PAÍ­SES LATINOS REJEITAM FA­LA DE TRUMP

Folha De S.Paulo - - Mundo -

O Mer­co­sul se pro­nun­ci­ou ou gra­vas­se al­go no ce­lu­lar era des­truí-los. Lá não tem jor­na­lis­ta, TV não co­bre.”

Qu­e­ve­do con­ta que vá­ri­os de seus com­pa­nhei­ros fo­ram feridos, mas que le­vá-los ao hos­pi­tal pas­sou a não ser uma op­ção. “Era melhor que a Guar­da não sou­bes­se se a gen­te ti­nha so­bre­vi­vi­do, pois eles já ti­nham nos mar­ca­do. En­tão pre­fe­ría­mos dei­xá-los na dú­vi­da e le­vá­va­mos nos­sos feridos pa­ra ca­sas de pes­so­as que nos apoi­a­vam.”

Ele re­la­ta que cons­truiu seu es­cu­do com cha­pas de raio-x que um mé­di­co dis­tri­buiu aos ga­ro­tos. “Se o ti­ro vi­nha de lon­ge, mes­mo de es­co­pe­ta, o es­cu­do pa­ra­va”, diz, or­gu­lho­so. “Nós os re­ves­tía­mos com CDs. Is­so con­fun­dia a vi­são dos guar­das.”

O jo­vem diz que sem­pre al­guém fi­ca­va de guar­da no al­to dos edi­fí­ci­os na en­tra­da da ci­da­de. “Mas eles co­me­ça­ram a vir com mais for­ça. An­tes, che­ga­vam em car­ros e com me­tra­lha­do­ras, de­pois vi­e­ram tan­ques, com­boi­os e os sol­da­dos com ócu­los pa­ra se mo­vi­men­tar no es­cu­ro.”

De su­as noi­tes de plan­tão no al­to do pré­dio, Qu­e­ve­do diz que via co­mo car­ros do governo iam pa­ra os bairros po­bres car­re­gan­do cai­xas.

“A guar­da le­va­va co­mi­da e ar­mas pa­ra que as pes­so­as do bair­ro nos ata­cas­sem. Até cri­an­ças de 5 a 8 anos es­ta­vam

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.