Com no­me de re­for­ma

Folha De S.Paulo - - Poder - JANIO DE FREI­TAS

MARCOLA E Fer­nan­di­nho Bei­raMar es­tão convidados a se tor­na­rem pró­ce­res po­lí­ti­cos. Com co­man­do em to­dos os Es­ta­dos on­de su­as or­ga­ni­za­ções são bem-su­ce­di­das. E com ex­pres­si­vas ban­ca­das sob sua ori­en­ta­ção na Câ­ma­ra.

Não co­mo con­vi­te, já co­mo en­tre­ga, os evan­gé­li­cos recebem as con­di­ções pa­ra com­por, tam­bém na Câ­ma­ra, a ban­ca­da mais po­de­ro­sa co­mo nú­me­ro de vo­tos uni­fi­ca­dos. A mais pro­pen­sa for­ça a de­fi­nir vo­ta­ções, por­tan­to.

Es­sas du­as ino­va­ções da “re­for­ma po­lí­ti­ca”, que melhor se cha­ma­ria re­for­ma elei­to­ral, já con­tam com a apro­va­ção pre­li­mi­nar na Câ­ma­ra e têm ex­pli­ca­ção sim­ples. Na re­gra há tem­pos ado­ta­da pa­ra com­por a Câ­ma­ra, o voto no can­di­da­to é contado tam­bém pa­ra o par­ti­do ou co­li­ga­ção de par­ti­dos.

Es­ses vo­tos trans­fe­ri­dos de­fi­nem o tamanho da ban­ca­da par­ti­dá­ria. Pe­la fór­mu­la apro­va­da na Co­mis­são Es­pe­ci­al de Re­for­ma Po­lí­ti­ca, já em 2018 os elei­tos se­rão sim­ples­men­te os mais vo­ta­dos. Os “pu­xa­do­res de vo­tos”, ti­po Ti­ri­ri­ca, que dão aos par­ti­dos to­tais ca­pa­zes de ele­ger vá­ri­os can­di­da­tos, dei­xa­ri­am de pro­du­zir es­se efei­to.

Ape­sar dis­so, o no­vo sis­te­ma ino­va­rá pa­ra pi­or. In­ter­pre­ta­do, em ge­ral, co­mo fa­ci­li­ta­dor de re­e­lei­ção das cú­pu­las par­ti­dá­ri­as, mais do que is­so, fa­ci­li­ta­rá a in­ter­ven­ção elei­to­ral de de­ter­mi­na­das or­ga­ni­za­ções. Ima­gi­ne-se Marcola e Fer­nan­di­nho Bei­ra-Mar man­dan­do seu pes­so­al nos Es­ta­dos con­cen­trar-se em um ou al­guns can­di­da­tos.

Tan­to pa­ra dar os vo­tos da pró­pria or­ga­ni­za­ção, co­mo pa­ra vo­tos in­du­zi­dos nas co­mu­ni­da­des sob seu con­tro­le. Nem pre­ci­sam fa­zer os mais vo­ta­dos: bas­ta­rá que seus can­di­da­tos se­jam bem vo­ta­dos, pa­ra es­tar as­se­gu­ra­da for­te ban­ca­da na Câ­ma­ra. E nas As­sem­blei­as e Câ­ma­ras No­vo sis­te­ma po­lí­ti­co em de­ba­te fa­ci­li­ta­rá a in­ter­ven­ção elei­to­ral de de­ter­mi­na­das or­ga­ni­za­ções Mu­ni­ci­pais.

As cor­ren­tes evan­gé­li­cas, que já pra­ti­cam o voto ori­en­ta­do, pre­ci­sa­rão só de melhor en­ten­di­men­to, qu­an­to a can­di­da­tos em co­mum, pa­ra for­ma­rem na Câ­ma­ra ban­ca­da ain­da mais nu­me­ro­sa que a exis­ten­te. Não é pre­ci­so ar­ris­car es­ti­ma­ti­vas do que ban­ca­das as­sim elei­tas po­dem re­pre­sen­tar em ques­tões pro­ble­má­ti­cas, co­mo vá­ri­os pre­con­cei­tos, li­ber­da­de de pen­sa­men­to e de ex­pres­são, re­vi­sões de le­gis­la­ção cri­mi­nal, por­te de ar­ma, Ju­di­ciá­rio, tan­tas mais.

No mes­mo sen­ti­do de “re­for­ma” es­tá a apro­va­ção, tam­bém pre­li­mi­nar, do li­mi­te de dez anos co­mo mi­nis­tro do Su­pre­mo e de­mais tri­bu­nais su­pe­ri­o­res. Eis uma ques­tão con­tro­ver­sa e si­su­da.

A atu­al vi­ta­li­ci­e­da­de é, a um só tem­po, ne­ces­sá­ria e ex­ces­si­va. O pro­ces­so de es­co­lha de no­vos mi­nis­tros su­jei­ta os tri­bu­nais su­pe­ri­o­res à even­tu­a­li­da­de de no­me­a­ções im­pró­pri­as, que a sa­ba­ti­na pre­gui­ço­sa e in­te­res­sei­ra do Se­na­do não evi­ta. O pró­prio de­cor­rer da fun­ção es­tá ex­pos­to a trans­fi­gu­ra­ções que, se va­li­o­sas pe­la ex­pe­ri­ên­cia e o mai­or sa­ber, tam­bém po­dem mos­trar-se mui­to pre­ju­di­ci­ais.

Nes­tes tem­pos trans­tor­na­dos te­mos exem­plos qua­se diá­ri­os. Mas a vi­ta­li­ci­e­da­de ofe­re­ce con­di­ções ini­gua­lá­veis pa­ra o exer­cí­cio da li­ber­da­de de jul­gar, se há ca­rá­ter com que fa­zê-lo aci­ma de tu­do.

Es­sa é ou­tra re­for­ma pa­ra pi­or. E não me­nos pe­ri­go­sa do que a an­te­ri­or. Exi­ge tem­po e de­ba­te. BRASILEIRINHAS — O de­nun­ci­a­do Mi­chel Te­mer foi ex­cluí­do do inqué­ri­to so­bre for­ma­ção de qua­dri­lha no PMDB por­que já fi­gu­ra em ou­tro que o sub­me­te à mes­ma sus­pei­ta. Não foi isen­ta­do pe­lo STF, co­mo pa­re­ceu.

— Há um se­tor com vi­da no Bra­sil iner­te. É o de mú­si­cos, can­to­res e atores, que re­a­gem à en­tre­ga da Rá­dio Ro­quet­te Pinto a uma tur­ma do PMDB ca­bra­li­no, ocu­pan­te da Se­cre­ta­ria de Cultura em tro­ca de um voto pró-acor­do de Pe­zão com Hen­ri­que Meirelles, por di­nhei­ro pa­ra o Rio. Fo­ram oi­to anos de­sen­vol­ven­do uma pro­gra­ma­ção ba­se­a­da em in­te­li­gên­cia, bom gos­to, cri­a­ti­vi­da­de e cultura bra­si­lei­ra. Um ma­ni­fes­to, even­to de so­li­da­ri­e­da­de à ex­di­re­to­ra Eli­a­na Ca­ru­so e pró­xi­mos atos rom­pem a con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca de ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais com Pe­zão, di­fe­ren­ci­a­do de Cabral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.