Gru­pos con­tra Dil­ma pas­sam a di­ver­gir

MBL, Vem pra Rua e Nas Ru­as ado­ta­ram po­si­ções di­fe­ren­tes qu­an­to ao even­tu­al afas­ta­men­to de Mi­chel Te­mer

Folha De S.Paulo - - Poder - ANA LUIZA AL­BU­QUER­QUE

Dos três prin­ci­pais mo­vi­men­tos por trás da que­da de Dil­ma, ape­nas o Vem pra Rua defende a saí­da do pre­si­den­te

Do­min­go, 13 de mar­ço de 2016. Ave­ni­da Pau­lis­ta. Cer­ca de 500 mil manifestantes pe­dem a saí­da da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT) no mai­or ato po­lí­ti­co re­gis­tra­do na ci­da­de de São Pau­lo. Nos bas­ti­do­res, três prin­ci­pais mo­vi­men­tos so­ci­ais ser­vem co­mo le­nha pa­ra as ru­as: o MBL (Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre), o Vem pra Rua e o Nas Ru­as.

Quar­ta-fei­ra, 2 de agos­to de 2017. Brasília. A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos bar­ra a de­nún­cia em que a Procuradoria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca acusa o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de ter co­me­ti­do cri­me de corrupção. Na ave­ni­da Pau­lis­ta, so­men­te um pe­que­no gru­po de manifestantes de es­quer­da se en­con­tra pa­ra as­sis­tir a vo­ta­ção.

A união dos mo­vi­men­tos que pro­ta­go­ni­za­ram o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma es­tá des­fei­ta. Dos três, ape­nas o Vem pra Rua se de­cla­ra fa­vo­rá­vel à saí­da de Te­mer.

O gru­po che­gou a lan­çar o ma­pa “Afas­ta Te­mer”, con­ta­bi­li­zan­do os vo­tos dos de­pu­ta­dos an­tes da vo­ta­ção na Câ­ma­ra. Além dis­so, pre­pa­ra um ato pa­ra o dia 27 de agos­to, em todo o Bra­sil, “con­tra a im­pu­ni­da­de e pe­la re­no­va­ção”.

Ro­gé­rio Che­quer, líder do Vem pra Rua, diz à Fo­lha que “a úni­ca po­si­ção pos­sí­vel de um mo­vi­men­to que de­fen­deu a que­da da Dil­ma é de­fen­der a in­ves­ti­ga­ção do Te­mer”.

Ele pro­põe um ques­ti­o­na­men­to pa­ra quem defende o pre­si­den­te: “Co­mo vo­cê agi­ria se Lu­la ou Dil­ma ti­ves­sem pas­sa­do pe­los mes­mos even­tos que Te­mer?”

Já o MBL, ain­da que a fa­vor do ar­qui­va­men­to da de­nún­cia, tem da­do mai­or aten­ção a ou­tros te­mas, co­mo as de­nún­ci­as con­tra o ex-pre­si­den­te Lu­la e a crise na Venezuela.

O líder Kim Ka­ta­gui­ri afir­ma que o gru­po se po­si­ci­o­nou con­tra a in­ves­ti­ga­ção por­que o afas­ta­men­to de Te­mer “não mu­da­ria ab­so­lu­ta­men­te na­da” e ge­ra­ria mais instabilidade pa­ra o país.

Pa­ra ele, o pre­si­den­te só se­rá pu­ni­do efe­ti­va­men­te qu­an­do dei­xar o car­go. “O Te­mer vai ser in­ves­ti­ga­do de qual­quer ma­nei­ra. A de­nún­cia se­rá ana­li­sa­da de­pois que per­der o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do.”

Kim tam­bém diz que a pe­na re­la­ti­va à de­nún­cia apre­sen­ta­da pe­la PGR é “pí­fia” e que Te­mer de­ve ter ti­do “pa­pel es­sen­ci­al” no pe­tro­lão. “Com cer­te­za os crimes que de­ve ter co­me­ti­do no pe­tro­lão, sen­do vi­ce da Dil­ma e ten­do o trân­si­to no Con­gres­so que ele tem, as pe­nas aí sim são mui­to mai­o­res.”

O Nas Ru­as, fun­da­do na es­tei­ra da lu­ta an­ti­cor­rup­ção, tam­bém defende a per­ma­nên­cia de Te­mer, mas faz uso de um dis­cur­so mais agres­si­vo. Em pu­bli­ca­ção no Fa­ce­bo­ok, o gru­po cha­ma Ja­not de “ca­na­lha” e afir­ma que ele ten­tou tra­zer de vol­ta “sua qua­dri­lha, seus che­fes”.

Se­gun­do a líder Car­la Zam­bel­li, o mo­vi­men­to es­tá pri­o­ri­zan­do ou­tras pau­tas, co­mo o fim da ur­na ele­trô­ni­ca e que o STF pos­sa jul­gar “ca­sos pa­ra­dos há mais de dois anos”. “Es­ta­mos acre­di­tan­do mais na re­no­va­ção de 2018.”

Ques­ti­o­na­da se não é uma con­tra­di­ção o gru­po ter si­do fun­da­do pa­ra com­ba­ter a corrupção e ago­ra de­fen­der o ar­qui­va­men­to da de­nún­cia, Car­la afir­ma que exis­tem “ní­veis de corrupção”. “Exis­te mui­ta corrupção e pou­ca corrupção. Qu­an­do co­lo­ca na balança a pos­si­bi­li­da­de de en­trar uma pes­soa co­mo o Eu­ní­cio [Oli­vei­ra, pre­si­den­te do Se­na­do], é uma ques­tão de pri­o­ri­zar me­nos corrupção.”

Jo­el Sil­va - 13.mar.2016/Folhapress

Ma­ni­fes­ta­ção con­tra Dil­ma em 2016 que reu­niu os 3 gru­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.