Can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te Me­nem é in­cer­ta

Folha De S.Paulo - - Mundo -

Os ar­gen­ti­nos vol­tam às ur­nas nes­te do­min­go (13) pa­ra as Pa­so (Pri­má­ri­as Aber­tas Si­mul­tâ­ne­as e Obri­ga­tó­ri­as) —vo­ta­ção pa­ra de­fi­nir as candidaturas das pró­xi­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas, que ocor­rem em 22 de ou­tu­bro e re­no­vam um ter­ço do Se­na­do (24 cadeiras) e qua­se me­ta­de da Câ­ma­ra de De­pu­ta­dos (127).

Além da re­de­fi­ni­ção do tamanho das ban­ca­das go­ver­nis­ta, que hoje é mi­no­ria, e da opo­si­ção —de mai­o­ria pe­ro­nis­ta—, as le­gis­la­ti­vas te­rão ain­da dois ou­tros sig­ni­fi­ca­dos.

Se­rá a pri­mei­ra ava­li­a­ção nas ur­nas da ges­tão de Mau­ri­cio Ma­cri, que com­ple­ta 19 me­ses no car­go. Se as pes­qui­sas apon­tam que o pre­si­den­te man­tém uma ima­gem po­si­ti­va de cer­ca de 50%, is­so ain­da não se tra­du­ziu numa har­mo­ni­za­ção da cha­ma­da “gri­e­ta” (fen­da), a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca do país.

Há se­to­res da po­pu­la­ção in­qui­e­tos com a de­mo­ra do governo no cum­pri­men­to de pro­mes­sas, prin­ci­pal­men­te na área econô­mi­ca. A in­fla­ção es­tá em 35%, o cres­ci­men­to do PIB pre­vis­to pa­ra 2017 é de ape­nas 1,1% e a mo­e­da per­deu va­lor —o dó­lar dis­pa­rou no­va­men­te nes­ta se­ma­na e ul­tra­pas­sou a bar­rei­ra dos 18 pe­sos.

As­sim, a ali­an­ça go­ver­nis­ta Cam­bi­e­mos (mu­de­mos) lu­ta­rá pa­ra ga­nhar mais cadeiras no Con­gres­so e ga­ran­tir a go­ver­na­bi­li­da­de na se­gun­da par­te do man­da­to de Ma­cri. VOL­TA DE CRISTINA A se­gun­da definição im­por­tan­te é o fa­to de as pri­má­ri­as ser­vi­rem de termô­me­tro pa­ra me­dir o fô­le­go po­lí­ti­co da ex-pre­si­den­te Cristina Kir­ch­ner, 64, que tem pla­nos de vol­tar a con­cor­rer à Pre­si­dên­cia em 2019.

Ago­ra, Cristina sai­rá co­mo can­di­da­ta ao Se­na­do pe­la pro­vín­cia de Bu­e­nos Ai­res, prin­ci­pal re­du­to elei­to­ral do país, com 38% dos vo­tan­tes. Em sua cam­pa­nha, com sua tí­pi­ca re­tó­ri­ca fe­roz e há­bil, Cristina vem se apre­sen­tan­do co­mo a op­ção “an­ti­a­jus­te”. Apon­ta Ma­cri co­mo res­pon­sá­vel pe­lo fim de vá­ri­os sub­sí­di­os e pe­los au­men­tos nas ta­ri­fas. Reforça que os ar­gen­ti­nos ain­da se­rão pre­ju­di­ca­dos com uma pro­pos­ta de fle­xi­bi­li­za­ção tra­ba­lhis­ta e mais au­men­tos nos cus­tos dos ser­vi­ços, pre­vis­tos pe­lo governo pa­ra o pós-elei­ção.

As pes­qui­sas mais re­cen­tes dão uma van­ta­gem pe­que­na, de 4 a 8 pon­tos per­cen­tu­ais, de Cristina so­bre seu ri­val di­re­to, o can­di­da­to ma­cris­ta Es­te­ban Bull­ri­ch, ex­mi­nis­tro da Edu­ca­ção.

Mas o al­to nú­me­ro de in­de­ci­sos (cer­ca de 30%) e os er­ros co­me­ti­dos pe­los prin­ci­pais ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa em 2015 —que pre­vi­ram que Ma­cri se­ria der­ro­ta­do no pri­mei­ro tur­no— fa­zem com que os ana­lis­tas evi­tem pre­vi­sões.

Na noi­te da úl­ti­ma quin­ta­fei­ra (10), uma pes­qui­sa en­co­men­da­da pe­la Ca­sa Ro­sa­da e va­za­da pa­ra a im­pren­sa da­va um em­pa­te téc­ni­co en­tre Cristina e Bull­ri­ch.

Ou­tra par­ti­cu­la­ri­da­de des­ta elei­ção é que o pe­ro­nis­mo não con­se­guiu uni­fi­car-se ao re­dor de uma can­di­da­tu­ra.

Cristina nem se­quer quis dis­pu­tar in­ter­na­men­te com ou­tro pe­ro­nis­ta den­tro do Par­ti­do Jus­ti­ci­a­lis­ta. Por is­so, saiu de­le e cri­ou um no­vo, o Uni­dad Ciu­da­da­na.

Já a ali­an­ça Cum­plir, que in­clui o Par­ti­do Jus­ti­ci­a­lis­ta, con­si­de­ra­do o ofi­ci­al do pe­ro­nis­mo, te­rá uma dis­pu­ta in­ter­na, li­de­ra­da pe­lo ex-mi­nis­tro de Trans­por­te, Flo­ren­cio Ran­daz­zo. En­quan­to is­so, ou­tro pe­ro­nis­ta que cor­re­rá por fo­ra, com seu pró­prio par­ti­do, é Ser­gio Mas­sa, ex-chefe de ga­bi­ne­te du­ran­te o kir­ch­ne­ris­mo

DE BU­E­NOS AI­RES

Ou­tro ex-pre­si­den­te pe­ro­nis­ta que ga­nhou os ho­lo­fo­tes nas úl­ti­mas se­ma­nas foi Carlos Me­nem (1989-1999).

Aos 87 anos, o hoje se­na­dor es­tá con­de­na­do a se­te anos de pri­são por trá­fi­co de ar­mas à Croácia e ao Equa­dor du­ran­te sua ges­tão. Até hoje, po­rém, não ha­via si­do le­va­do à ca­deia por­que, co­mo é con­gres­sis­ta, tem imu­ni­da­de par­la­men­tar.

Te­men­do per­dê-la ao fi­nal do atu­al man­da­to, Me­nem ENCERRAMENTO Nos en­cer­ra­men­tos de cam­pa­nha, Ran­daz­zo, Mas­sa e Cristina dis­pu­ta­ram o le­ga­do do pe­ro­nis­mo.

“Nós somos os bons pe­ro­nis­tas, os que mi­li­tam no pe­ro­nis­mo se­ja nos bons co­mo nos maus tem­pos”, dis­se Ran­daz­zo, di­an­te de um pal­co com ima­gens de Pe­rón (1895-1974) e Evi­ta (1919-52).

Já Ser­gio Mas­sa, sem ci­tar Cristina, afir­mou que o pe­ro­nis­mo não de­ve­ria “vol­tar ao pas­sa­do”. E acres­cen­tou: “Os que têm co­ra­ção pe­ro­nis­ta e es­tão com as­co com re­la­ção ao que ocor­re com a eco­no­mia, que vo­tem na nos­sa cha­pa.”

A ex-pre­si­den­te, por sua vez, foi ao bair­ro mais po­pu­lo­so e de mai­or vo­ta­ção pe­ro­nis­ta, La Ma­tan­za, com mais de 1 mi­lhão de elei­to­res, e pro­me­teu que, ca­so ven­ça, irá “co­lo­car um freio no re­tro­ces­so em que o país en­trou”.

O governo pre­fe­riu en­cer­rar a cam­pa­nha com um dis­cur­so úni­co de Ma­cri em Cór­do­ba, pro­vín­cia em que te­ve uma de su­as mai­o­res vo­ta­ções na elei­ção presidencial de 2015. O man­da­tá­rio pe­diu o voto nos can­di­da­tos da ali­an­ça Cam­bi­e­mos “pa­ra não pa­rar as mu­dan­ças que co­me­ça­mos em 2015, qu­an­do pu­se­mos o país em mar­cha”. (SYLVIA COLOMBO) vol­tou a se ins­cre­ver co­mo can­di­da­to a se­na­dor por La Ri­o­ja, sua pro­vín­cia, e vi­nha fa­zen­do cam­pa­nha nor­mal­men­te até que, no começo da se­ma­na pas­sa­da, a Jus­ti­ça Elei­to­ral im­pug­nou sua can­di­da­tu­ra.

Sua ba­se de apoio, po­rém, saiu a de­fen­dê-lo com um ato em La Ri­o­ja, en­quan­to Me­nem ape­lou pa­ra a Cor­te Su­pre­ma, que de­ter­mi­nou que to­ma­rá uma de­ci­são ape­nas após as Pa­so.

Is­so sig­ni­fi­ca que sua can­di­da­tu­ra fi­cou con­di­ci­o­na­da. Ele po­de­rá dis­pu­tar as pri­má­ri­as nes­te do­min­go (13), mas cor­re o ris­co de per­der o di­rei­to de con­cor­rer em ou­tu­bro, de­pen­den­do da de­ci­são dos juí­zes. (SC)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.