Des­nu­tri­ção in­fan­til e bus­ca de co­mi­da no li­xo re­fle­tem es­cas­sez de ali­men­tos

Folha De S.Paulo - - Mundo - SER­GIO MO­RE­NO GONZÁLEZ

EM CA­RA­CAS FO­LHA,

Com 14 me­ses de vi­da, Bryan pe­sa 7 kg e me­de pou­co mais de 60 cm. Pa­ra se ter uma ideia, o pe­so mé­dio de uma cri­an­ça de 1 ano é de 10 kg, e Bryan tem o tamanho de um be­bê de 4 me­ses.

Bra­ços e per­nas es­que­lé­ti­cos são as mar­cas da des­nu­tri­ção que so­fre des­de os dois me­ses, qu­an­do, pe­san­do me­nos de 1,5 kg, foi in­ter­na­do na UTI do Hos­pi­tal J. M. de los Ríos, prin­ci­pal cen­tro pe­diá­tri­co de Ca­ra­cas.

“Só pu­de ama­men­tá-lo du­ran­te 11 di­as”, con­tou sua mãe, Sa­rahy M., 23.

“Não con­se­guia lei­te em pó, co­me­cei a lhe dar cre­me de ar­roz e lei­te in­te­gral, e ele pe­gou uma bac­té­ria que cau­sa­va vô­mi­to e di­ar­reia. Qu­an­do o trou­xe pa­ra o hos­pi­tal, es­ta­va com os os­sos co­la­dos na pe­le. Dis­se­ram-me que ti­nha des­nu­tri­ção severa.”

Na úl­ti­ma vez que su­biu numa balança, a mãe de Bryan pe­sa­va 39 kg. Ela dis­se que per­deu qua­se um quar­to de seu pe­so em um ano, por­que a pri­o­ri­da­de da co­mi­da é pa­ra seus dois fi­lhos.

“Um dia co­me­mos uma xí­ca­ra de ar­roz en­tre os três, a di­vi­di­mos pa­ra o al­mo­ço e o jan­tar, e no dia se­guin­te uma de len­ti­lha. Às ve­zes com­pro ba­na­nas e man­di­o­ca. Não lem­bro da úl­ti­ma vez que co­me­mos fran­go ou car­ne.”

Di­an­te da des­con­fi­an­ça so­bre os da­dos ofi­ci­ais, mé­di­cos e pes­qui­sa­do­res de­sen­vol­ve­ram ini­ci­a­ti­vas pró­pri­as pa­ra es­tu­dar a crise ali­men­tar na Venezuela.

Pa­ra Ma­ri­a­nel­la Her­re­ra, di­re­to­ra do Ob­ser­va­tó­rio Ve­ne­zu­e­la­no de Saúde (OVS), a des­nu­tri­ção é um pro­ble­ma cla­ro no país, em­bo­ra se­ja di­fí­cil quan­ti­fi­car de­vi­do às di­fi­cul­da­des im­pos­tas pe­lo governo. “Em 2014, co­me­ça­mos a Pes­qui­sa so­bre Con­di­ções de Vi­da. Na­que­le ano, 80% dos la­res in­di­ca­ram ren­da in­su­fi­ci­en­te pa­ra co­mer. Em 2016, su­biu pa­ra 93%.”

A úl­ti­ma edi­ção da pes­qui­sa revela que, na Venezuela, 30% da po­pu­la­ção (9 mi­lhões de pes­so­as) co­me du­as ou me­nos por­ções de cem gra­mas (o equi­va­len­te a uma xí­ca­ra de ar­roz) por dia.

A úl­ti­ma vez que o governo pu­bli­cou nú­me­ros so­bre o as­sun­to foi em 2015, qu­an­do o Ins­ti­tu­to Nacional de Es­ta­tís­ti­cas (INE) re­co­nhe­ceu que 1,7 mi­lhão de ve­ne­zu­e­la­nos (5,6% da po­pu­la­ção) vi­vi­am es­sa re­a­li­da­de.

Qu­an­do Hu­go Chá­vez as­su­miu a Pre­si­dên­cia, em 1999, o ín­di­ce de po­bre­za era 49%. Ele des­fru­tou de uma dé­ca­da de bo­nan­ça gra­ças ao au­men­to dos pre­ços do pe­tró­leo, pro­du­to que ga­ran­te 96% das re­cei­tas na­ci­o­nais, e im­ple­men­tou uma sé­rie de po­lí­ti­cas so­ci­ais re­dis­tri­bu­ti­vas. De 2000 a 2011, a po­bre­za sig­ni­fi­ca­ti­va di­mi­nuiu pa­ra 29%.

Em 2012, po­rém, Chá­vez já ti­nha des­truí­do gran­de par­te da ca­deia pro­du­ti­va nacional, ten­tan­do su­plan­tá-la com pro­gra­mas es­ta­tais. A que­da dos pre­ços do pe­tró­leo em 2014 e a dis­pa­ri­da­de cam­bi­al aju­da­ram a de­se­nhar o pa­no­ra­ma econô­mi­co atu­al.

“Com uma re­cei­ta ca­da vez

SA­RAHY M., 23

venezuelana, mãe de dois fi­lhos me­nor, a ca­pa­ci­da­de de im­por­ta­ção foi afe­ta­da, e o sis­te­ma de distribuição fi­cou re­du­zi­do. A con­sequên­cia foi a fo­me”, afir­ma o eco­no­mis­ta Ro­nald Bal­za.

Em 2015, a es­cas­sez de ali­men­tos bá­si­cos fi­cou en­tre 50% e 80%, e a in­fla­ção se tor­nou a mais alta do mundo, su­pe­ri­or a 600%, se­gun­do da­dos do FMI (Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal).

O governo re­co­nhe­ce que há crise, mas a atri­bui a uma “guerra econô­mi­ca” or­ques­tra­da por em­pre­sá­ri­os, a opo­si­ção e os paí­ses es­tran­gei­ros. ‘DI­E­TA DE MA­DU­RO’ Na Venezuela há hoje três mo­da­li­da­des pa­ra co­mer do li­xo: re­co­lher legumes e ver­du­ras que res­tam das ra­ras fei­ras li­vres; re­cu­pe­rar so­bras de res­tau­ran­tes; e vas­cu­lhar la­tões de li­xo, on­de é mais ga­ran­ti­do con­se­guir do­en­ças do que co­mi­da.

Na quar­ta (9), no bair­ro La Can­de­la­ria, em Ca­ra­cas, oi­to adul­tos e seis cri­an­ças re­vi­ra­vam sa­cos de li­xo dei­xa­dos em uma es­qui­na. Era qua­se meio-dia, por is­so se apres­sa­vam pa­ra en­con­trar o “ca­fé da ma­nhã”. Não res­pon­de­ram às per­gun­tas. “Te­mos fo­me”, foi a úni­ca coi­sa que dis­se uma das mu­lhe­res.

Os crí­ti­cos do governo ba­ti­za­ram a si­tu­a­ção de “a di­e­ta de Ma­du­ro” —que, aliás, não sen­te o cho­que da fra­se e até a uti­li­za, em tom de pi­a­da, em even­tos pú­bli­cos trans­mi­ti­dos pe­la te­le­vi­são.

Em um ato dos Co­mi­tês Lo­cais de Abas­te­ci­men­to e Pro­du­ção (Clap), pro­gra­ma de distribuição de ali­men­tos sub­si­di­a­dos que o governo ini­ci­ou em 2016, Ma­du­ro per­gun­tou a um tra­ba­lha­dor por que es­ta­va tão ma­gro.

Aos ri­sos, al­guém res­pon­deu que era a “di­e­ta do Ma­du­ro”. Ao que ele re­tru­cou: “A di­e­ta do Ma­du­ro o dei­xa du­ro sem pre­ci­sar de Vi­a­gra”.

“co­me­mos uma xí­ca­ra de ar­roz, a di­vi­di­mos pa­ra o al­mo­ço e o jan­tar, e no dia se­guin­te uma de len­ti­lha. Não lem­bro da úl­ti­ma vez que co­me­mos fran­go ou car­ne

Fo­tos Os­car González Gran­de/Folhapress

A venezuelana Sa­rahy com seu fi­lho, Bryan, de 14 me­ses, que pe­sa ape­nas 7 kg e me­de pou­co mais de 60 cm; à di­rei­ta, ido­so ob­ser­va sa­cos de li­xo em bus­ca de co­mi­da em Ca­ra­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.