Re­pres­são fi­ca mais vi­o­len­ta no in­te­ri­or da Venezuela

Mai­o­ria de mor­tes em ju­lho ocor­reu em áre­as on­de co­ber­tu­ra de mí­dia é ra­ra

Folha De S.Paulo - - Mundo - SYLVIA COLOMBO

Jo­vem de Bar­qui­si­me­to diz que, an­te es­cas­sez, po­lí­cia dá ar­mas e co­mi­da pa­ra po­pu­la­ção ata­car manifestantes

Ima­gens de con­fron­tos en­tre as for­ças da ditadura venezuelana e os opo­si­to­res do re­gi­me se to­nam co­muns nos no­ti­ciá­ri­os in­ter­na­ci­o­nais, so­bre­tu­do a par­tir de abril, qu­an­do se in­ten­si­fi­cou a vi­o­lên­cia. Des­de en­tão, já se con­tam ao me­nos 122 mor­tos —a ONG venezuelana Fo­ro Pe­nal fa­la em 133 até 31 de ju­lho.

A ca­ra me­nos vi­sí­vel e mais san­gren­ta da re­pres­são, po­rém, não es­tá em Ca­ra­cas, on­de ain­da é pos­sí­vel gra­var e trans­mi­tir ima­gens da im­pren­sa lo­cal ou es­tran­gei­ra, ain­da que sob ris­co.

Em Es­ta­dos do in­te­ri­or, prin­ci­pal­men­te nas ci­da­des com mui­tos es­tu­dan­tes e sem co­ber­tu­ra por mei­os in­de­pen­den­tes, as ci­fras da re­pres­são são mais al­tas. Se­gun­do re­la­tó­rio da Fo­ro Pe­nal, em ju­lho fo­ram 10 mor­tos em Mérida, 9 em Tá­chi­ra e 6 em La­ra.

De lá, tam­bém, vêm os re­la­tos mais dra­má­ti­cos. “En­trei pa­ra a Re­sis­tên­cia [gru­po de jo­vens es­tu­dan­tes que se opõem ao di­ta­dor Nicolás Ma­du­ro] em 2014. Cres­ci em Bar­qui­si­me­to [ca­pi­tal de La­ra] e que­ria es­tu­dar mú­si­ca. Mas, des­de que is­so co­me­çou, só fiz com­ba­ter”, con­ta à Fo­lha, por te­le­con­fe­rên­cia, Dunc­kan Qu­e­ve­do, 17, au­to­e­xi­la­do em No­va York há uma se­ma­na.

“Nós trei­ná­va­mos, cons­truía­mos ar­mas ca­sei­ras, equi­pa­men­to de de­fe­sa, e nos mo­vi­men­tá­va­mos. On­de hou­ves­se com­ba­te, a Re­sis­tên­cia en­vi­a­va guer­rei­ros”, diz.

Se­gun­do Qu­e­ve­do, a re­pres­são em Bar­qui­si­me­to foi mui­to vi­o­len­ta. “E não da­va pa­ra re­gis­trar. A pri­mei­ra coi­sa que a Guar­da Nacional Bolivariana ou os co­le­ti­vos [mi­lí­ci­as cha­vis­tas] fa­zi­am com al­guém que ti­ves­se uma câ­ma­ra em re­pú­dio ao dis­cur­so de Do­nald Trump, em que não des­car­tou a op­ção mi­li­tar pa­ra a crise na Venezuela. O blo­co afir­ma que os úni­cos ins­tru­men­tos acei­tá­veis “são o diá­lo­go e a di­plo­ma­cia”. A declaração tam­bém foi con­de­na­da por Pe­ru, Chi­le, Colôm­bia e Mé­xi­co. ati­ran­do em tro­ca de co­mi­da, pois em Bar­qui­si­me­to já não ha­via na­da nos mer­ca­dos.”

Nas­ci­do nos EUA, Qu­e­ve­do diz que sua mãe co­me­çou a te­mer por sua vi­da e in­sis­tiu que ele fos­se vi­ver com os pa­ren­tes em No­va York.

“Eu não que­ria ir, nós que­ría­mos pa­rar a Cons­ti­tuin­te. Mas fiz um acor­do com mi­nha mãe que, se a Cons­ti­tuin­te pas­sas­se, eu de­sis­tia da lu­ta e iria em­bo­ra.”

Fi­ze­ram o mes­mo vá­ri­os de seus com­pa­nhei­ros. “Éra­mos um gru­po mui­to uni­do, e já sin­to a fal­ta de­les. Mas to­dos co­lo­ca­ram o 30 de ju­lho co­mo da­ta fi­nal, por­que al­guns ti­nham fa­mí­lia. O líder do meu gru­po ti­nha fi­lhos, es­ta­va pre­o­cu­pa­do. En­tão ca­da um co­me­çou a pen­sar em ir. Quem po­de sair es­tá sain­do.”

A Fo­lha o co­nhe­ceu no ae­ro­por­to, dois di­as após a elei­ção da Cons­ti­tuin­te cha­vis­ta. Qu­e­ve­do quer ter­mi­nar os es­tu­dos nos EUA e vi­ver um tem­po em No­va York.

Na noi­te an­te­ri­or a seu em­bar­que, dis­se que se reu­niu com os ami­gos pe­la úl­ti­ma vez. “Que­ría­mos uma fes­ta, mas não po­día­mos fa­zer ba­ru­lho, pois a Guar­da es­ta­va por to­dos os la­dos. Só nos abra­ça­mos. E cho­rei mui­to.” 101 ví­ti­mas de for­ças de se­gu­ran­ça ou ci­vis ar­ma­dos DISTRIBUIÇÃO DAS VÍ­TI­MAS DE JU­LHO, POR ES­TA­DO DETIDOS 3 Ca­ra­cas (Dis­tri­to Ca­pi­tal)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.