu­bli­cou em 2014, no iní­cio da Ope­ra­ção La­va Ja­to, o li­vro “Es­tra­nhas Ca­te­drais”, de­di­ca­do ao te­ma.

Na obra, re­la­ta o cres­ci­men­to das cons­tru­to­ras bra­si­lei­ras sob o re­gi­me que vi­go­rou de 1964 a 1985 e sua pro­xi­mi­da­de com a eli­te mi­li­tar e ci­vil dos go­ver­nos di­ta­to­ri­ais —in­clu­si­ve com de­nún­ci­as de corrupção.

Cam­pos re­gis­tra a mu­dan­ça de es­tra­té­gia das em­prei­tei­ras di­an­te da aber­tu­ra po­lí­ti­ca. O fo­co no governo e nos ofi­ci­ais se des­lo­ca em di­re­ção ao Po­der Le­gis­la­ti­vo e aos par­ti­dos, que vol­tam a ter pe­so com a re­de­mo­cra­ti­za­ção.

Os documentos das cons­tru­to­ras pas­sam a re­la­tar in­ten­so tra­ba­lho de pres­são jun­to a de­pu­ta­dos e se­na­do­res pa­ra li­be­rar re­cur­sos pa­ra obras e fa­zer pas­sar me­di­das de interesse do se­tor, que in­cluía o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas.

Folhapress

O bispo Dom Ge­ral­do Si­gaud, mor­to em 1999, que te­mia in­fluên­cia da es­quer­da na igreja

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.